Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Os resultados esperados

por henrique pereira dos santos, em 20.02.21

Estamos a obter os resultados esperados do confinamento, tenho lido por aí, vindo dos modeladores da epidemia e afins.

Há conjunto pequeno de matemáticos - serem matemáticos de formação ou não, é irrelevante - que falam muito entre si, dão-se palmadinhas nas costas uns dos outros e confirmam-se todos os respectivos modelos, agradecendo-se mutuamente o trabalho que cada um retira aos outros com as suas sofisticadas análises.

Pelo que percebi, a Assembleia da República vai ouvir o núcleo duro desses matemáticos no dia 24 de Fevereiro, para saber mais sobre a epidemia, a sua evolução e, presumo, para ter melhores bases para decidir o que fazer daqui para a frente.

São dos maiores influenciadores da gestão da epidemia embora não haja, neste grupo, um único que trabalhasse sobre epidemias antes da covid (e, já agora, um único que veja a sua vida e rendimentos afectados, de forma séria, pelos confinamentos que defendem).

E todos eles partilham entre si uma fé inabalável nos confinamentos, que defendem que sejam radicais, porque essa é a melhor maneira de salvar vidas.

Contribuem para a tal ideia de que a situação actual corresponde a estarmos a recolher os resultados esperados do confinamento e do fecho da escolas (um encantamento que cultivam com especial desvelo).

É preciso dizer, com todas as letras, que até talvez se possa dizer que a situação actual é o resultado do confinamento com fecho de escolas - eu acho que não, mas adiante - mas dizer-se que é o resultado "esperado" é mentira.

Os resultados esperados pelos modelos de todos estes senhores eram outros completamente diferentes, estes senhores todos esperavam outros resultados que abundantemente difundiram e que, sem dúvidas ou cambiantes, trouxeram para o debate público para forçar os confinamentos e o fecho de escolas, porque acreditavam piamente que eram a única maneira de melhorar os resultados, ainda mais catastróficos, que esperavam que existissem sem confinamento.

Não há o menor problema científico ou académico em desenhar modelos que falham estrondosamente, isso é o mais normal, é por isso que os modelos são, de maneira geral, trabalhos em desenvolvimento e onde se vão introduzindo melhorias que os façam aproximar-se da realidade verificada.

A forma de validar um modelo é aplicá-lo a uma realidade conhecida, verificar a sua aderência aos dados conhecidos e, partindo do pressuposto de que os mecanismos que fizeram evoluir a realidade da forma conhecida se prolongam no tempo, projectar para o futuro os resultados conhecidos.

Quando, como é normal, os resultados projectados vão ficando mais longe da realidade que se vai observando, o normal é olhar para o modelo e tentar perceber quais os mecanismos condutores da evolução que o modelo está a integrar mal, refazer o modelo para os integrar melhor, e esperar de novo pelo futuro para verificar se a aderência à realidade aumentou.

Ora o que estes senhores, do alto da sua torre de marfim - quando perguntados as evidente falhas de previsão dos modelos, ou não respondem, ou respondem que os perguntadores não têm conhecimento suficiente para compreender a sofisticação matemática que está a ser usada -, têm feito é ignorar os erros do modelo, limitando-se a rever em baixa as previsões ou na melhor das hipóteses, considerar que o nível de imunização está acima do previsto nos modelos e é preciso melhorar esse aspecto.

Em relação à primeira hipótese é preciso dizer, com clareza, que não existe o conceito matemático de revisão em baixa de previsões, os modelos ou estão certos, ou estão errados, não se revêem previsões em baixa, mantendo o modelo.

Quanto aos segundos, os que admitem que os modelos falharam na integração do factor imunização, é talvez útil dizer que essa explicação é incompatível com a defesa dos confinamentos, em particular com o fecho das escolas, como método preventivo para evitar um novo Janeiro na Páscoa, já que essa imunização impede uma repetição do que se passou em Janeiro.

