Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Os bancos em Portugal (Banif, Novo Banco, CGD)

por Maria Teixeira Alves, em 18.12.15

Acabo de ouvir o António Lobo Xavier a defender o dinheiro dos contribuintes para ajudar a banca. Vamos lá a ver:

O que se passou com o Novo Banco, Banif e CGD?

O Novo Banco está pior do que estava quando houve a Resolução, e agora precisa de mais 400 milhões para se poder capitalizar. Mas na altura a venda do banco por 1,5 mil milhões ou dois mil milhões era uma má venda. Porque os bancos do Fundo de Resolução iam encaixar uma perda face aos 4,9 mil milhões injectados e isso era impensável. Venda-se mais tarde, noutro modelo, dizia-se e vai de chutar para canto. O que vamos ver é que a perda para os bancos vai ser maior e o banco não vai valorizar daqui até Agosto. E veremos se em Agosto se vende. 

O Banif dizem que agora é que está mal. Mas o Banif está mal há muitos anos, e foi há dois anos que se descobriu. No caso do Banif o problema do banco é sério e hoje já só se resolve com grandes perdas para o Estado e o tempo não ajudou o banco. Nos últimos dias saíram do Banif 600 milhões de euros em levantamentos.

É preciso ver que os bancos (quer o NB quer o Banif) foram intervencionados ao som de leis europeias e que o BCE tem hoje a supervisão dos maiores bancos europeus. 

Mas toda a gente acha que "basta vender". Soluções à la banca de investimento que acreditam que tudo se vende e que depende apenas da engenharia e modelo financeiro. Mas isso do basta vender, não chega. Porque é mais fácil dizer que "basta vender" sentado num estúdio de televisão, do que vender numa mesa de negociações. Vender pode trazer mais custos do que proveitos. Isso pode não permitir a  venda. 

Os bancos são vítimas de má gestão e de supervisão apertada do BCE. Andam em bolandas entre resolver problemas de gestão irresponsável encobertos no passado e sobreviver às exigências do supervisor que procura criar almofadas de capital para travar o impacto no sistema das gestões ruinosas. Assim quer o Banif, quer o Novo Banco, quer a CGD (que foi intervencionada, que nunca pagou os CoCos de 900 milhões) quando estão a fugir dos erros passados da gestão levam com as leis do BCE, que exigem mais capital em função do risco da carteira de crédito.

Portugal ainda vive com os fantasmas do "amiguismo" amador que usava a cunha com uma legitimidade natural e de repente isto virou profissional e a cunha passou a tráfico de influências. 

Os bancos viviam nesta lógica da facilidade amigável e de repente, zás, a carteira do imobiliário não tem colaterais suficientes e o mercado sofreu um rombo, o país foi intervencionado para evitar a falência, e hoje isso pesa-lhes no capital. 

A Caixa, o banco do Estado que toda a gente jurava ser sólido, de um dia para o outro levou com a EBA e teve de receber 900 milhões de euros de CoCo´s do Estado. Depois leva com a Concorrência de Bruxelas a dizer que isto é concorrência desleal e desvirtua a concorrência e a CGD tem de pagar os 900 milhões ao Estado. E agora, para além de não ter gerado capital suficiente para pagar os CoCo´s, leva com o BCE a dizer que com aquela carteira de crédito a CGD tem de ter um common equity tier 1 muito superior ao que tinha e lá passa a CGD de ser a ancora do sistema financeiro para ser um dos mais frágeis.

A culpa é do governo? Não. Mas o Governo é o alvo mais fácil. 

Agora a nacionalização torna o fardo mais intrusivo. Resta saber se é mais eficaz. O BPN não foi a melhor experiência. 

Se um banco precisa de ser nacionalizado, e sendo Portugal um país onde a rentabilidade não impera (é mais provável haver condições para, depois de nacionalizar o Lloyds, o recuperar), é porque não consegue sobreviver numa lógica de mercado.

Os bancos portugueses, na actividade doméstica, têm rentabilidades mínimas para os capitais que têm. Isto é que ninguém quer assumir. E cada vez mais os bancos portugueses estão a ser empurrados para vender activos e a ficarem resumidos à actividade em Portugal. É uma pescadinha de rabo na boca.

