Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Obrigado, Carlos da Câmara

por henrique pereira dos santos, em 27.07.20

"O fogo deve ser encarado como os gatos. Um gato não é domesticável, nós aprendemos a conviver com um gato. Com o fogo é exatamente a mesma coisa. A ideia de um Portugal sem fogo mostra uma ignorância total do assunto. Um Portugal sem fogo é o mesmo que um gato a vir-nos lamber as mãos quando chegamos a casa. Não funciona."



15 comentários

Sem imagem de perfil

De voza0db a 27.07.2020 às 22:18

Claramente o tipo não tem gatos!
Imagem de perfil

De Costa a 28.07.2020 às 00:56

De facto, não terá, só pode ser isso (ou então até os terá; mas tendo para com os animais uma visão meramente utilitarista: meras coisas que apenas valem enquanto ajudarem na caça, guardarem rebanhos, fornecerem força, eliminarem ratos ou forem comestíveis). Mas seguramente tem, quanto a gatos (o texto ainda não o li), todas as firmes certezas da ignorância. 


As que, desde logo, confundem domesticação com submissão incondicional. 


Costa
Imagem de perfil

De henrique pereira dos santos a 28.07.2020 às 06:42

Comentar o que não se leu é sempre uma atitude muito útil e inteligente
Imagem de perfil

De Costa a 28.07.2020 às 10:37

Bem vê, eu não comentei o texto. Comentei um trecho do mesmo, aqui destacado. Uma passagem que vale por si mesma, independentemente de contextualização (donde, da leitura do restante texto; que aliás, sugerido por si, merecerá sem dúvida essa leitura). Um trecho que em minha opinião - permita-se-me a ousadia -, e nada mais, labora num erro clássico quanto à sociabilidade entre gatos e humanos. E fi-lo secundando um comentário anterior que, arrisco, ia no mesmo sentido.


Um tema (e uma opinião) absolutamente acessório e irrelevante para a questão em apreço? Decerto. Perdoe-me então, peço-lhe, pela perda de tempo e o incómodo causado.


Mas por favor, se possível, não questione sem mais a minha inteligência.


Costa
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 28.07.2020 às 09:21

Costa, enumerou uma série de "funções" que V. atribui aos animais. Curiosamente _ para quem diz que tanto gosta deles_ esqueceu-se (!) de escrever que os animais podem ser "de companhia". Por isso se chamam "domésticos", palavra que nada tem de ofensivo. Acho que há um equívoco. Explico: "domus"(latim) significa "casa". Daí, "no domicílio", "ao domicílio", "doméstico", "domesticar"... Assim os animais "domesticados"  são aqueles que vivem connosco, na nossa companhia, nas nossas  casas,"domus".

P.S.
(Desviando-me do tema do post, já agora, essa domesticação foi um processo longo, de aproximação e de  habituação mútua, criando laços, ao longo de milhares de anos. Daqui se depreende que anteriormente eram... selvagens, (imagine!). Já ouviu falar de "alcateias"? Há nelas uma espécie de hierarquia, um "chefe" a quem todos os membros obedecem e se sujeitam, numa "submissão incondicional" (para usar a sua expressão). Se certos animais de companhia são "submissos" em relação ao dono, isso deve-se a uma necessidade atávica, de precisarem de reconhecer um "chefe" de matilha. Transferem, portanto, as suas "memórias" ancestrais que o  tempo não apagou, para os comportamentos actuais. O que também explica certos comportamentos agressivos. São memórias primitivas  que ainda sobrevivem, do tempo em que ainda eram animais selvagens.Quem gosta de facto de animais deve, antes de mais, compreender estes comportamentos à luz desta dicotomia. E respeitá-los é aceitar essa sua condição. 
Já agora, quem tem um cão em casa, certamente já notou que ele pode estar afeiçoado a toda as pessoas da família. Mas só reconhece "um" dos membros como "o chefe" incondicional.  E é ele que escolhe, segundo critérios lá muito seus  :-)) que ninguém percebe.

