Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Os agricultores, os javalis e o resto

por henrique pereira dos santos, em 26.03.19

Recentemente houve um conjunto de notícias sobre os prejuízos que a expansão do javali está a provocar.

Este problema é bem real e mesmo projectos de conservação como aquele a que estou ligado na Montis têm vindo a sofrer prejuízos (neste caso, destruição de plantação de árvores).

Compreende-se por isso a preocupação dos agricultores, nomeadamente dos produtores de milho, sendo razoável o pedido de maior controlo das populações de javali.

Acontece que esse controlo através da caça pode resolver pontualmente alguns problemas, sendo uma ajuda, mas não ataca o problema central: o javali expande-se porque o abandono lhe proporciona abundante alimento e refúgio mas ainda não trouxe predadores naturais em quantidade suficiente, isto é, os javalis expandem-se muito depressa, o lobo também se expande, mas muito mais lentamente.

Para além de pedir ao Estado que resolva o problema, ou pelo menos que não empate tanto a sua resolução - que é aliás um problema mais sentido no controlo dos prejuízos causados por veados, por exemplo na serra da Lousã e arredores, à conta das concepções urbanas da vida selvagem que actualmente dominam as estruturas técnicas, quer do ICNF, quer das Câmaras Municipais que lidam com o licenciamento da caça - talvez fosse a altura dos agricultores, em especial os mais rentáveis e qualificados, começarem a pensar em formas de assumir alguma responsabilidade social na gestão de terras marginais que lhes são próximas, mesmo não sendo fundamentais para o seu processo produtivo, ao contrário do que acontecia há 70 anos.

Talvez seja a altura dos agricultores tecnicamente mais capacitados apoiarem claramente a expansão das populações de lobo, até porque hoje os prejuízos provocados pelos lobos são muitíssimo menores que os prejuízos causados pelo javali, de que o lobo é, a par do homem, o principal predador.

Se a responsabilidade pela conservação do património natural é, para mim, uma responsabilidade central do Estado, a par da responsabilidade pela conservação do património cultural (o que é diferente de apoiar a criação artística), não tenho muitas dúvidas de que não conseguiremos boas soluções para problemas tão complexos só a contar com o Estado: as terras marginais são hoje terras sem destino social.

Daí resulta a extraordinária recuperação dos sistemas naturais a que assistimos hoje, mas pagamos o imposto do padrão de fogo que estes dias de vento Leste um bocadinho mais forte sinalizam, para lembrar ao Senhor Ministro da Administração Interna que se deixe de tolices e trate do assunto a sério, falando com o seu colega da agricultura para começarem a pagar os serviços ambientais que são prestados, até agora gratuitamente, pela frágil economia que sobrevive dessas terras marginais.

Mas entretanto, enquanto o Senhor Ministro da Administração Interna conversa com Jaime Marta Soares para controlar os votos associados às corporações de bombeiros, e o Senhor Ministro da Agricultura distribui um chuveirinho de apoios aos produtores agrícolas que podem representar votos, talvez fosse bom que os agricultores que verdadeiramente produzem e criam riqueza se lembrassem que as suas terras são ilhas imersas em sistemas naturais em profunda transformação de que não se podem alhear.

Nada contra as reivindicações associadas aos prejuízos dos javalis, mas seria bom que a isso se associassem acções concretas de gestão das terras marginais, quando isso é possível e sustentável.



2 comentários

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 26.03.2019 às 13:16

o problema resolve-se quando estes simpáticos bichos atacarem as cidades principais e o pan na ar
em perigo por falta de comida está o Falcão-peneireiro.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 27.03.2019 às 10:15

os agricultores, em especial os mais rentáveis e qualificados, começarem a pensar em formas de assumir alguma responsabilidade social na gestão de terras marginais que lhes são próximas

O que quer o Henrique que os agricultores façam? Que giram, de que forma?

os agricultores tecnicamente mais capacitados apoiarem claramente a expansão das populações de lobo

Apoiarem de que forma?

E questiono: não terão esses agricultores, na sua maioria, vizinhos que sejam criadores de gado e que não gostariam nada de ver o lobo expandir-se para a sua região, e de ver o agricultor seu vizinho apoiar essa expansão?

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    Boa noite ,porque será que vejo cada vez mais gent...

  • Costa

    É um cenário bem plausível, de facto. A repugnante...

  • António

    Eu também acho que o Costa dará à sola assim que p...

  • Anónimo

    Para o cumprimentar, Vasco Silveira. Não só foi cl...

  • Anónimo

    Muito bem. Sóbrio.ao


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2008
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2007
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2006
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D