Resumindo, deixem-se de parvoíces e abram as escolas já, no mínimo dos mínimos, para os alunos com menos de 12 anos.

Ao contrário do que disse Roberto Roncón, há problema sim, se se tiver de se fazer um novo confinamento, mais, há problemas sim, e enormes, em manter o actual confinamento, quando a média de casos está abaixo dos dois mil e o R(t), ou seja, o factor de contágio, está em 0,66, que é um valor baixíssmo e a positividade dos testes, que tem algum atraso de reporte, está já bem abaixo dos 10% referidos por Manuel Carmo Gomes como sendo o máximo admissível sem confinamento.

Os vossos modelos estão errados e pressupor que há uma grande probabilidade de ter, em Abril, níveis de incidência de uma doença infecciosa respiratória semelhantes a Janeiro é absurdo e contraria tudo o que se sabe sobre esse tipo de doenças.

Ficai com as vossas elocubrações matemáticas completamente desligadas da realidade, mas deixem de atazanar a vida quotidiana da milhares de pessoas, que ninguém vos elegeu para governar a sociedade.



16 comentários

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 20.02.2021 às 10:45

Bom dia Henrique Pereira dos Santos.
Comungo da esmagadora maioria das suas considerações e em particular quanto aos "apontadores" dos números dramáticos.
Mas no presente continua a assaltar-me uma grande dúvida e que se prende com a questão dos testes. Os conhecidos aldrabões políticos anunciaram há poucos dias - testar, testar, testar - mas verifica-se por declarações várias que cada vez se tem testado menos. A minha dúvida, porventura tola - se não testam, menos detectam - certo ou errado? Saúde.
António Cabral
Imagem de perfil

De henrique pereira dos santos a 20.02.2021 às 11:23

A nossa política de testes é a de seguimento de cadeias de contágio, portanto testamos sintomáticos e contactos de testes positivos.
Quando descem os números de positivos, descem mais ainda os contactos de positivos (cada pessoa, normalmente, tem mais de um contacto) e, por conseguinte, desce o número de testes.
Aumentar testagens indiscriminadas não serve para grande coisa.
Perfil Facebook

De Antonio Maria Lamas a 20.02.2021 às 12:08

Exactamente. E esta explicação não tem sido devidamente relevada.
Se estão a testar "menos" porque só estão a testar todos os próximos de um caso detectado, é inteligente, pois que até agora, estes só seriam se mostrassem qualquer sintomas.
Testar por testar não tem qualquer efeito a não ser que queiram mostrar uma taxa de incidência mais baixa. É burrice.
Sem imagem de perfil

De Carlos Sousa a 20.02.2021 às 10:45

Por acaso é verdade, o confinamento resultou. Foi graças ao confinamento em Portugal que a pandemia baixou em todo o mundo.
Estes matemáticos devem ser aqueles que tiraram as asas à mosca e lhe disseram para voar.
Chegaram à conclusão que a mosca sem asas não ouve. 
Perfil Facebook

De Antonio Maria Lamas a 20.02.2021 às 12:12

Ainda hoje o DN em grande parangonas escreve na primeira página que o confinamento poupa 3.000 mortes.
Como é que podem afirmar isto?
É como se eu dissesse que hoje poupei 200.000 euros por não comprar um Ferrari.
Acompanho o que se passa em Espanha. Já estão a abrir selectivamente. Tem muito mais elasticidade nas decisões de abrir ou fechar do que nós.
É imperioso abrir as escolas pelo menos até aos 12 anos.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 20.02.2021 às 12:40

Cada vez mais parecemos um país como Cuba ou Venezuela. Há toda uma sociedade que vive atualmente na sombra, as cabeleireiras vão a casa das pessoas, os restaurantes abrem nos armazéns escondidos, os amigos e famílias encontram se às escondidas nalgum lugar! Passámos a viver numa semi clandestinidade as nossas vidas. Em breve começarão as notícias sobre a pequena corrupção dos polícias, dos funcionários públicos, enfim, daqueles que nos podem impedir das nossas ilicitudes quotidianas! Começam assim as tiranias e as ditaduras. O povo acostuma se
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 20.02.2021 às 14:26

