Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Os subsídios, todos os dias a baralhar.

por Jose Miguel Roque Martins, em 13.07.22

Não há nada mais popular em Portugal do que subsídios. Todos gostam de os receber, ignorando as distorções brutais que implicam na transferência ( normalmente indesejada ou injusta) de rendimentos entre grupos,  na menor produção de riqueza e no mais ineficiente uso dos recursos disponíveis em termos de bem estar geral ( e pessoal).

Hoje li duas noticias sobre subsídios, como acontece todos os dias.

A primeira, num jornal desportivo, que ilustrava a razoabilidade dos subsídios destinados a atrair emigrantes. No caso, a transferência de Trincão do Barcelona para o Sporting, beneficiando as partes de uma taxação mais baixa porque Trincão retornou a Portugal. Muitos até clamam por uma taxação especial no futebol, já que uma menor taxação noutros países, permitem-lhes ser mais competitivos em termos do que verdadeiramente importa, os salários líquidos dos jogadores. Sou a favor de menos impostos, mas para isso a despesa publica não pode continuar a subir. No entretanto, parece-me, temos que ter o futebol que podemos, tal como acontece com todos os outros sectores da sociedade.

A segunda noticia refere a provisão de cerca de 8 milhões para tratamentos de fertilidade de casais, o que é certamente um propósito mais nobre do que o Futebol.  Tecnicamente a iniciativa não é um subsidio, mas em termos práticos é um subsidio: apenas os contemplados dos milhares de candidatos, poderão aceder ao tratamento que não passa a ser uma cobertura universal do SNS. Todos sabemos que apenas os cidadãos mais informados, normalmente com maiores rendimentos, acabarão por beneficiar desta medida. Alguns melhor do que nenhuns é positivo, mas não se tenham ilusões, é um subsidio regressivo que beneficia as classes menos desfavorecidas. Dá-se uma no cravo e outra na ferradura, aumentando a já total opacidade do sistema distributivo Português.

Ir dando pequenas benesses a grupos legítimos ou menos legítimos de pressão, pode retirar algum vapor da caldeira de contestação.Apenas com o prejuízo de sermos um País mais justo e desenvolvido.


18 comentários

Sem imagem de perfil

De balio a 13.07.2022 às 14:58


Não me parece nada evidente que os tratamentos de infertilidade beneficiem predominantemente os cidadãos mais ricos.
Qualquer cidadão que tenha um médico de família pode queixar-se-lhe de que tem sido incapaz de ter filhos. Esse médico pode então recomendar a esse cidadão que recorra a tratamentos de infertilidade no SNS.
O SNS tem montes de outras valências que um cidadão normal ignora mas de que, se fôr a um médico, pode ser informado.
Imagem de perfil

De Pedro Oliveira a 13.07.2022 às 23:02

Concordo.
Quem escreve que os tratamentos ou melhor o subsídio para os tratamentos de fertilidade vão beneficiar os "ricos" desconhece o que se passa nessa área específica.
Pense que o dinheiro público será mais bem empregue em tratamentos de fertilidade para ricos, para pobres, para todos que em eutanásias pagas com dinheiro público.
Ou no caso da eutanásia será o ti Manel Alentejano que vai usufruir desse "frescura".
- Maria tou pensando matar-me.
- Ah, Manel, agora chama-se eutanásia
- Maria, levo uma corda e vou eutasaniar-me no sobreiro grande.
Os pobres resolvem o problema assim, os ricos, é que precisam de caviar, de uma enfermeira, dum médico e dum psicólogo para se matarem.
Nada contra, existe médica privada, mantém-se à vontade mas sem encargos para o Estado.
Imagem de perfil

De Pedro Oliveira a 13.07.2022 às 23:08

Errata:
(teclado inteligente, bah)
"Penso que o dinheiro (...)"
"Nada contra, existe medicina privada, matem-se à vontade mas sem encargos para o Estado '
Sem imagem de perfil

De maria a 13.07.2022 às 18:56

Pela conversa de António Costa apesar de receber tanto dinheiro da Europa afinal há mais pobres. Se aumentou o Cabaz e subsídios.
Interessa-lhe um país de pobres e dependentes, assim terá mais votos.
Sem imagem de perfil

De Anonimo a 13.07.2022 às 22:00

Isso, votem psd, que cortam salários,  pensões e ainda ficam sem cabaz. E é bem capaz de acabar com isso do retorno do imposto da gasolina.
É isso que querem, um país mais pobre?
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 14.07.2022 às 00:36

Isso saíu-lhe assim tudo da cabeça de seguida ou teve que estar a juntar ideias a tarde toda?
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 14.07.2022 às 09:36

"cortam salários, pensões... ficam sem cabaz".  


Que tristeza! Se fosse dantes, diriam que lhe tinham enfiado a cassette pela goela abaixo. Assim é só ignorância e falta de memória. Ora conte lá a quantas bancarrotas já assistiu? Já lhe perdeu a conta? E já agora: sabe quem as provocou?
A questão dos pobres pode resolver-se com cabazes mas isso é uma medida superficial, só serve para acudir a nível imediato e apenas temporariamente, pois o problema não fica resolvido. A pobreza vai persistir, porque não se está a actuar nas causas, nem vai ao fundo da questão. Não é com cabazes que se resolve a pobreza do nosso país.  Tem de se complementar com outro tipo de medidas, mais profundas, que mexam verdadeiramente no tecido social, que tragam mudanças efectivas e definitivas na vida das pessoas.  Mas já deu para perceber que isso é areia de mais para a sua camionete QED E também para os governantes em quem você vota. QED.
Há ainda a considerar um outro tipo de pobreza, que é a de espírito. Mas essa, nem com cabazes lá fôra... 

