Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Otelo Saraiva de Carvalho

por Jose Miguel Roque Martins, em 25.07.21

Quando se morre, parece ser de bom tom recordar cada traço, atitude e acções positivas, esquecendo tudo o que de mau se fez. No caso de Otelo Saraiva de Carvalho,  parece-me pouco elegante e perigoso seguir essa tradição sensata. 

Como podemos aceitar que ter feito parte do 25 de Abril, o enobrece, se a sua intenção fosse o estabelecimento de uma nova ditadura?

Como podemos, em democracia, celebrar quem demonstrou, de forma tão empenhada, pretender derruba-la ?

Sobretudo, como podemos respeitar as famílias e os amigos dos que foram assassinados pelas FP 25 de Abril, fazendo elogios públicos ao seu principal responsável, ainda por cima amnistiado?

Há momentos que aconselham silêncio. Este parece ser um deles. 



16 comentários

Perfil Facebook

De Marques Aarão a 25.07.2021 às 18:20

Otelo e Marcelo
Duas vias distintas para esbater complexos.
"ainda é cedo para a história o apreciar (Otelo) com a devida distância".
E a si também Sr. Presidente Marcelo, que para já omitiu o Oscar.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 25.07.2021 às 19:36

Sem mencionar o personagem, Nuno Rogeiro disse, hoje,  apenas isto : "Liberdade não é terror". E disse tudo.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 25.07.2021 às 20:33

Otelo não levantou uma ditadura e ajudou a derrubar outra. O saldo ainda está a seu favor.
É incrível a velocidade com que se anda a esquecer que havia uma ditadura, com presos políticos, torturas, assassinatos políticos, censura e outras maldades. E quem a derrubou correu riscos reais.
Quantas figuras ligadas ao salazarismo a democracia acolheu e perdoou? Até os Pides foram perdoados e condecorados. 
Talvez não faça assim tanto mal esquecer os aspetos negativos.
Sem imagem de perfil

De JPT a 26.07.2021 às 11:17

É incrível a velocidade com que se anda a esquecer que, com Otelo à frente do COPCON, havia presos políticos, torturas, censura e outras maldades (se quiser empresto-lhe o "Relatório das Sevícias"). Paz à alma do Major, que tinha bom fundo e nunca quis nada para ele, só quis mesmo pôr ordem nisto, sem se sujeitar a essa chatice de eleições, como o Prof. Salazar.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 26.07.2021 às 14:20

Nao esquecer que Otelo foi um dos responsaveis que conduziu a "exemplar" descolonizacao das provincias Ultramarinas em que se seguiram guerras civis e a eliminacao dos opositores politicos (milhares e milhares de vidas foram eliminadas e as infraestructuras existentes destruidas!). Paises e populacoes que viram regredir o seu nivel de vida por muitos e bons anos. Angola foi "invadida" por 30 mil soldados cubanos que, alem de matar, roubavam tudo o que podiam.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 26.07.2021 às 18:39

Esqueceu-se de referir que OSC, enquanto conselheiro do COPCON foi o responsável pelos famosos mandatos de captura passados em branco para colocarem lá o nome de quem entendessem para prenderem a seu bel-prazer e com toda a impunidade quem quisessem, bastando uma "suspeição" de que o visado estava contra a revolução! (e não era preciso muito...) Os mais novos não sabem que se viveram tempos de terror, o poder tinha caído na rua e na anarquia. Não havia lei, nem Estado de DIreito, os revolucionários faziam julgamentos populares na rua e condenavam arbitrariamente, porque sim... (mais tarde, quando a situação se foi normalizando, houve jovens juízes que tinham participado nesses julgamentos, que foram julgados e afastados para sempre e impedidos de voltarem a exercer a função de juiz).

