Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Odemira e as causas

por henrique pereira dos santos, em 20.02.22

censos 2021 concelho.jpg

Primeiro foi uma colega minha, por causa da discussão da seca e do regadio, a dizer-me para ir a Odemira, ver como o regadio era insustentável, inclusivamente do ponto de vista social.

Para o ilustrar, ligava para a reportagem da SIC ao protesto dos trabalhadores da Sudoberry.

Depois foi uma grande reportagem do Público que, infelizmente, se limita a entrevistar umas pessoas, evitando verificar factos.

Hoje, Ana Sá Lopes, num artigo ao seu estilo, conclui que a direita se impressiona muito com os eventuais atropelos de Eduardo Cabrita ao Estado de Direito, mas é insensível à exploração de mão-de-obra imigrante.

Odemira tornou-se, por via deste tipo de disparates, um exemplo que se apresenta sempre que se quer sinalizar a virtude própria, seja do ponto de vista ambiental, seja do ponto de vista social e uma demonstração dos malefícios do capitalismo e da captura do Estado pelos interesses económicos.

Saltemos por cima do facto de que boa parte destes virtuosos que acusam toda a gente de corrupta e vendida aos interesses, e de caminho  explicam que isso só é possível por o Estado estar na mão dos poderosos, apresentarem como solução para o problema o reforço do mesmo Estado que acham que está capturado pelos interesses.

Na reportagem do Público, em que a revolta dos trabalhadores é apresentada como sendo o resultado dos trabalhadores terem perdido o medo, os próprios trabalhadores explicam que no mês de Janeiro lhes pagaram menos 200 a 400 euros, com uma justificação qualquer sobre novas regras fiscais, e foi isso que foi a gota de água.

Aparentemente, nem a jornalista, nem o jornal, acharam útil ir ter com alguém que soubesse da fiscalidade que incide sobre o trabalho para verificar se esta hipótese, que a própria reportagem revela, pode ter alguma base factual ou é apenas uma história da carocinha da empresa Sudoberry.

A mesma jornalista, e depois Ana Sá Lopes cita como sendo uma coisa que lhe revolve o estômago, acha útil e credível o testemunho de um dos trabalhadores "É muito duro. Estamos a trabalhar num ambiente quente, dentro das estufas, e só podemos beber a água que trazemos de casa. Às vezes por mais de oito a dez horas ... Se bebemos toda a que trazemos, pedimos, mas eles não nos dão, recusam".

Há anos que sigo um princípio geral que me tem sido útil: se uma história parece mal contada, quase sempre é mesmo porque está mal contada.

Que há gente má em todo o lado, é um facto. Que há empresas e partes de empresas em que há gente má com excesso de poder, é um facto. Mas ainda assim, qualquer pessoa razoável e sem ter "uma causa" a defender, olha para este testemunho com alguma desconfiança.

Que o trabalho nas estufas é duríssimo e que é feito sob pressão constante para aumentar a produtividade, não tenho a menor dúvida.

Mas daí a aceitar, pelo seu valor facial, o que é descrito, vai uma distância enorme a que a jornalista deveria dar atenção, porque provavelmente há maneiras de verificar o descrito: ouvindo mais pessoas (a empresa tem cerca de 500 trabalhadores) ou perguntando por que razão, sendo essas as condições de trabalho, o trabalhador em causa está há cinco anos na mesma empresa, num sector altamente deficitário de mão-de-obra, por exemplo.

Mas há mais que a jornalista poderia fazer, por exemplo, perguntado às entidades responsáveis pelas certificações GAP (good agricultural practices) ou RCB (antes British Retail Consortium, hoje Brand Reputation through Compliance), certificações essas que incluem critérios de respeito pelos trabalhadores (fora os outros ambientais e de sustentabilidade), como é possível que certifiquem uma empresa com práticas como as descritas.

Não estamos a falar de uma empresa que nasceu ontem, estamos a falar de uma empresa com mais de vinte anos e com a primeira das certificações referidas há quase vinte anos também. Nenhum dos auditores associados a estas certificações deu por uma prática laboral tão aberrante como esta?

Estou cada vez mais cansado deste jornalismo de causas, como aquele que fala da expansão da cultura do abacate no Algarve como um problema gravíssimo de consumo de água, quase nunca referindo que o consumo de água de uma produção de abacates é apenas 10% maior que a de um laranjal.

Ou sem, em algum momento, admitir que ganhando estes trabalhadores ordenados entre os 1500 euros e os 2 000 euros (a julgar pelas informações das reportagens, ganham 6,5 euros à hora, trabalham dez horas por dia, quase 30 dias por mês, o que daria um valor em torno dos dois mil euros), isto significa que entre impostos e taxas, o Estado fica com um valor próximo dos 40% do custo de cada trabalhador para a empresa.