De modo que é assim,  pela rama, que governam esses molengões e langueiros em quem vota. Questões de fundo? Népias. Zero. Para isso teriam de pensar  e ter uma IDEIA para o país, mas isso dá trabalho. E trabalhar faz calos. Além do mais eles têm um horizonte temporal muito curtinho. Têm os olhos (e o sorriso) postos no telejornal da 8h, trabalham para as boas sondagens populares, garantia de bons resultados "eleiçoeiros", etc.
Quer ver outro exemplo? Veja o problema dos fogos que é a mesma coisa, só que em vez de ser com cabazes, pegam em mangueiras e zás, fica mais uma vez "resolvida" a questão. E adeus até ao meu regresso, que pró ano há mais mangueiradas.  E quem diz "cabazes", diz outra coisa qualquer, porque tudo serve para empurrar os problemas com a barriga, "à la socialista"...
Mas pronto, se «é disto que o meu povo gosta»...continue a votar neles. Pois claro! O que interessa é que o povo esteja feliz e contente!!! E o país há-de ter um lindo enterro.
Sem imagem de perfil

De maria a 14.07.2022 às 10:40

Anónimo idiota e pacóvio. Deve ser amigo do Costa.
Quem assinou o memorandum para receber 77.000 M€ foi o PS. Lá estava inscrito muitos cortes.
Não havia dinheiro para nada, nem salários nem para gerir ministérios.
Sem imagem de perfil

De Anonimo a 14.07.2022 às 11:34


Não sou amigo de Costa, mas Costa é amigo de todos. E amigo não empata amigo.

#Costabem
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 14.07.2022 às 12:04

Maria, é mais um dos fregueses lobotomizados pelos que assinaram o "Memorando dos Cortes".
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 14.07.2022 às 12:50

 "Memorando dos cortes"
Sem imagem de perfil

De Anonimo a 14.07.2022 às 11:33


Dr. Costa, e bem, redistribui a riqueza. Riqueza essa que os sucessivos governos de Direita teimam em querer para si, e para o grande capital neoliberal.
Por um Portugal mais justo e próspero. A caminho da frente europeia.
Um cabaz para cada português.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 14.07.2022 às 12:25

Ora, ora, direi mais! Muito mais! Iremos no pelotão da frente, de olhos em alvo a apontar o futuro! 
Viva o Costa! Pim!
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 14.07.2022 às 12:53

Venham mais cabazes, Dr.Costa! 

(Que somos todos tão pobrezinhos! :-(
Sem imagem de perfil

De Anonimo a 14.07.2022 às 13:24


Dr. Costa é o homem certo para dar o passo sem frente, estando o país à beira do precipício.
Em Costa confio!
Fiquem em casa, e deixem o Governo trabalhar. Deixem-no trabalhar!
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 15.07.2022 às 09:52

Repare que V. disse que confiava no Dr. Costa porque É O HOMEM CERTO PARA DAR O PASSO EM FRENTE ESTANDO O PAÍS À BEIRA DO PRECIPÍCIO.
Bem! Se diz ISSO com tanta certeza e convicção, quem sou eu para o desmentir? 


Contudo, suponho que ENTÃO não será muito boa ideia estarmos na mão do homem que dará o passo em frente  já estando o país "à beira do precipício".  Deixou-me a pensar: Talvez V. rejubile porque provavelmente será praticante de parapent ou de outro desporto afim.... 


Mas olhe que, para a maioria dos portugueses, esse "passo em frente" vai ser, pela certa, uma queda-livre. Não é costume haver em casa um pára-quedas à mão...
Bom, perante o cenário que apresenta, o melhor é não pensar "Em Costa confio!"


Sem imagem de perfil

De Anónimo a 15.07.2022 às 09:59

"Dr. Costa, e bem, redistribui a riqueza". _  A si quanto lhe calhou?
Sem imagem de perfil

De Anonimo a 15.07.2022 às 12:39

Isso sao questões do forno interno.


A mim calha sns de excelência, educação de topo, infraestruturas século xxi e uma ferrovia de fazer inveja ao Japão. E um cabaz.

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com



Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes


Links

Muito nossos

  •  
  • Outros blogs

  •  
  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2024
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2023
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2022
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2021
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2020
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2019
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2018
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2017
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2016
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2015
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2014
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2013
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2012
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2011
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2010
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D
    196. 2009
    197. J
    198. F
    199. M
    200. A
    201. M
    202. J
    203. J
    204. A
    205. S
    206. O
    207. N
    208. D
    209. 2008
    210. J
    211. F
    212. M
    213. A
    214. M
    215. J
    216. J
    217. A
    218. S
    219. O
    220. N
    221. D
    222. 2007
    223. J
    224. F
    225. M
    226. A
    227. M
    228. J
    229. J
    230. A
    231. S
    232. O
    233. N
    234. D
    235. 2006
    236. J
    237. F
    238. M
    239. A
    240. M
    241. J
    242. J
    243. A
    244. S
    245. O
    246. N
    247. D