Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Palestras metafísicas

por Maria Teixeira Alves, em 15.05.14

 

Nem o melhor guião do Woody Allen, nos tempos áureos, se lembraria de tal coisa. Li de relance, em nota de rodapé na SIC, que Alexandra Solnado foi convidada a participar nas Jornadas da Saúde, que estão a decorrer na Assembleia da República, para falar aos deputados sobre a forma como "as memórias de vidas passadas podem interferir no estado actual da saúde das pessoas". Alexandra Solnado iria falar aos deputados, imagine-se, "de uma experiência de 12 anos de tratamento de doentes com a regressão a vidas passadas e através da limpeza de memórias". I Beg Your Pardon?! Quem terá sido a alminha que se lembrou de a convidar? Lembrei-me daquele filme do Woody Allen que a mãe lhe aparece nas nuvens...

De facto, não há nada melhor do que pagarmos aos deputados da nação para irem ouvir palestras sobre "vidas passadas". Ainda pensei que seria um sentido de humor elevado que levaria a trazer às jornadas da saúde as doenças da mente. Mas enfim. Não me quero meter com a metafísica. Mas aproveito para reproduzir uma piada de Woody Allen: Ele copiou no exame da metafísica, olhou para a alma do colega do lado. 

O cancelamento da palestra de Alexandra Solnado só a surpreendeu a ela, parece-me!

Autoria e outros dados (tags, etc)



9 comentários

Sem imagem de perfil

De Fernando Pessoa a 16.05.2014 às 10:42

De certeza que a Sra . Maria Alves não escreve o artigo com intenção jocosa, nem tão pouco concordo com os métodos, digamos "pouco ortodoxos", da Sra Alexandra Solnado de tratar o tema. Mas isso a que chama "metafísica" não é assim tão simples que se possa resumir a um filme de W.Allen . É que às vezes, sabe, há coisas que nos transcendem à nossa compreensão mundana e limitada.
Sem imagem de perfil

De José C. M. Velho a 17.05.2014 às 00:02

Ó "Fernando Pessoa", claro que a intenção é jocosa e quanto a métodos "pouco ortodoxos" mas quais métodos? Não deveria antes dizer sem método algum? Sabe o que é o Método? Sabe o que é Metafísica? Sabe, às vezes há coisas que de facto transcendem a nossa compreensão mas isso tem nome; chama-se àquilo que ignoramos: ignorância mas àquilo que a dita Alexandra S. ou o Fernando P. aqui diz não se pode chamar ignorância, porque nada ignoram, pelo contrário, têm convicções assentes em um Nada muito grande e em perfeitos Disparates, atirando de uma só vez todo o conhecimento científico da humanidade (de séculos) para o caixote do lixo. O Fernando quando está doente vai ao médico ou à bruxa? Se o Fernando partir uma perna onde vai? Porquê?
Sem imagem de perfil

De Eu a 16.05.2014 às 11:38

nao metam mais tabaco nisso não....
Sem imagem de perfil

De xico a 16.05.2014 às 22:17

Maria Teixeira Alves,
Gozar com Alexandra Solnado pode ter graça, até porque ela se põe a jeito, falando de coisas que nem ela sabe muito bem do que se trata.
Agora gozar com a terapia de vidas passadas é meter-se pelo caminho da asneira. Saiba que o assunto foi e é tratado por especialistas em neurologia e psiquiatria. Começou com Morris Netherton, doutor em psicologia. Um dos especialistas é Brian L. Weiss, doutorado pela universidade de Columbia e catedrático do Mount Sinai Medical Centre, em Nova Iorque, que como devia saber é um dos centros de ensino mais antigo do mundo e tem um dos melhores hospitais.
Imagem de perfil

De Marco Neves a 17.05.2014 às 19:19

O facto de haver universidades e ditos especialistas não prova que algum tipo de terapia ou doutrina seja verdadeira. A terapia de vidas passadas é aquilo a que se chama em terminologia científica "um disparate" — ninguém tem vidas passadas e ninguém tem vidas futuras, pelo menos que se saiba.
Sem imagem de perfil

De xico a 18.05.2014 às 00:36

Toda a ciência progride formulando teorias. Teorias científicas são hipóteses que se colocam e se estudam. Não são provas de que algo seja verdadeiro, senão não eram teorias mas factos. Não sou especialista e por isso não estou habilitado a dizer se a terapia de vidas passadas que tem sido investigada é conhecida no meio científico como disparate. O que sei é que a Universidade da Columbia é das mais prestigiadas dos EUA e uma das mais antigas deste país. Pôr em causa o valor dos seus catedráticos é que me parece um disparate.
Como diz, nada se sabe se há ou não vidas passadas. Dizer que não há é tão disparate como afirmar que as há sem provas. Platão acreditava que as havia. Espero sinceramente que não se impedisse Platão de participar numa conferência das nossas universidades.
Imagem de perfil

De Marco Neves a 18.05.2014 às 12:49

O significado das palavras "teoria" e "facto" não é o mesmo no dia-a-dia e no âmbito da discussão científica. Uma teoria científica é um sistema de ideias que explica uma série de fenómenos ("factos") e não foi, ainda, invalidada. No fundo, uma teoria científica partilhada pela comunidade científica é o nosso melhor conhecimento sobre determinado fenómeno. "Teoria científica" é quase sinónimo de "facto". Quando falamos de "teorias científicas" falamos daquilo que de mais parecido temos com a certeza de que algo é verdadeiro (os cientistas só não apresentam certezas porque esse conceito não existem em ciência). A Teoria da Relatividade, a Teoria da Evolução das Espécies por Selecção Natural, a Teoria Heliocêntrica — tudo são teorias, ou seja, são conhecimento científico sólido e validado por imensas observações e experiências.