Ou seja, se o Estado prescindisse de taxar o trabalho agrícola, estes ordenados poderiam subir automaticamente 40%.

Não, Ana Sá Lopes, não é o facto da direita se emocionar mais com a forma atribiliária de actuação de Cabrita que com a exploração dos trabalhadores imigrantes que é impressionante, é a infantilidade deste jornalismo na discussão de problemas difíceis (pois é, pagamos os alimentos a preços baixíssimos e depois queixamo-nos do facto dos trabalhadores do sector serem mal pagos, protestamos contra a plantação de abacates enquanto espalhamos o guacamole nas torradas por ser mais saudável que a manteiga, etc.) que contribui pouco para que possamos fazer melhor.

Já não falando num pequeno pormenor: se estes trabalhadores ali estão (e Odemira é dos poucos concelhos do país que aumentam a sua população nos últimos dez anos em que Portugal perde mais de 250 mil habitantes, ao mesmo tempo que aumenta em 40% a população estrangeira a viver em Portugal) é porque há riqueza a ser ali criada e porque estar ali representa uma grande melhoria da sua qualidade de vida, face à sua situação anterior.



6 comentários

Sem imagem de perfil

De vortex a 20.02.2022 às 17:30

estas gajas não se preocupam com as condições de trabalho dos nascidos nesta republiqueta que fogem à miséria de 48 anos de marxismo
nunca fui nem serei de direita ou esquerda
« in oculum descansum est »
Sem imagem de perfil

De balio a 20.02.2022 às 22:33

Uma coisa que questiono é, porque é que, havendo tanta falta de mão de obra em muitos setores em Portugal, estas e outras empresas agrícolas conseguem suprir essa falta, mas muitas outras empresas noutros setores não conseguem? Será porque as regras que se aplicam à contratação de trabalhadores estrangeiros para a agricultura são diferentes das que se aplicam à contratação para outros setores?
Sem imagem de perfil

De Hugo Filipe a 21.02.2022 às 19:46

Muito bem Henrique. Obrigado.
Sem imagem de perfil

De lucklucky a 21.02.2022 às 22:31

O jornalismo politico português mais uma vez demonstra é uma das maiores causas da nossa decadência. Por variadas razões que vão desde trabalharem para termos mais e mais politica - jornalismo politico quer mais e mais politica mesmo que no fim esteja o totalitarismo que vai acabar com o jornalismo....-, à censura, à falta de qualidade.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 22.02.2022 às 11:46

A Ana Sá Lopes é uma das tais "boquinhas gravezinhas e espremidinhas pela doutorice" que, do alto do seu superior discernimento _e quiçá visão raio X_ decidem previamente que «os explorados» têm razão. E sem investigação e sem verificação dos factos, ouvindo ambos os lados, não ficamos a saber se têm ou não razão. É um jornalismo "virolho", diria. 


São assim os/as "anasálopes": arrumaram-se nas redacções, estacionaram de vez num neo-realismo da adolescência, serôdio, da luta de classes e dali não saem. São sempre previsíveis as suas posições. Por mais que a Terra pule e avance, não se libertam dessa (eterna) visão marxista do mundo segundo a fórmula obsoleta e gasta de que o pecado original está sempre do lado do "opressor", do "explorador" e da entidade "patronal". Logo, do alto da sua superioridade moral estes jornalistas já decidiram qual o lado "certo". Agora é só venderem a sua história... segundo boas técnicas.


E, no final, parece que a Ana Sá Lopes é quem incorre no erro de que acusa a tal direita. Esta senhora, não só é muito impressionável, como tenta "impressionar" o leitor!  Perpassa nas suas supostas "causas" (bondosas) um jornalismo manipulador da opinião, através de linguagem de pieguice simplória e lacrimejante destinada a promover o sentimentalismo e a excitar a emoção e a compaixão fáceis. Se calhar explorar os "afectos" tão na moda também chegou às redacções e agora temos este "jornalismo de proximidade" fast food com muitos likes.   
 
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 22.02.2022 às 13:29

... e como quem não quer a coisa, ainda passa pela questão do excesso de "estatismo", como cão por vinha vindimada. 
Afinal porque não questiona a referida jornalista essa verdadeira forma de exploração dos trabalhadores que consiste no esbulho feito pelo Estado ao confiscar-lhes 40 º/º do seu suor? 

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes


Links

Muito nossos

  •  
  • Outros blogs

  •  
  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2022
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2021
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2020
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2019
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2018
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2017
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2016
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2015
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2014
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2013
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2012
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2011
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2010
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2009
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2008
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D
    196. 2007
    197. J
    198. F
    199. M
    200. A
    201. M
    202. J
    203. J
    204. A
    205. S
    206. O
    207. N
    208. D
    209. 2006
    210. J
    211. F
    212. M
    213. A
    214. M
    215. J
    216. J
    217. A
    218. S
    219. O
    220. N
    221. D