Sem esquecer que OSC e a sua camarilha queriam meter a "parte" da população que lhes era odiosa, encurralando-a no Campo Pequeno, para aí serem chacinados a metralhadora.
Este ídolo da esquerda, em plena Democracia consolidada, consequentemente sem nada que justificasse a existência de uma organização terrorista  (FP25) de luta armada  "... nos anos 80, a participação na luta armada pela revolução proletária, como membro da organização terrorista Forças Populares 25 de Abril (FP25), valeu a Otelo Saraiva de Carvalho a condenação a 15 anos de prisão. Em 1991, o militar acabou por receber indulto pelos crimes de que estava acusado. O movimento, ligado a vários atentados bombistas, assaltos a bancos e homicídios, viria a ser amnistiado em 2004 com a aprovação da Assembleia da República."
Eis o homem.

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 26.07.2021 às 22:10

Claro que é mau o poder cair rua. Se for um poder de Srs. Doutores Catedráticos já pode ter uma Pide, que o poder não está na rua.
Claro que após uma revolução, quem beneficiou objetivamente da ditadura ficou assutado (até porque coragem é algo que não lhes assiste), mas no fim correu bem para eles. Não houve vinganças e agora até pode ajustar contas com a revolução.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 27.07.2021 às 10:50

 "... é mau o poder cair rua". 
Foi pior: aquilo parecia um manicómio em auto-gestão.  Aprecio muito mais um Estado de Direito Democrático com regras e não a lei da selva que vigorou nesse período. Suponho que não viveu esse tempo.
E uma surpresa para si !... com muitos dos srs. doutores dos que refere a comandarem as operações e por detrás, instigando o ódio e a desordem. 
Mas tenho mais outra surpresa para si: muitos desses srs. doutores  "fassistas" que refere foram a correr trocar de casaca e ficaram democratas do dia para a noite!!! Foi o "Milagre das Rosas". E tornaram-se grandes srs. da democracia e a mandar nisto por largos anos. Uma Democracia muito genuína e com "fundações" muito sólidas como se vê...  E isto explica muita coisa, como aquela necessidade que muitos tiveram logo após o 25A, de revelar histórias (algumas forjadas) em que tinham sido perseguidos e presos pela pide,  para assim autenticarem uma superioridade democrática "comprovada". Muitos pareciam estar num concurso: quanto mais se tinha sofrido, mais genuíno era o "curriculum". E logo um "lugarzinho" à mesa o esperava (se é que me entende...).
 
A propósito, sabe o que é um saneamento? É que me parece visível algum desconhecimento ao dizer:  " no fim correu bem... não houve vinganças".  Hum!... Suspeito  que V. já deve ter estudado História "new age" com os seus sortidos branqueamentos.
E quanto a haver um "ajustar de contas", não sabemos, não façamos futurologia.
 O Futuro a Deus pertence, caríssimo. 


Relativamente a gente "assustadiça" a quem a "coragem não lhes assiste", é a sua opinião. Vale o que vale. Mas aconselho-o a ter prudência e a não fazer juízos precipitados.
S.A.
Sem imagem de perfil

De lucklucky a 26.07.2021 às 21:08

Otelo queria outra ditadura, Otelo queria outra Pide, Otelo queria outra censura. Otelo queria outra guerra.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 25.07.2021 às 21:52

O Otelo foice.


A.Vieira
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 25.07.2021 às 22:26


A Justiça condenando ou absolvendo está sujeita a errar. "Mais vale absolver do que condenar erradamente". 

Fora desse ambito, o da  Justiça, uns sabem mais, outros menos, sobre a relação entre as "FP 25 de Abril" e Otelo Saraiva de Carvalho.
Não é de crer que o autor de este blog esteja qualificado para publicar uma opinião abalizada sobre essa relação. 
Sem imagem de perfil

De João Brandão a 25.07.2021 às 22:59


Um comunista que desapareceu ou, uma marioneta de comunistas. 
E que, não destoando dos cabecilhas comunistas por esse mundo fora, fez aquilo porque são mais conhecidos: praticar e promover assassínios, às dezenas, centenas, milhares e milhões …
Por cá, foi amnistiado por uns quantos, que outro papel não desempenharam senão o de cúmplices morais.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 26.07.2021 às 08:21