P.S. O Banif poderá ser ajudado pelo BCE, depois de ter perdido depósitos. Vamos ver como corre o desfecho do "caso Banif", que tem o epílogo nos próximos dias. As acções estão suspensas, supostamente por propostas de compra do Santander e Popular.

Autoria e outros dados (tags, etc)



8 comentários

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 18.12.2015 às 09:17


"o BCE tem hoje a supervisão dos maiores bancos europeus."


Estamos na "antecâmara" da união bancária, e por isso a vigilância e a exigência do BCE serão cada vez maiores. Mais uma vez se vê como os portugueses são fantasistas. Esperavam que com a união bancária os países ricos viessem assumir a dívida bancária dos mais pobres, mas não, apenas vai tornar mais apertada a malha do negócio bancário em Portugal. E nem podia ser de outra forma, pois só se os outros fossem parvos é que vinham pagar pelo nepotismo e amiguismo nos negócios bizarros que se fazem em Portugal.
Tal como o Tratado Orçamental formaliza o "governo económico" da zona euro sem transferências orçamentais, a união bancária serve para colocar uma rédea curta na banca da periferia, para que os "avalistas" não tenham surpresas desagradáveis. Isto tudo porque nós não damos confiança à "malta" do Norte da Europa, que é quem tem o dinheiro.  
É no que dá um país que vive da "mitologia europeia", sendo não só incompetente na sua governação, como não cuidando de ver as coisas como elas são, mas imaginando uma solidariedade europeia que nunca existiu. É por isso que tanto "filosofo" continua a ter tempo de antena neste país tolo.
Imagem de perfil

De Maria Teixeira Alves a 18.12.2015 às 16:42

Muito bom o seu comentário 
Sem imagem de perfil

De João. a 18.12.2015 às 18:36

Na verdade, é um comentário da treta. Pressupõe que a banca estrangeira é a boa banca e a portuguesa a má banca quando a verdade é que a banca estrangeira fez tanta ou mais porcaria do que a banca portuguesa. 
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 18.12.2015 às 21:10

Não, pressupõe que, infelizmente, a banca estrangeira, má ou boa, tem capital, a nossa, má ou boa, não tem.
Imagem de perfil

De Maria Teixeira Alves a 19.12.2015 às 02:59

E tem rentabilidade
Sem imagem de perfil

De Ali Kath a 18.12.2015 às 10:04

dizia Jô Soares 'estão mexendo no meu bolso'.
isto não vai com monhezices nem com o camarada Vitinho.
felizmente acabou a austeridade por decreto.
a Troica vem passear-se dentro de 2 meses.
consta que o OGE ainda sai este milénio.
boas prendas de Natal
Sem imagem de perfil

De jo a 18.12.2015 às 11:44

O que eu gostava de saber é porque é que quando os problemas na economia portuguesa se agudizaram e levaram ao resgate, havia tanta gente a jurar nos media e no governo que a banca portuguesa era sólida, segura e confiável.


Os nossos especialistas económicos, Banco de Portugal à cabeça, só dão pelos desastres depois de serem atropelados.
Imagem de perfil

De Maria Teixeira Alves a 19.12.2015 às 03:02

Pelos simples facto de que os bancos são as empresas mais voláteis de que há. Um dia são sólidas porque têm 10% de core capital e no dia a seguir o BCE diz que o capital mínimo passa a ser 12% e lá ficam os bancos falidos.

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Aurélio Buarcos

    Depende do animal.O sangramento foi utilizado dura...

  • JOTAPA

    Considerando que, na altura, a corrida ao espaço e...

  • Anónimo

    Há 50 anos o homem foi à lua a actualmente a human...

  • Anónimo

    Eu comparo a ida do homem à lua com os factos rela...

  • MAR!

    há cinquenta anos eu nem sequer planeada era! ma...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2015
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2014
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2013
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2012
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2011
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2010
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2009
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2008
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2007
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2006
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D