Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Pior era impossível

por João Távora, em 27.05.19

A haver uma boa notícia nestas eleições, cuja brutal abstenção fere de morte a representatividade dos eleitos, é que a envergadura da catástrofe exigirá uma profunda reflexão de todos os participantes. Ninguém em boa consciência tem razões para festejar. No que à direita diz respeito, reduzida a escombros (note-se que os votos brancos e nulos foram a 4ª força política com mais de 7%, bem à frente do CDS) não tem tempo de se refazer das feridas até às legislativas de Outubro, e só um milagre evitará a repetição duma humilhação. A grande questão é: como operar esse milagre em três meses, numa direita que só será viável em coligação mas nunca esteve tão dividida. Pobre país...


6 comentários

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 27.05.2019 às 11:28

ganhou a abstenção com cerca de 70%
como se dizia em alentejano « O ELOGIO DA MERDA» 
a revolução de Sísifo
Sem imagem de perfil

De Luís Lavoura a 27.05.2019 às 12:53

a brutal abstenção fere de morte a representatividade dos eleitos

Não fere nada.

Numa eleição só interessam os votos de quem vota. Quem não vota faz a escolha que faz, e ninguém tem nada a ver com isso. Se calhar, quem não vota não faria ideia de em quem votar, e se votasse votaria ao calhas, pelo que, mais vale que não vote. Devemos fazer todo o possível para que as pessoas não tenham dificuldade em votar, mas isso não quer dizer que devamos ter a ideia fixa de obter os votos de toda a gente. Há muita gente que não liga à política, e tem o direito de não ligar. Se não querem votar, então é porque o seu voto não interessaria, de qualquer forma.
Sem imagem de perfil

De Luís Lavoura a 27.05.2019 às 14:56

a brutal abstenção fere de morte a representatividade dos eleitos

Não fere nada.

O que feriria, seria se as pessoas votassem sem saber no que votavam.

Só vota quem sente que sabe em quem vota e quem tem motivação para isso. Os outros, os que não votam, não contam, e ainda bem.

Vivemos num país livre, e as pessoas não são obrigadas a interessar-se por política.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 27.05.2019 às 16:07

Sr. João, mas pobre país porquê? Então quando não ganham os políticos que o senhor prefere é um pobre país? Os outros políticos não prestam? 
Sem imagem de perfil

De gato a 27.05.2019 às 17:01

A pobreza está à vista nos comentários.
Sem imagem de perfil

De gato a 27.05.2019 às 21:13


No sábado passado o Banco Alimentar demonstrou como os portugueses são capazes de ajudar.
Felizmente, não se metem em politiquices. Excepto os que são politiqueiros.
Por desígnio que me ultrapassa, este povo continua a desculpar os politiqueiros, porque «se calhar, faríamos o mesmo».

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com



Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes


Links

Muito nossos

  •  
  • Outros blogs

  •  
  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2024
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2023
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2022
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2021
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2020
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2019
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2018
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2017
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2016
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2015
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2014
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2013
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2012
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2011
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2010
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D
    196. 2009
    197. J
    198. F
    199. M
    200. A
    201. M
    202. J
    203. J
    204. A
    205. S
    206. O
    207. N
    208. D
    209. 2008
    210. J
    211. F
    212. M
    213. A
    214. M
    215. J
    216. J
    217. A
    218. S
    219. O
    220. N
    221. D
    222. 2007
    223. J
    224. F
    225. M
    226. A
    227. M
    228. J
    229. J
    230. A
    231. S
    232. O
    233. N
    234. D
    235. 2006
    236. J
    237. F
    238. M
    239. A
    240. M
    241. J
    242. J
    243. A
    244. S
    245. O
    246. N
    247. D