TF



Sem imagem de perfil

De Anónimo a 28.07.2020 às 09:48

 Quando o homem vive "da" Natureza, "com" a Natureza e "para" a Natureza é "natural" que aproveite os seus recursos, não acha? Que estranho dizer "uma visão utilitarista". Depreendo que aí também inclua as colheitas das sementeiras, da madeira  de que se serve para se aquecer, das pedras que afia, da força dos animais, da força motriz das águas, do vento. Tudo "subtraído"( vulgo "roubado") à natureza.
Tenho um amigo que se refere às pessoas como o sr. como "os urbanóides". Uma espécie que nasce e cresce como cogumelos em apartamentos de cidade e que debitam "imensa" coisa nenhuma sobre o "campo", o "clima", "os animais" e "assim".
Imagem de perfil

De Costa a 28.07.2020 às 11:40

Respondo a dois comentários apresentados em sucessão, ambos anónimos mas que parecem afinal constituir um só.


Nada vejo de ofensivo na expressão "animais domésticos" (agradeço a breve explicação quanto ao étimo), distingo sim entre domesticação e submissão incondicional. Creia que não me esqueci dos animais de companhia. Admiti sim que o autor do texto destacado tenha dificuldades em tomar os gatos como tal. Ou pelo menos que os não considere verdadeiramente como tal. Não decerto ao nível desses outros que lambem sofregamente a mão (usando o exemplo citado), podendo, mesmo de quem reiteradamente os trata da pior forma.


E não, nada tenho contra os cães. Apenas não confundo nem hierarquizo a relação dos humanos com uns (cães) e outros (gatos) numa ordem de verdadeira aproximação ao humano. São bem diferentes e ambas para mim encantadoras. E outros, ainda: animais de companhia podem sem os mais inesperados. 


Esse seu amigo (não será o senhor?) chamará "urbanóide" a quem bem entender e mediante uma avaliação pelos critérios que julgar os apropriados. Não lhe posso, sem mais e em abstracto, contestar a legitimidade para o fazer. Quanto a mim, nasci na cidade e nela vivo a maior parte do meu tempo (se me permite, é uma infelicidade de que ainda não me consegui libertar). Mantenho todavia as minha ligações "à terra", à aldeia de onde provém o ramo materno - o "da província" - da família, à casa dos meus antepassados, habitada, plenamente funcional e lugar querido para mim. Assisti ao longo da infância e adolescência (e ainda assisto, se bem que menos; mas diz-se que esses anos são cruciais na nossa formação) ao labor dos campos e aos seus ciclos, pausas e trabalhos (bem antes do uso generalizado - por ali, pelo menos - de tractores e outros meios motorizados). Vi nascer, crescer e morrer não só gatos e cães, mas também o gado e a "criação". 


Vi animais exaustos pelo trabalho. E ainda assim trabalhando. Testemunhei maus tratos, mas vi também o respeito - mesmo que nessa perspectiva utilitarista cuja invocação sem mais, apriorística e irrestritamente tanto o parece incomodar - que mereciam de quem com eles trabalhava a terra. Percebi que a carne que como e aprecio vem de seres vivos, e que houve que matar para que eu comesse. Alguns desses seres vivos olharam-me. E que para isso, para que eu coma, viveram tantas vezes em condições de absoluta barbaridade (talvez não tanto na aldeia; mais em ambientes industriais) e foram mortos de forma penosíssima. Não, não sou vegetariano (ainda não sou). E muito menos seguidor de certas seitas.


Em suma (é lugar comum mas talvez por isso se aplique tão bem aqui): o meu conhecimento das galinhas, das vacas, dos porcos, dos coelhos, etc.; deles enquanto entes, seres vivos, "sensientes" como agora se diz, ultrapassa um pouco a embalagem no expositor refrigerado do hipermercado.