No que toca à "teoria das vidas passadas", estamos a falar duma hipótese sem qualquer base científica: a palavra teoria, neste caso, quer dizer apenas "ideia" ou "hipótese". Não é uma teoria científica, pois nunca foi testada ou integrada com o conhecimento científico. A ciência, aliás, explica a existência destas ideias através de fenómenos psicológicos. Para que as "vidas passadas" fossem verdadeiras, era preciso que uma série de teorias na área da biologia fossem falsas e não há qualquer indício que o sejam. Para que as "vidas passadas" fossem verdadeiras, era preciso encontrar a "alma" ou "essência" ou "espírito" que passaria de um corpo para outro, e nada disso foi encontrado ou detectado de forma científica.


Sim, os cientistas não podem provar a não existência deste fenómeno, tal como não podem provar a inexistência das fadas, do Pai Natal ou do Loch Ness. Mas não poder provar seja o que for não quer dizer que devamos aceitar a sua existência sem qualquer prova ou que possamos andar a estudar essa ideia indefinidamente sem encontrar qualquer indício que seja verdadeira. A Ciência funciona procurando teorias que expliquem de forma cada vez mais profunda um cada vez maior número de fenómenos naturais. As memórias de "vidas passadas" já foram explicadas pela Ciência como fenómeno natural: o nosso cérebro consegue criar e imaginar memórias de coisas que nunca aconteceram. Por outro, lado, a existência real de "vidas passadas" não foi detectada e implicaria a falsidade de inúmeras teorias científicas que foram já testadas e comprovadas ao longo de décadas. 


Haver académicos que estudam estas questões não prova nada. Só os resultados que pudessem apresentar, que resultassem de experiências cientificamente sólidas e que fossem testadas e reproduzidas por outras equipas em todo o mundo poderiam dar-nos confiança na hipótese apresentada e transformá-la em teoria científica (ou seja, factos científicos). Nesse caso, essa teoria iria invalidar teorias anteriores, mas é isso mesmo que acontece em muitos casos. Foi o que aconteceu com a Relatividade, com a Evolução, etc., que se tornaram teorias (=factos), desalojando do conhecimento científico outras teorias, que passaram a ser apenas e só ideias erradas. Nada disso aconteceu com esta hipótese das "vidas passadas".


Por fim, Platão acreditava em muita coisa que, depois, se veio a comprovar ser um disparate. Na altura em que viveu, tais ideias não eram um disparate, porque o conhecimento científico não estava tão avançado como hoje. Se Platão renascesse hoje e lhe fossem explicadas todas as experiências e tudo o que se descobriu até hoje, também ele chegaria, racionalmente, às conclusões a que chegaram os cientistas. Se, mesmo assim, Platão fosse a uma conferência científica apresentar esta ideia sem qualquer base científica, essa ideia seria recusada. Se uma qualquer pessoa desconhecida chegasse a uma conferência científica com resultados sólidos, esses resultados seriam analisados. O que interessa não são as pessoas particulares que apresentam os resultados, mas a força desses mesmos resultados e a sua capacidade para serem reproduzidos por terceiros e, assim, integrados no conhecimento científico.
Sem imagem de perfil

De xico a 18.05.2014 às 21:04

Estou plenamente de acordo consigo. O que quis chamara a atenção de MTA é que misturar uma terapia que, bem ou mal, não sei, está a ser investigada pelos meios científicos apropriados, dizia eu, misturar isso com a "esperteza" de Alexandre Solnado parece-me asneira.
Quanto à existência da alma, essência ou espírito, julgo que a ciência não vai bem se põe de lado como hípótese de estudo uma ideia que é transversal a toda a humanidade. Logo não pode ser considerado disparate estudos que pretendam compreender fenómenos que a cultura não científica explica pela existência de uma alma ou espírito (nem sempre significam o mesmo), senão imortal pelo menos separável do corpo físico.
Sem imagem de perfil

De J. Miranda a 17.05.2014 às 23:01

Virá o dia em que o Ser Humano deixará de medir o conhecimento dos outros, pela medida do seu...E quando esse dia chegar, aqueles que apenas sabem o que aprenderam com outros, que também pouco sabem, deixarão de fazer comentários sobre assuntos de que nada sabem.
Tenho pena que haja tantos, a viver sem amor, sem verem a luz que não está entre os 400 e os 700 nm, sem a consciência, ...apenas para citar algumas das coisas que não se vêm (com os olhos). E como não as conseguem ver, não farão com certeza parte das suas vidas. Falem do que sabem, se não sabem não publiquem.

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    Costa, Costa! Então já não há um pouquinho de verg...

  • Anónimo

    O Costa é Costa, o Costa é hipócrita e demagogo, o...

  • Anónimo

    O peixe oficial é mais raia que o parta.Henrique P...

  • Anónimo

    Caro senhor, o Henrique Pereira dos Santos tem vin...

  • Pedro Nunes

    Já tinha saudades de ler os textos do Henrique.


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2015
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2014
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2013
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2012
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2011
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2010
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2009
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2008
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2007
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2006
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D