Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Os planos presidenciais do Prof.

por João-Afonso Machado, em 29.03.15

PALÁCIO BELÉM.JPG

São tremendamente instrutivos os nossos semanários. Densos, multiplicados em cadernos, carregados de política e cultura. Mais de uns tantos brindes para serem comprados.

Foi neste quadro informativo, por causa do trabalho (grátis) de Martin Gilbert sobre a II Guerra Mundial, que me achei de Expresso em punho a saber novidades interessantíssimas do mundo distante da Capital. Uma delas, a já indisfarçável candidatura do Prof. Marcelo Rebelo de Sousa (doravante "o Prof.", à maneira dos repórteres/entrevistadores de marca) à Presidência da República. Somando exitos numa cavalgada culinária onde foi visto, a última vez, jantando, beijocando e sofrendo abraços em Viseu.

Que o Prof. está remoçado, está. Uma dessas noites apareceu num pulpito qualquer, viu-se na televisão, de tweed excelente, uma camisa porreira e gravata a condizer. Olhando para ali e para acolá, a mão no bolso, muito natural, a desmontar os intentos vendilhões de António Costa. Isso é bom, fica-lhe bem, patrioticamente cumpridor. Mas daí a Presidente da República?! Para quê???

A vida do Prof. é preenchidíssima. O Prof. lecciona, faz conferências, participa em colóquios, em programas televisivos, lê que se farta, sabe de tudo, é adepto do Braga, membro dos seus orgãos sociais, tem casa em Celorico de Basto, por isso mesmo o Prof. é até capaz de ter a sua costela minhota, e que não tivesse, o Prof. conhece a Lisboa política, a Lisboa da melhor sociedade e possui argumentos para debater a da pior, assim como, no intervalo das suas tostas mistas, para dissertar sobre toda a casta de enchidos transmontanos, beirões ou alentejanos. E depois de tantas artes e ofícios e de ter passado pela política partidária, o Prof. ainda quer ser Presidente da República. Porquê???

O Prof., sério como é, não nos vai querer enganar com a cantilena do serviço público.Isso é a lengalenga do escalão inferior, o dos deputados e ministeriáveis. Em boa verdade, o Prof. reconhecerá, move-o um misto de alguns impulsos pouco edificantes: a política é um vício, uma vaidade, um diletantismo. Talvez um capricho, esta vida tanto de pareceres dados torna-se enfadonha. Nada como uma boa intrigalhada palaciana e Belém lá está, à medida e à espera do Prof., para lhe dar colorido e muita pica.

Na Presidência da República, nos jardins de Belém semeando factos políticos, é onde o Prof. mais provavelmente acabará mordendo o beiço, intoxicando-se com o seu próprio veneno. Essa pequena fraqueza sempre apontada ao Prof. A coisa promete!



1 comentário

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 29.03.2015 às 21:33

Um telefonema de Rui Gomes da Silva.
Marcelo, o coitadinho "pressionado".

Queixinhas a Sampaio.
Sócrates PM.
 
É preciso dizer mais alguma coisa sobre como ele ascendeu?
Há memória?

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Vasco Silveira

    Caro SenhorEu infelizmente não estou com cagaço: e...

  • pitosga

    A nossa alma de soldador está nas viseiras de plás...

  • pitosga

    A ladaínha é longa como qualquer uma que se preze....

  • pitosga

    Vasco Mina,Simples. E como tal, muito bom.ao

  • Ana Pereira

    Subscrevo muito do que escreveu. Pergunto: Que se ...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2008
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2007
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2006
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D