Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




"Para a mentira ser segura"

por henrique pereira dos santos, em 24.09.16

António Aleixo parece saber mais do mundo que boa parte dos jornalistas.

"Para a mentira ser segura

E atingir profundidade

Tem de trazer à mistura

Qualquer coisa de verdade"

Vem isto a propósito dos estranhos critérios que tenho visto para qualificar qualquer afirmação política como uma mentira ou uma verdade.

Comecemos pela estranha escolha de afirmações a verificar: Mariana Mortágua mente quando diz que 99% da riqueza mundial está concentrada nos 1% mais ricos, mente quando diz que os mais ricos não pagam impostos, mente quando diz que, proporcionalmente, os mais ricos que pagam impostos pagam menos que a classe média, mente quando diz que o imposto sobre património serve para aumentar pensões, mente quando diz que todas as pensões mínimas dizem respeito a pessoas pobres (muitas vezes estas pensões mínimas acumulam com outras pensões e com outras fontes de rendimento, para além de património acumulado, ou poupanças, que resultam também do baixo nível de descontos para a reforma durante a vida activa) e várias outras mentiras e imprecisões em torno da proposta do novo imposto.

O que faz o Observador? Verifica se uma afirmação de Passos Coelho sobre o assunto é verdadeira ou não. Brilhante, como critério jornalístico.

Mas o mais perigoso não é isto, muito mais perigosa é a forma como se define uma mentira, o que se ilustra bem com a peça, do mesmo Observador, sobre uma das afirmações de Costa que levaram Cristas a dizer que não tinha tempo para desmontar todas as suas mentiras.

"De forma hábil, António Costa nunca respondeu...em concreto à questão...pelo que, objectivamente, não pode ser acusado de mentir."

Esta verificação com critérios muito plásticos sobre o que é mentir ou não, pode ser vista também a propósito da tremenda mistificação de Costa que, se fosse feita por Vítor Gaspar, daria origem a pelo menos um mês de profundas verificações de cada número e gráfico e sempre com a mesma conclusão: mas que grande aldrabão e que grande desonestidade.

Aparentemente, nem a grande barretada que Sócrates enfiou em quase todo o jornalismo nacional leva a grande maioria dos jornalistas a aprender uma coisa básica: qualquer bom aldrabão mente muito mais com meias verdades e omissões que com qualquer outra coisa.

Não, Costa não é hábil, é mesmo aldrabão e mentiroso e no que se passou com Sócrates a imprensa tem enormes responsabilidades por se ter furtado ao escrutínio que lhe compete.

Espero que esse factor, que até hoje é um dos grandes suportes do sucesso de Costa (e do BE) não venha outra vez contribuir para os amargos de boca que vão aparecendo no horizonte, apesar da cortina de fumo da imprensa.



Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • henrique pereira dos santos

    1) O que seria sem confinamento seria mais ou meno...

  • Anónimo

    Quando muitas pessoas cantam hossanas à desinfeção...

  • zazie

    Simplificando.A questão contraditória é esta:1- Os...

  • zazie

    Depois ainda continua a não se saber como se dá a ...

  • Luís Lavoura

    a visao do terreno é uma unidade de cuidados inten...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2008
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2007
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2006
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D

    subscrever feeds