Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Padaria Portuguesa

por henrique pereira dos santos, em 27.03.20

"Não sei, meus filhos, que mundo será o vosso.
É possível, porque tudo é possível, que ele seja
aquele que eu desejo para vós. Um simples mundo,
onde tudo tenha apenas a dificuldade que advém
de nada haver que não seja simples e natural.
Um mundo em que tudo seja permitido,
conforme o vosso gosto, o vosso anseio, o vosso prazer,
o vosso respeito pelos outros, o respeito dos outros por vós.
E é possível que não seja isto, nem seja sequer isto
o que vos interesse para viver. Tudo é possível,
ainda quando lutemos, como devemos lutar,
por quanto nos pareça a liberdade e a justiça,
ou mais que qualquer delas uma fiel
dedicação à honra de estar vivo."

Lembrei-me disto quando comecei a ler comentários inacreditáveis sobre o facto de Boris Johnson ter testado positivo para o coronavírus.

Mas na verdade já tinha decidido que ia decidir se fazia um post sobre a Padaria Portuguesa.

Sou um cliente habitual da Padaria Portuguesa, vou lá de manhã comprar pão, o suficiente para, de maneira geral, já saberem que eu peço para cozerem melhor o pão (não é muito sustentável ter o forno a trabalhar só para cozer os meus pães mais um bocadinho, mas entre a sustentabilidade e a minha mulher, eu opto sempre pela minha mulher) e para ter reparado, num relance, que a SIC lá tinha estado numa reportagem, ao ver o Ibrahim e a Brigitte.

E como continuo todas as manhã a ir ao pão e comprar o jornal (lavo as mãos antes de ir, deixei de levar o saco de pano e passei a trazer o de papel deles, lavo as mãos mal entro em casa e antes de tocar em alguma coisa, garanto que o manípulo da torneira ficou como estava antes de lhe tocar para abrir a torneira, enfim, eu cumpro as regras de auto-protecção e levo-as a sério), sou testemunha da rapidez de adaptação que a empresa demonstrou, transformando em dois ou três dias a loja de padaria em mercearia, vendendo ovos, azeite, arroz, massa, feijão, etc..

Depois de ver o ressentimento de muitos comentários jubilosos pelo facto do seu dono ter escrito uma carta ao primeiro-ministro a explicar que ou há maneira de se apoiar a empresa, ou não há dinheiro para pagar ordenados em muito pouco tempo, como se alguém ganhasse mais que a satisfação da vingança de poder dizer "não são mais que eu" a um empresário falido, achei por bem explicar que tenho pena, mesmo muita pena, se a empresa falir.

Não por mim, o que não faltam são padarias à minha volta, e tal como deixei de comprar ao senhor Manuel e ao senhor António quando a mercearia passou a lavandaria automática, com pena minha, que o pão era óptimo, melhor que o da Padaria Portuguesa, já agora, passo a comprá-lo noutro lado.

O que me chateia, se a empresa for à falência, é ter a noção da aflição da Catarina, que um dia destes andava em bolandas para comprar o leite da filha de meses, porque tinha desaparecido à conta do corona (o leite, não a filha, claro), da Ana, da Patrícia, do Ibrahim, do André e por aí fora, vítimas laterais da maior e mais estranha experiência sociológica a que me foi dado assistir: o suicídio de uma economia na vã tentativa de parar o contágio de uma doença que, fora dos grupos de risco, tem um efeito definitivo marginal na larga maioria da população.

E tiro o chapéu ao empresário que não quis deitar a toalha ao chão, reinventando o conceito das lojas em dias, mesmo sabendo que, provavelmente, na falta de dinheiro rápido até que os clientes sejam autorizados a voltar, é um esforço inglório.



22 comentários

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 28.03.2020 às 00:56

"Um mundo em que tudo seja permitido"

Excepto

Amar sem amor.


Li e retive isto, há mais de 45 anos, numa publicaçãozinha das Edições Itau.
Obrigado, Júlio Roberto, onde quer que estejas.   
Sem imagem de perfil

De António a 28.03.2020 às 00:59

Acho que a idéia não é “parar”, é tentar que não fique demasiada gente doente ao mesmo tempo. Para que gente que poderia ser salva não deixe de o ser.
Também é cedo para afirmar o “efeito definitivo marginal”. Oxalá que seja, mas não se sabe.
Quanto aos grupos de risco, e já que pertenço a pelo menos dois, os cuidados não serão demais. E um dia também o meu amigo pertencerá a algum deles.
Imagem de perfil

De henrique pereira dos santos a 28.03.2020 às 06:33

E quem lhe disse que não pertenço?
Sem imagem de perfil

De António a 28.03.2020 às 10:56

Cuidemo-nos então.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 28.03.2020 às 10:08

«amar sem ser amado
é como limpar o cu sem estar cagado»
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 28.03.2020 às 21:28

Nem mais
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 28.03.2020 às 19:33

E que tal mencionar que estes senhores o ano passado tiveram um lucro de 45 milhões de Euros ? Agora não tem dinheiro para salários ?
E que tal mencionar que são os mesmos senhores que acham o salário mínimo demasiado elevado ?
A padaria portuguesa é liderada  pelo típico empresário português: 
Quando existe lucro nem o estado nem os trabalhadores são recompensados.
Quando não existe lucro querem a maminha do estado e despachar trabalhadores.


