Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Outra vez a informação

por henrique pereira dos santos, em 01.03.21

Na sequência do meu post anterior chamaram-me a atenção para alguns aspectos que me deixaram ainda mais baralhado quanto à forma como tratamos a informação, o que é especialmente relevante em processos com elevada incerteza.

Aparentemente haverá algumas discrepânceas de informação sobre o Instituto Ricardo Jorge e a DGS no registo da incidência. Daí não vem mal ao mundo, mas a discussão sobre essas divergências, que nos permitiria perceber melhor os gráficos que uns e outros apresentam, só pode fazer-se com bonecos porque os dados não são disponibilizados e as diferentes opções para os tratar não são o cerne da discussão que permita interpretar a realidade.

A colocação do pico a 18 (Ricardo Jorge) ou a 26 (DGS) não sendo tão relevante como poderia parecer (o que interessa verdadeiramente é o momento em que a tendência de crescimento quebra, e isso é claramente por volta de 18, nos dois gráficos, tanto quanto consigo ver), é ainda assim uma base essencial para se poder avaliar o que se passou em Janeiro.

Importa, em especial, sabermos se a evolução de Janeiro decorreu de contactos no fim de Dezembro - situação que permite discutir o papel dos confinamentos com alguma substância - ou se decorreu de um conjunto de circunstâncias excepcionais, em que a meteorologia tem um grande peso - situação em que o fecho de escolas é uma medida completamente desproporcional.

Quando os dados são escassos e imperfeitos, é preciso ser cauteloso e quaisquer interpretações possíveis devem ser validadas pela verificação de factos que permitam validar as interpretações feitas.

Vou recorrer de novo a Henrique Oliveira para dar um novo exemplo de como o excesso de reverência perante os argumentos de autoridade é um problema profundo em Portugal e nos impede de optimizar socialmente as políticas públicas.

Henrique Oliveira foi chamado pela Assembleia da República na qualidade de especialista neste epidemia.

E como se pode ver aqui, a partir da uma hora e um minuto, faz uma afirmação extraordinária nas suas implicações sociais e políticas, se for verdadeira, claro.

Henrique Oliveira verifica um aumento de letalidade da covid na primeira metade de Janeiro e, sem pestanejar, atribui esse aumento às diculdades de acesso a cuidados de saúde. A ser assim, grande parte da mortalidade exepcional de Janeiro dever-se-ia ao colapso dos serviços de saúde, com o que isso representaria de responsabilidade política.

A mim parece-me normal que se faça todo o esforço para verificar a hipótese levantada a partir da verificação do aumento da letalidade. O aumento da letalidade é inequívoco, a explicação para esse aumento é que não pode ser leviana e tem de se ser verificada, tanto quanto possível, até porque não é uma hipótese absurda.

O estranho é que quase ninguém se entretenha a verificar a hipótese com base em factos objectivos.

1) A letalidade sobe muito no início de Janeiro e começa a descer antes do meio de Janeiro, e os problemas de sobrecarga do sistema de saúde foram maiores na segunda metade de Janeiro. Henrique Oliveira atribui isso ao facto de se ter conseguido expandir a capacidade hospitalar de forma a dar resposta à pressão, o que manifestamente é incompatível com o facto da maior pressão ter sido na segunda quinzena de Janeiro, primeira semana de Fevereiro;

2) A ser verdadeira a hipótese, ter-se-ia verificado uma falência brutal do sistema de saúde, ao ponto de terem ficado por atender um número muito elevado de doentes, suficiente para ter havido o dobro da mortalidade normal e ter aumentado a letalidade da doença. Não há nada que aponte nesse sentido, pressão sim, e muita, ausência de capacidade para prestar cuidados de saúde, não conheço nenhum dado objectivo que o demonstre.

3) Acresce que Henrique Oliveira mostra uma sincronização quase perfeita das curvas da letalidade nas diferentes regiões, quando não existe qualquer sincronia na pressão sobre os hospitais nas diferentes regiões;

4) De resto, procurando explicar diferenças regionais de letalidade (diferenças no valor dessa letalidade, não diferenças na sincronização temporal da variação que se verifica num período concreto), Henrique Oliveira vai procurar outras razões que não a que elegeu como razão única para explicar o aumento geral da letalidade na primeira quinzena de Janeiro;

5) Note-se que ao verificar que as hospitalizações gerais aumentaram mais que as hospitalizações em cuidados intensivos, um indicador que reconhecidamente quer dizer que os cuidados intensivos estão no limite, mas não quer dizer que há gente a morrer por isso, ou a não ser adequadamente tratada (ver a ligação do Observador acima), Henrique Oliveira faz uma ligação directa para o aumento de letalidade, mas olhando com atenção para os gráficos que apresenta, o pico de letalidade é anterior aos picos de hospitalizações gerais e de cuidados intensivos;

6) De resto, a ligação entre cuidados intensivos e letalidade é mais que duvidosa, no sentido em que a maior parte da mortalidade não ocorre em unidades de cuidados intensivos e dos doentes que entram em cuidados intensivos, um quinto a um quarto morrem, mas quatro quintos a três quartos, não. É natural que nas alturas em que sobe a mortalidade, os casos, as hospitalizações gerais e em cuidados intensivos, subam todos estes indicadores em conjunto, porque respondem à maior incidência da doença. Já é totalmente abusivo dizer que há uma relação entre a capacidade de cuidados intensivos e a mortalidade verificada: não há, em Portugal, nenhuma indicação nesse sentido, a não ser correlações estatíscas espúrias.

Resumindo, temos informação escassa, não acessível à maior parte das pessoas e quando alguém com autoridade resolve levantar uma hipótese, como fez Henrique Oliveira na Assembleia da República, pouca gente perde tempo a verificar que dados objectivos e verificáveis existem que corroborem a hipótese (começando pelo próprio), basta-nos, a quase todos, a autoridade académica (ou outra) de quem diz o que diz.

Como consequência, uma hipótese alternativa para o aumento de letalidade, como a influência do frio associado à anomalia meteorológica que começou a 24 de Dezembro e acabou a 20 de Janeiro, arruma-se nas hipóteses dos negacionistas e remete-se para uma obscura publicação sobre mortalidade, do Instituto Ricardo Jorge, a sua comprovação, sem que isso tenha qualquer efeito na formulação de políticas.

Resultado?

Escolas fechadas com base em relações causais expressas no ditado que Jorge Capelo vai repetindo adequadamente: "Chuva em Novembro, Natal em Dezembro".



Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    A Cimeira Social esteve muito bem, foi uma sensaçã...

  • Anónimo

    Quem não conhecesse bem o país, acharia que a sua ...

  • AVS

    Ao longo dos anos que vou acompanhando alguns blog...

  • Anónimo

    Quando um governo concentra em si tal poder que é ...

  • Maria

    Parabéns, retratar melhor está cambada é impossí...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2020
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2019
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2018
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2017
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2016
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2015
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2014
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2013
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2012
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2011
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2010
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2009
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2008
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2007
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D
    196. 2006
    197. J
    198. F
    199. M
    200. A
    201. M
    202. J
    203. J
    204. A
    205. S
    206. O
    207. N
    208. D


    subscrever feeds