Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Pessoas comuns

por henrique pereira dos santos, em 17.04.24

Voltando à Montis, gostaria de fazer um comentário sobre estes gráficos, que estavam na apresentação de balanço dos seus dez anos.

socios.jpg

Um dia destes um amigo meu estranhou eu estar sempre a falar de pessoas comuns, como se quisesse marcar uma diferença moral entre grupos sociais diferentes, mas na realidade é o inverso, eu recuso as designações de activistas, jovens, ambientalistas, etc., porque não quero atribuir categorias morais a pessoas por fazerem isto ou aquilo.

A Montis sempre quis ser, até hoje (amanhã não sabemos, os sócios é que irão determinando o rumo), uma associação de pessoas comuns que se juntam para um objectivo específico: ter o controlo de propriedades que sejam geridas com o objectivo principal de produzir biodiversidade.

Não há nenhuma oposição à posição mais tradicional de procurar ter o controlo sobre a gestão de áreas de valor natural elevado, para evitar a sua degradação, mas havendo tanta gente e tanta organização empenhada nisso, pareceu-nos mais útil pegar em terrenos que não valem nada, mesmo do ponto de vista de conservação, e criar valor de biodiversidade a partir da gestão sensata dos processos naturais.

Esta gestão custa dinheiro e, mesmo inscrevendo a Montis nos seus objectivos aumentar o valor da biodiversidade e procurando rentabilizar o que for possível sem afectar o objectivo principal de produzir biodiversidade, isto quer dizer que não é possível sem recursos externos.

Os que os gráficos mostram é a evolução nos primeiros (e últimos) dez anos da Montis, mostrando à esquerda como tem evoluído o número de sócios e à direita como têm evoluído das receitas e despesas.

Há duas conclusões que me parecem relevantes.

Uma é a de que o crescimento dos sócios tem sido mais difícil do que se pensou e há menos capacidade de ter pessoas a pagar 25 euros por ano como contribuição para ter propriedades que não valem nada a ser transformadas em coisas úteis para todos, através do aumento do seu valor natural.

A segunda é a de que até é fácil aumentar rapidamente os recursos disponíveis com base em projectos, mas isso tem dois problemas: a) o desfasamento entre o momento em que as receitas sobem e o momento em que sobem as despesas inerentes à execução dos projectos; b) os parcos recursos da associação concentram-se na execução dos projectos, que respondem a objectivos dos financiadores, em vez de estarem concretados no que se pretende, isto é, na gestão de terra e no crescimento de sócios.

Felizmente depois de um valor artificialmente alto de receitas e despesas, resultante da aprovação de um grande projecto, a Montis conseguiu fazer uma aterragem suave para níveis de receita e despesa compatíveis com a natural evolução da associação.

E, tendo-o feito, parece muito sensata a opção de lançar agora, através de uma campanha de crowdfunding que pode ser visitada aqui, um fundo de aquisição de propriedades que recentre os próximos dez anos no essencial, o reforço de uma associação de pessoas comuns que se juntam para gerir propriedades com objectivos de conservação da natureza.

Se gostarem da ideia, é boa altura para uma contribuição na dita campanha de crowdfunding.


5 comentários

Sem imagem de perfil

De balio a 17.04.2024 às 15:06


é fácil aumentar rapidamente os recursos disponíveis com base em projectos, mas isso tem dois problemas


Pois tem problemas mas, uma vez que é essencial fazê-lo, a questão é somente determinar qual o montante-limite dos projetos em que se deve envolver.


Ou não?


Eu faço as contas assim. 400 sócios a pagar 25 euros por ano dá dez mil euros por ano. Se o orçamento atual da Montis é de cem mil euros por ano, conclui-se que 90% do orçamento não é financiado pelos sócios, mas sim por projetos (diversos e cuja natureza exata eu desconheço e não pretendo debater). Portanto, já hoje (e desde sempre) a Montis foi em grande parte financiada por projetos.


Ou estou a ver mal a coisa? Talvez esteja.
Imagem de perfil

De henrique pereira dos santos a 17.04.2024 às 15:10

Estás a ver mal porque as doações não são nem quotas de sócios, nem projectos, tal como acordos, protocolos e prestações de serviços.
Sem imagem de perfil

De balio a 17.04.2024 às 17:01


as doações não são nem quotas de sócios, nem projectos


Quer o Henrique Pereirs dos Santos dizer que há alguém (quem, concretamente? Particulares? Empresas? Municípios? Em troca de quê?) que doa à Montis dezenas de milhares de euros por ano? Custa-me a conceber, mas talvez seja verdade...


acordos, protocolos e prestações de serviços


Que tipos de serviços remunerados presta a Montis a quem? (Sejam esses serviços pontuais, ou prestados no âmbito de um acordo ou protocolo.)



Eu tenho uma propriedade minha entregue à gestão da Montis. A Montis gere-a mas eu não lhe pago nada por isso. Será que a outras entidades a Montis cobra dinheiro pela gestão?
Imagem de perfil

De henrique pereira dos santos a 18.04.2024 às 08:52

Todas as perguntas que fazes têm respostas claras e simples em documentos públicos, portanto não vou perder tempo eu, para te poupar a ti o tempo que não queres gastar a responder às tuas dúvidas.
O extraordinário é que te custe a conceber que há doações que representam milhares de euros, exactamente quando faço um post sobre uma campanha em curso que visa recolher 20 mil euros de doações.
Sem imagem de perfil

De Albino Manuel a 17.04.2024 às 17:23

Prefiro tudo o que é comercial, lucrativo, ao que é solidário e pro bono. No geral este fica mais caro e o serviço é pior. 

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com



Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes


Links

Muito nossos

  •  
  • Outros blogs

  •  
  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2024
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2023
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2022
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2021
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2020
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2019
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2018
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2017
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2016
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2015
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2014
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2013
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2012
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2011
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2010
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D
    196. 2009
    197. J
    198. F
    199. M
    200. A
    201. M
    202. J
    203. J
    204. A
    205. S
    206. O
    207. N
    208. D
    209. 2008
    210. J
    211. F
    212. M
    213. A
    214. M
    215. J
    216. J
    217. A
    218. S
    219. O
    220. N
    221. D
    222. 2007
    223. J
    224. F
    225. M
    226. A
    227. M
    228. J
    229. J
    230. A
    231. S
    232. O
    233. N
    234. D
    235. 2006
    236. J
    237. F
    238. M
    239. A
    240. M
    241. J
    242. J
    243. A
    244. S
    245. O
    246. N
    247. D