Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Padaria Portuguesa

por henrique pereira dos santos, em 27.03.20

"Não sei, meus filhos, que mundo será o vosso.
É possível, porque tudo é possível, que ele seja
aquele que eu desejo para vós. Um simples mundo,
onde tudo tenha apenas a dificuldade que advém
de nada haver que não seja simples e natural.
Um mundo em que tudo seja permitido,
conforme o vosso gosto, o vosso anseio, o vosso prazer,
o vosso respeito pelos outros, o respeito dos outros por vós.
E é possível que não seja isto, nem seja sequer isto
o que vos interesse para viver. Tudo é possível,
ainda quando lutemos, como devemos lutar,
por quanto nos pareça a liberdade e a justiça,
ou mais que qualquer delas uma fiel
dedicação à honra de estar vivo."

Lembrei-me disto quando comecei a ler comentários inacreditáveis sobre o facto de Boris Johnson ter testado positivo para o coronavírus.

Mas na verdade já tinha decidido que ia decidir se fazia um post sobre a Padaria Portuguesa.

Sou um cliente habitual da Padaria Portuguesa, vou lá de manhã comprar pão, o suficiente para, de maneira geral, já saberem que eu peço para cozerem melhor o pão (não é muito sustentável ter o forno a trabalhar só para cozer os meus pães mais um bocadinho, mas entre a sustentabilidade e a minha mulher, eu opto sempre pela minha mulher) e para ter reparado, num relance, que a SIC lá tinha estado numa reportagem, ao ver o Ibrahim e a Brigitte.

E como continuo todas as manhã a ir ao pão e comprar o jornal (lavo as mãos antes de ir, deixei de levar o saco de pano e passei a trazer o de papel deles, lavo as mãos mal entro em casa e antes de tocar em alguma coisa, garanto que o manípulo da torneira ficou como estava antes de lhe tocar para abrir a torneira, enfim, eu cumpro as regras de auto-protecção e levo-as a sério), sou testemunha da rapidez de adaptação que a empresa demonstrou, transformando em dois ou três dias a loja de padaria em mercearia, vendendo ovos, azeite, arroz, massa, feijão, etc..

Depois de ver o ressentimento de muitos comentários jubilosos pelo facto do seu dono ter escrito uma carta ao primeiro-ministro a explicar que ou há maneira de se apoiar a empresa, ou não há dinheiro para pagar ordenados em muito pouco tempo, como se alguém ganhasse mais que a satisfação da vingança de poder dizer "não são mais que eu" a um empresário falido, achei por bem explicar que tenho pena, mesmo muita pena, se a empresa falir.

Não por mim, o que não faltam são padarias à minha volta, e tal como deixei de comprar ao senhor Manuel e ao senhor António quando a mercearia passou a lavandaria automática, com pena minha, que o pão era óptimo, melhor que o da Padaria Portuguesa, já agora, passo a comprá-lo noutro lado.

O que me chateia, se a empresa for à falência, é ter a noção da aflição da Catarina, que um dia destes andava em bolandas para comprar o leite da filha de meses, porque tinha desaparecido à conta do corona (o leite, não a filha, claro), da Ana, da Patrícia, do Ibrahim, do André e por aí fora, vítimas laterais da maior e mais estranha experiência sociológica a que me foi dado assistir: o suicídio de uma economia na vã tentativa de parar o contágio de uma doença que, fora dos grupos de risco, tem um efeito definitivo marginal na larga maioria da população.

E tiro o chapéu ao empresário que não quis deitar a toalha ao chão, reinventando o conceito das lojas em dias, mesmo sabendo que, provavelmente, na falta de dinheiro rápido até que os clientes sejam autorizados a voltar, é um esforço inglório.



Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    Se Portugal é um pseudo país não sei o que estás c...

  • Rui

    Quantas ligações OPO-LIS estão previstas. Já viu? ...

  • Rui

    Total desconhecimento da realidade económica do pa...

  • Rui

    Verdade, desde que seja um hub. Por acaso o senhor...

  • Anónimo

    concordoPor isso eu tenho a ideia que a democracia...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2008
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2007
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2006
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D


    subscrever feeds