O melhor texto que li sobre o Otelo. Está lá tudo!


https://delitodeopiniao.blogs.sapo.pt/otelo-12901967
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 26.07.2021 às 10:38

Excelente, parabéns. Nem mais, nem menos: este momento/ tempo deve ser o do Silêncio
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 26.07.2021 às 14:51


Otelo Nuno Romão Saraiva de Carvalho era professor na Academia Militar imediatamente antes do 25 de Abril e este facto constitui só por si reconhecimento do seu valor. Oficial de Artilharia, talvez nunca tenha disparado um único tiro em combate durante as suas comissões no palco das guerras ultramarinas.


Indigitado pelos seus camaradas para delinear um plano operacional e comandar as operações do 25 de Abril, sem sequer ter conhecimento anterior do que se passava porque afastado dos meios operacionais, acho que nunca saberemos as verdadeiras razões de tal facto colocando-se várias hipóteses:
a) era o melhor para o efeito
b) era quem se mostrava mais fácil de convencer a assumir a responsabilidade
c) ambas as anteriores
d) não era o melhor, mas nenhum dos outros queria assumir a responsabilidade caso as coisas dessem para o torto, como tinha acontecido com a tentativa anterior de 16 de Março de 1974 (relembrar aqui palavras de Salgueiro Maia a propósito: «À falta de melhor motivo e no mínimo dos casos a acção [de 25 de Abril] seria desencadeada para libertar esses homens [presos a 16 de Março].»


Em todo o caso, o plano operacional e o comando de Otelo Nuno mostraram-se eficazes, mas os rasgos tácticos e a valentia de Salgueiro Maia quando enfrentou sozinho (com duas granadas nos bolsos) a coluna de blindados proveniente de Lanceiros 1 foram determinantes para o sucesso da operação. O poder de fogo dessa coluna de blindados era suficiente para aniquilar em 5 minutos a força comandada por Salgueiro Maia que ocupou o Terreiro do Paço e que só dispunha de munições para as G3.


Tal como Salgueiro Maia, que depois de cumprida a missão recolheu à Escola Prática de Cavalaria e nunca mais se ouviu falar dele, também Otelo Nuno deveria ter recolhido à Academia Militar depois de cumprida a missão. Porém, o turbilhão da vida, um certo auto-encantamento e a influência perversa e determinante de Isabel do Carmo não o terão permitido, tendo passado Otelo Nuno a não ser ele e a sua circunstância, mas mais a sua circunstância do que propriamente ele.


A minha homenagem merecida à memória de Otelo Nuno Romão Saraiva de Carvalho termina assim em Abril de 1974.


Adenda: publiquei este comentário anteriormente noutro blogue onde sei que existe censura e não posso referir este provérbio popular minhoto que reza assim, precisamente em vernáculo: "pintelho de cona puxa mais do que junta de bois", ficando justificada "a influência perversa e determinante de Isabel do Carmo" a que aludo.
Sem imagem de perfil

De António Ladrilhador a 31.07.2021 às 15:12


Também penso assim. Procurei elaborar um pouco, fundamentando, em https://mosaicosemportugues.blogspot.com/2021/07/otelo-o-espinho-que-nem-morte-arrancou.html , que o convido a visitar caso tenha interesse.

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Q Portugal

    Como se podem congratular com um "genocida" que an...

  • Anónimo

    João-Afonso Machado, sobretudo espero bem que o Al...

  • Anónimo

    Para se fazer a diferença e darmos um novo impulso...

  • Anónimo

    (cont.)A pergunta que se impõe: queremos continuar...

  • Anónimo

    (cont.)"isto de sermos os campeões da vacinação, a...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2020
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2019
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2018
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2017
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2016
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2015
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2014
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2013
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2012
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2011
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2010
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2009
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2008
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2007
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D
    196. 2006
    197. J
    198. F
    199. M
    200. A
    201. M
    202. J
    203. J
    204. A
    205. S
    206. O
    207. N
    208. D