A chularia Portuguesa
Imagem de perfil

De henrique pereira dos santos a 28.03.2020 às 22:23

Tem toda a razão, tenho a certeza de que os 1200 trabalhadores serão facilmente absorvidos pela sua empresa.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 29.03.2020 às 11:53

Bela resposta sim senhor!
Não seja populista e responda com alguma coerencia. A observação que foi feita é digna disso
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 29.03.2020 às 14:31

Alguma certamente os absorverá.
Se a padaria portuguesa fechar abre a xpto.
O espaço livre acaba sempre por ser ocupado.
Como dizia o outro, "... É a economia estúpido".
Se a padaria portuguesa fechar é porque não foi competente. Acontece isso com qualquer ser vivo. Ou se adapta ou morre.
Imagem de perfil

De henrique pereira dos santos a 29.03.2020 às 21:41

Claro, tenho aliás a certeza de que será na sua empresa que estes trabalhadores vão ficar, até porque, como toda a gente sabe, o desemprego num existiu
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 30.03.2020 às 12:01


Já vi que vai ser a sua que lhe vai ser emprego a ganhar um ordenado com deve ser.


Que se saiba já havia emprego antes da padaria portuguesa e espera-se que continue a haver depois da padaria portuguesa. Os padeirinhos portugueses, pelos vistos não passam de uns patos bravos.
Sem imagem de perfil

De Eu próprio a 28.03.2020 às 22:33


Padarias de patos bravos, á primeira dificuldade escrevem a ministros, onde chegámos nós ? Um pais onde destruimos Sorefames, Lisnaves,Cablesas,Sodias, UMMs etc. vem estes marmelos falar de padarias. Haja Pachorra
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 28.03.2020 às 23:15

Tem toda a razão, lembro-me bem da qualidade soberba do pão que ia buscar à Sorefame
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 29.03.2020 às 14:27

UAU que observação tão inteligente
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 29.03.2020 às 02:33

Cada vez mais o sucesso alheio faz me bem, estimula-me e serve de motivação.  Eu próprio sinto me cada vez mais preparado para isso. Gosto de ver Portugueses vencer, e a Padaria Portuguesa é disso um exemplo. Quero ver tantas Padaria Portuguesas pelo mundo , quanto, pelo menos , Mcdonalds! Tem tudo para isso,portanto força e ambição! Os outros não são melhores do que nós! 
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 29.03.2020 às 10:28

Eu também gosto de ver portugueses de sucesso, desde que o mesmo não aconteça à custa da miséria e empobrecimento de quem contribui para o seu sucesso!
Quantos pobres é necessário fazer para fazer um rico? 
Imagem de perfil

De henrique pereira dos santos a 29.03.2020 às 10:58

Não sei, a minha sugestão é a de que pergunte ao Cristiano Ronaldo, que deve saber a quantos teve de roubar para ter o que tem
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 29.03.2020 às 14:26

Que comparação de de me#$@
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 29.03.2020 às 10:59

Caríssimo Henrique, já estão a morrer miúdos/ adolescentes que não pertenciam a qualquer grupo de risco. Será que não valerá a pena sacrificar um pouco do nosso bem estar (menos laptops, menos smartphones, menos automóveis, etc) e contribuir para que não entremos todos ao mesmo tempo nos hospitais? Afinal, penso eu, é disso que se trata.
Será que tenho eu o direito, por não ser de qualquer grupo de risco, de contaminar os meus pais e os meus sogros?
Imagem de perfil

De henrique pereira dos santos a 29.03.2020 às 21:44

Não é verdade, estude os casos clínicos
Perfil Facebook

De Carlos Gonçalves a 29.03.2020 às 20:58

"...o suicídio de uma economia na vã tentativa de parar o contágio de uma doença que, fora dos grupos de risco, tem um efeito definitivo marginal na larga maioria da população."



E eu começo a perguntar-me (https://passaparedes.blogspot.com/2020/03/o-paradoxo-sueco.html) se destruindo a economia é mesmo a maneira mais eficaz para parar a propagação da doença:



Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • henrique pereira dos santos

    Especialista em eucaliptos? Não tenho essa ideia.

  • Esteves

    Secretario de estado ? EnganoO andre é candidato ...

  • Esteves

    "Asneira. Já houve no mundo montes de epidemias qu...

  • Esteves

    cairem de um andaime, têm covid... sao contabiliza...

  • Esteves

    O andre nao se rege pela natureza... a natureza re...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2008
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2007
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2006
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D