Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Pendurados e agachados

por João Távora, em 24.04.17

No início da década de 90 explodiu em Portugal um tipo de perfil que faleceu no decorrer do programa de ajustamento. Circulavam pelos corredores das grandes empresas dos mercados não transacionáveis (obviamente…), pelos ministérios, bancos, ou ainda por uma qualquer autarquia mais atrevida. Consideravam-se o arauto e a referência do melhor que a gestão e a ambição podiam dar ao país (ou em rigor, a si e aos seus), projectando-se na sociedade como a nata e como sendo aqueles a quem todos deviam dar as graças pelos seus valorosos e inquestionáveis méritos postos ao serviço da Nação.

Falavam de alto, mais pelo que julgavam ser do que pelo que eram. Ele era milhões para aqui e para ali. Discorriam sobre estratégia e negócios com aquele à vontade próprio do parolo que brilha perante uma plateia mais desinformada. Cegos sobre os cenários que iam imaginando e quase sempre muito resolutos, viam-se como aqueles a quem a providência se lembrara para tomar em mãos os destinos estratégicos do país, e, por inerência, aqueles a quem o topo lhes deveria pertencer como consequência da sua condição.

Para muitos representavam aquilo que, erroneamente, muita esquerda sempre quis fazer acreditar como sendo a Direita. Desmedidamente ambiciosa, arrogante, inculta, impreparada, e sanguessuga. Nem faltava o fiel séquito que costuma gravitar à volta destes círculos, sempre bajulador e refém da sua ambição mais pequenina, embora útil. Desfilava também uma meia gente agachada que aceitava a troca do princípio pela prebenda, ao que não seria alheia a influência do sabor dos amendoins para a indistinção entre miragem e realidade.

Quis pois a realidade, esse incómodo dos ilusionistas, desmontar os mitos que andavam à solta. Com o baixar da maré muitos daqueles que outrora se passeavam alteados e davam entrevistas passaram a viver ou detidos, ou a solicitar perdões de dívida, ou ainda a fazer figuras tristes em comissões de inquérito.

Eram a Direita? Não. Eram Pendurados. Ou numa família, como Ricardo Salgado, ou num partido, como José Sócrates, ou num monte de dívida, como Nuno Vasconcellos, ou numa empresa leiteira, como Zeinal Bava e Henrique Granadeiro. A lista é infindável.

Esta matéria mal organizada e desacreditada sugou muito ao país. Até naquilo onde provavelmente os próprios nunca se darão conta. Subtrairam à Direita, onde por perfil eles não cabem, argumentos para convencer a maioria dos Portugueses que existe uma Direita consciente, responsável, recta, que responde pelos seus actos, livre no pensamento, pouco dada a ilusões e outros jogos, e que pode ser bastante útil para a libertação de Portugal.

 

Pedro Bazaliza
Convidado Especial




Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    Rodeados de bufarinheiros e bonecreiros.É fartar, ...

  • Anónimo

    Se é para pensar fora da caixa, então por exemplo ...

  • Anónimo

    São uns 🤡🤡 e o tuga =

  • Anónimo

    Pedro Oliveira, é pena que já não haja revoltas co...

  • Anónimo

    sw vender os aviões para a sucata e despedir todo ...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2008
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2007
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2006
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D