Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Ondas é mais para o surf

por henrique pereira dos santos, em 22.12.20

Retirei isto de um video muito interessante (está na página da wikipedia sobre a pandemia na Alemanha) sobre a evolução da incidência de casos ao longo do tempo, na Alemanha.

Preferia usar a mortalidade, em vez do número de casos porque o número de casos em Março/ Abril não pode ser comparado com o número de casos actual, dado que nessa altura não se testava como testa hoje.

O interesse destes dois bonecos não é, pois, a sua comparação directa, mas o peso relativo, em cada momento, de cada "concelho".

Parece evidente que não se pode falar de duas ondas, uma da Primavera outra agora, na Alemanha, porque na realidade se trata de incidências geograficamente disjuntas, dentro do mesmo país.

Só se pode falar de ondas quando se amalgama tudo num país, tomado como unidade geográfica, em vez de se adoptar uma unidade geográfica que nos dê mais informação.

alem pico 1.jpg

Pico da Primavera

alem pico 2.jpg

Pico (ou quase, não sei) actual.

Espero contribuir para reforçar a ideia de que falar em países quando a incidência é por surtos razoavelmente localizados, é adoptar um mau instrumento de análise.


1 comentário

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 23.12.2020 às 00:18

Hoje também estou em modo "Alemanha". Eu acho que a Alemanha está a viver a primeira vaga. Em março teve casos pontuais, sobretudo na Baviera, onde houve uma efetiva primeira vaga. Depois teve alguns surtos fortes e muito localizados na Renânia do Norte Westfália.Controlou-os com a ajuda do verão. Agora vive a primeira vaga. Nacional e pesadota. O confinamento teve pouco sucesso porque quase não tem imunidade devido à reduzida circulação até agora. Infelizmente estão agora a morrer os mais fracos em grande quantidade tal como aconteceu a outros países antes... Não quero parecer arrogante mas C´est la vie... Não estou certo que o pico já tenha chegado mas o Rt está a descer pelo que é possível que sim. Notar que a Alemanha está com uma letalidade de quase 4% da média de casos reportados entre os dias -30 e -15 face ao dia de hoje. Péssimo numero. Poucos países terão pior de momento. Portugal está bem abaixo de 2%. Corolário: A Alemanha perdeu o controlo epidemiológico nos últimos 30 a 45 dias, não obstante um confinamento bastante violento. Muitos dos mais vulneráveis estão a morrer e muitos casos não estarão a ser triados. Também cai por terra a teoria da organização e quase infalibilidade alemã na gestão de crises e desta pandemia em particular.

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com



Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes


Links

Muito nossos

  •  
  • Outros blogs

  •  
  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2024
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2023
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2022
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2021
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2020
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2019
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2018
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2017
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2016
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2015
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2014
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2013
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2012
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2011
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2010
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D
    196. 2009
    197. J
    198. F
    199. M
    200. A
    201. M
    202. J
    203. J
    204. A
    205. S
    206. O
    207. N
    208. D
    209. 2008
    210. J
    211. F
    212. M
    213. A
    214. M
    215. J
    216. J
    217. A
    218. S
    219. O
    220. N
    221. D
    222. 2007
    223. J
    224. F
    225. M
    226. A
    227. M
    228. J
    229. J
    230. A
    231. S
    232. O
    233. N
    234. D
    235. 2006
    236. J
    237. F
    238. M
    239. A
    240. M
    241. J
    242. J
    243. A
    244. S
    245. O
    246. N
    247. D