O que, permita-se-me a presunção, e sem pretender saber trabalhar a terra e criar os animais, me libertará da condição de urbanóide, activista do que não conhece. Onde me parece que se pretenderia incluir-me. Enfim, conceda-se-me ao menos ser um pouco mais do que, "assim" (como escreve), um cogumelo (idem)...


Mas afastamo-nos largamente do tema, facto pelo qual já apresentei pedido de desculpas ao autor do "post" e em que não quereria voltar a incorrer.


Costa


Ps.: conhecerão esses urbanóides o silêncio de uma noite campestre, ou os sons, a paz, da Natureza (onde - coisa politicamente incorrectíssima por estes dias - incluo o som do sino da igreja, na distância, marcando as horas)? O sr. conhece?
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 28.07.2020 às 14:38

Constato, depois de ter tido o prazer de ler o seu belo texto, que é visível que não pertence à referida "categoria". Decididamente devo-lhe um pedido de desculpas.
Só acrescentaria, nesse seu hino à Natureza autêntica e vivida, as noites límpidas salpicadas de estrelas, constelações... de infinito,  um tesouro que os "tais" não têm.
Vejo que partilha da mesma visão desassombrada sobre o mundo rural: tem tanto de belo e bucólico, como de brutal e violento. Mas esse é o Todo e a Realidade de que fazemos parte.


LR
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 28.07.2020 às 00:58

Não confio em alguém que não entende nada de gatos.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 28.07.2020 às 10:44

Porra lá prós gatos ao domicílio e com fogo...Credo em cruz, santo nome de Jesus...!
Sem imagem de perfil

De pitosga a 28.07.2020 às 13:13


Notável é como os tontos aparecem que nem cogumelos na floresta após as primeiras chuvas.
Ou são pisados, ajudando a espalhar os esporos, ou são comidos.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 28.07.2020 às 14:08

É bastante revelador do estado das coisas! Publica-se um artigo sério sobre fogo e vêm os amigos do PAN de Oleiros discutir gatinhos.
Imagem de perfil

De Costa a 28.07.2020 às 15:24

Acalme-se, comentador sem nome. Não se trata aqui de “discutir gatinhos“, muito menos de se trata de menorizar um tema tão sério (e aqui sempre tratado de forma inquestionavelmente fundamentada: o fogo florestal). Um assunto, grave, sério, muito respeitável, levou a outro que - imagino que discorde veementemente - também o é. É tudo. E é natural, creio, num blogue que se presume local de livre, desde que educada, opinião. E creio ser o caso (do blogue e da opinião).


Mal vai uma sociedade, uma comunidade, uma nação quando entre os seus o respeito por, e o tratamento sério, de um destes assuntos exclui necessariamente igual respeito e tratamento do outro. Mal vamos quando quem respeite as outras formas de vida que não a humana - e respeitar não significa sacralizar em absoluto (passe a redundância) - é sem mais e de imediato taxativamente conotado com forças políticas e radicalismos de que não há a menor prova que siga e professe. 


Mas, em boa verdade, isso nada surpreende. Por alguma razão estamos onde e como estamos. 


Costa
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 28.07.2020 às 19:59

Caríssimo anónimo: saiba que estou nos antípodas de tal movimento.
LR
Sem imagem de perfil

De Carlos Sousa a 28.07.2020 às 14:55

Atendendo a que o único animal que renasce das cinzas é a fénix. Atendendo a que o único animal falado aqui é o gato. Não estamos a falar da mesma coisa. Assim sendo que tal deixarmos a bicharada e falarmos de coisas sérias?

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Carlos Sousa

    E pegando nalgumas palavras do primeiro-ministro, ...

  • Anónimo

    caro senhornestes tempos aburguesados e politicame...

  • Anónimo

    Caro Senhor"Apesar dos frequentes casos de corrupç...

  • Carlos Sousa

    O que me está a causar apreensão não é a DGS fazer...

  • Albino Manuel

    A monarquia espanhola vai aguentar. Derrubá-la é c...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2008
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2007
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2006
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D