Todo o mundo acha que o ponta-de-lança deve jogar lá à frente. Mas há sempre uns iluminados que acham que o ponta-de-lança devia jogar o lugar do defesa esquerda! 
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 20.02.2021 às 16:32

Há só uma coisa que me deixa curiosa: será que agora com esta vaga de frio os números vão voltar a subir? Se assim for o confinamento foi só coincidência mesmo...
María Eduarda
Imagem de perfil

De henrique pereira dos santos a 21.02.2021 às 10:31

Qual vaga de frio? Qual é a comparação entre o que se passou de 24 de Dezembro a 20 de Janeiro e o que está a ocorrer agora, quer em temperaturas, quer em humidades?
Sem imagem de perfil

De balio a 20.02.2021 às 16:58

Excelente post. Concordo. O confinamento tem que acabar!!!
Sem imagem de perfil

De Gustavo Costa a 20.02.2021 às 17:36

Por exemplo, o “especialista” Antunes em 20 de Janeiro previa 10000 mortes até 16 de Março. Mas vão ser pouco acima de 8000. O grave não é o desvio, mas as razões do mesmo. Porque é que se enganou? Porque entrou em pânico. O “especialista” Antunes tinha previsto uma letalidade muito menor que a que se estava a verificar. Tal devia-se a dois fatores: a vaga de frio, que também exacerbou as mortes “com covid” e o colapso do SNS, sobretudo em LVT e na Região Centro. Mas como o “especialista” Antunes não saía do gabinete aquecido ia para 3 semanas com medo de apanhar Covid19, não reparara no frio. Por outra deve ter sido mais um dos que “relativizou” o colapso do SNS. Animado pelas notícias de Londres, onde o Sr. Boris pôs os seus “especialistas” a dizer que íamos morrer todos com a variante de Kent, vai de “ajustar” a folha de excel para cima. Borrada e burrada. A variante de Kent cresceu durante a descida, sendo neste momento já maioritária. A variante que ia provocar um crescimento brutal dos casos e das mortes acompanhou uma descida vertiginosa desde o pico, que por sinal, já tinha ocorrido antes dessa data. É caso para dizer: “bendita variante inglesa”. 

Sem imagem de perfil

De Gustavo Costa a 20.02.2021 às 17:49

Especialista Antunes em 20 de Janeiro: "Temos uma modelação que nos dá um pico para o número de casos para meados de fevereiro, indicando que estes podem chegar aos 16 ou 17 mil". Mas, reforça mais uma vez, que "tudo irá depender da desaceleração da doença, que é um processo que não é linear. Há um boom e depois começa a crescer cada vez mais devagar".

Em meados de fevereiro estávamos em 2000 casos... 
Falhou por pouco...
É a estes indivíduos que estamos entregues...
Sem imagem de perfil

De Gustavo Costa a 20.02.2021 às 17:52

também dizia na mesma data o "especialista" Antunes: "Quem não tem visão não tem e mostra que ainda não aprendeu ao fim deste tempo todo o que é uma pandemia".
Carapuça que lhe serve perfeitamente.

Comentar post


Pág. 1/2



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • João Brandão

    O Passo Coelho de novo no PSD?Isso parece ser um r...

  • Anónimo

    Convenhamos que é manifestamente exagerado conside...

  • SAP2i

    «PCP, BE, PAN, PS, PSD, CDS» são o Regime Abrilist...

  • balio

    Leu bem. É verdade que há países, como a Itália e ...

  • Anónimo

    Ora, porquê? para testar a nossa "resistência" à f...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2020
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2019
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2018
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2017
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2016
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2015
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2014
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2013
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2012
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2011
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2010
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2009
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2008
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2007
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D
    196. 2006
    197. J
    198. F
    199. M
    200. A
    201. M
    202. J
    203. J
    204. A
    205. S
    206. O
    207. N
    208. D