Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Os bárbaros sempre eram uma solução

por Pedro Picoito, em 25.06.19

A ideia ficou no ar, desde as eleições europeias: a direita está em crise. Sim, está. Mas não é de agora e não é só cá. Em Portugal, PSD e CDS não chegam à maioria absoluta desde 2011, e coligados. Lá fora, as coisas não estão melhor. Dizer que a direita cresceu em França, Itália, Inglaterra, Polónia ou Hungria é ignorar que as novas direitas, nacionalistas ou liberais, partilham pouco ADN com a direita conservadora ou democrata-cristã. Em Inglaterra, Farage venceu, mas os Tories afundaram-se. Em França, Marine Le Pen suplantou por muito os Republicains. Em Espanha, o PP perde terreno para o Ciudadanos a cada eleição. Para já não falar nos trágicos travestis da DC italiana - Berlusconi, Bossi, Salvini e tutti quanti. Só se salva a CDU, que ligou o seu destino à reunificação alemã graças à teimosia de Kohl, e há anos vive dos rendimentos (resta saber até quando). 

Quais são as causas do desastre? Três, pelo menos, e estão relacionadas. (Há muitas mais, mas nem vocês têm paciência para as ler nem eu tempo para as escrever.)

Primeira: a Queda do Muro de Berlim. Sim, 1989 foi um triunfo da democracia liberal, da economia de mercado e da sociedade aberta, defendidas pela direita do pós-guerra na sua batalha contra o comunismo, dentro e fora de portas. Houve até quem falasse no fim da História. Mas a História voltou, e mais depressa  do que se esperava. Em Tiananmen, nas Torres Gémeas, em Bagdad, no Kremlin, no Mediterrâneo, na Síria, em Wall Street. Entretanto, a direita, que fizera do anticomunismo um seguro de vida, adormeceu sob os louros da vitória. Perdeu, com o fim do inimigo, a razão de ser. Como diz aquele poema do Kavafis, os bárbaros sempre eram uma solução.

Segunda: a direita não soube criar um pensamento que respondesse às mudanças pós-89. Durante a Guerra Fria, as suas ideias eram uma clara alternativa ao socialismo democrático, e ainda mais ao comunismo, mas hoje não tem nada de substancial a dizer sobre migrações, ecologia, multiculturalismo, desemprego, a Europa, a crise financeira de 2008 ou operações para mudar de sexo no SNS. Não é coisa que se improvise. E já vai tarde. Entretanto, o espaço vazio foi ocupado por populistas, eurocépticos, xenófobos, demagogos que fazem política de terço na mão e o Boris Johnson. De quem é a culpa? 

Terceira: em consequência, a direita tradicional tem dificuldade em distinguir-se do centrão socialista. Ou são os eleitores que têm dificuldade em distingui-los, o que vai dar ao mesmo. No governo ou na oposição,  a direita tende a optar por políticas pragmáticas e consensuais. Daqui não vem mal ao mundo, pelo contrário, desde que sejam claras as diferenças de fundo e, portanto, a possibilidade de escolha. Mas não é isso o que tem acontecido. Os resultados estão à vista. PSD e CDS que o digam.  

Autoria e outros dados (tags, etc)



5 comentários

Imagem de perfil

De João Távora a 25.06.2019 às 21:59

Podia ser assim o final: "em consequência, a esquerda moderada tem dificuldade em distinguir-se do centrão liberal. Ou são os eleitores que têm dificuldade em distingui-los, o que vai dar ao mesmo. No governo ou na oposição,  a esquerda tende a optar por políticas pragmáticas e consensuais. Daqui não vem mal ao mundo, pelo contrário, desde que sejam claras as diferenças de fundo e, portanto, a possibilidade de escolha. Em Portugal é isso tem acontecido. Os resultados estão à vista."
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 26.06.2019 às 16:17

É verdade, João, mas o foco aqui são os partidos do centrão que geralmente estão no governo e, portanto, os socialistas.


PP
Sem imagem de perfil

De Luís Lavoura a 26.06.2019 às 09:47

as novas direitas, nacionalistas ou liberais, partilham pouco ADN com a direita conservadora ou democrata-cristã

Não me parece. Nas últimas eleições legislativas, o líder alegadamente liberal da Holanda, Mark Rutte, teve uns dizeres que ficariam bem num líder nacionalista xenófobo. Em Portugal, o PSD albergou o líder do "Chega" e blogues que eram liberais apoiaram o Brexit, apoiaram Trump, ou estão atualmente conquistados pela nova direita. E desde há muito que se vê tipos a falarem da direita "conservadora-liberal", como se o ADN do conservadorismo e do liberalismo fossem o mesmo.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 26.06.2019 às 16:23

Ventura é, precisamente, a prova de que o ADN não é o mesmo. Para ter um discurso mais à direita, teve que sair do partido. E os blogues liberais de que fala tem pouco que ver com a direita tradicional, a não ser por razões de conveniência. Quando se fala em "conservador-liberal", a palavra a seguir ao hífen tem o sentido de liberal clássico e não neoliberal. Não perceber a diferença é típico de quem (erradamente) põe a direita toda no mesmo saco.


PP 
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 26.06.2019 às 15:19

O grande "equívoco" de 45...
Holywood percebeu-o muito bem...e agiu em conformidade.

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2015
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2014
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2013
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2012
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2011
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2010
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2009
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2008
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2007
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2006
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D