Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




O velho país a morrer

por José Mendonça da Cruz, em 08.10.14

imagesIBYGYWF1.jpg

 

Habituámo-nos até há bem pouco tempo a tomar por bons os mitos que a comunicação social, os agentes políticos, e os salões da elite construiram: que havia umas quantas figuras realmente notáveis, notoriamente geniais que reflectiam a modernização do país. Era uma mentira baixa e danosa.

É que, hélas!, o BES faliu, arrastando a riqueza que o grupo tinha na saúde, na agricultura, no turismo, nos seguros; e, hélas!, a PT vive os últimos dias antes de desaparecer sob a denominação estrangeira que lhe aporá quem a quiser comprar.

São perdas graves. Mas o que me ocupa hoje -- ao abrigo de um título tão optimista, porque pressupõe uma crença na renovação -- não é o descalabro económico, nem a devastação financeira de BES e PT. O que me assombra é o lado humano, primeiro, e o lado político depois.

O que me assombra é que atrás do rosto impenetrável de Ricardo Salgado, onde supunhamos frieza, capacidade de decisão, génio na gestão dos interesses do grupo, afinal vimos a descobrir frivolidade, incompetência, mediocridade. Afinal, o grupo que «era dono disto tudo» não passava de um edifício frágil alicerçado em laços políticos obscuros, gestão amiguista, comércio de interesses opacos e bastante cupidez.

baroezecos.jpg

 

O que me assombra é que Henrique Granadeiro, a «eminência parda de tudo», saíu pela esquerda baixa, dizendo, fundamentalmente, que nada sabia; e que Zeinal Bava, o homem que toda a comunicação social persistentemente celebrou como génio da gestão, se demitiu -- suponho que antes que o demitissem -- deixando reduzido a irrelevância e cacos o suposto «gigante das telecomunicações». Afinal, a PT era uma construção débil que começou a abanar quando pôs os pés no estrangeiro, e ruiu logo que as regras a que ficou sujeito passaram a ser cristalinas e implacáveis.

Um, o BES, morreu porque deixou de ter o único ambiente em que podia respirar: o ambiente dos assaltos a bancos, o ambiente das OPAs travadas por conspiração, o ambiente do empréstimo para esconder défice e dívida, o ambiente do «investimento» leonino e fácil que a ruína no futuro há-de pagar, o ambiente do dinheiro que «aparece sempre». A outra, a PT, vai morrer porque deixou o ambiente de compromissos e investimentos dúbios em que florescia, o carinho e o silencio protector que sempre defenderam esse grande empregador de amigos e parentes políticos, e foi definhar no mercado, onde só triunfam os competentes.

Ambos morrem, em resumo, porque lhes faltou o país velho, do pântano e dos negócios em surdina, dos arranjos e do esfregão público para a mediocridade privada. Morreram, portanto, porque o país está melhor.

sem nome.png

 

Eu não tenho dúvidas, não tenho dúvidas de espécie alguma, de que os socialistas hão-de acusar este governo da falência de BES e de PT. O BES e a PT são o mundo deles, que faliu. Mário Soares já explicou, a propósito do BES, que não é assim que se trata um banco, que «ele» -- referindo-se a Salgado com a elegância habitual -- «ele», quando «ele» falasse é que havia de se ver. E não tenho dúvidas de que se Ricardo Salgado tivesse tido por interlocutor, em vez de Passos Coelho, António Costa, os 2,5 mil milhões que foi pedir teriam «aparecido», porque, como diz Soares, com os socialistas o nosso dinheiro «aparece» sempre.

O velho país a morrer, escrevi eu no título... Mas estará? Em 2015 havemos de tirar a prova dos nove. É claro que os membros da nossa pobre elite, reunidos nos seus pobres salões, poderão sempre preferir mais um messias, porque está bem à mesa, é inteligente a discutir, diz boas graças a propósito e não vive em Massamá -- tudo na ilusão de que o messias os reconhecerá mais tarde . E é claro que os eleitores podem sempre optar pelos socialistas, pelos grandes reaccionários contemporâneos, que querem viver numa Europa que já não há, alimentados por esmolas que ninguém já quer dar, recusando as reformas sem as quais não há riqueza nem modernização -- tudo na ilusão de que a consequência irremediável será outra que não a preservação do velho ambiente político e económico, da sobrevivência precária e apagada no presente (é verdade que com o enriquecimento de alguns), e, no futuro, da deflagração de outros BES, outras PTs, e da bancarrota, em pior.

  



7 comentários

Sem imagem de perfil

De Piorquemao a 08.10.2014 às 19:56

É o que acontece aos chicos espertos, como essa espécie de pseudo
paquistanês, pago a peso de ouro para cometer constantes crimes lesa
população,roubando os portugueses e chamando-os de estúpidos todos os
dias. As pessoas deste país estão fartas de bavas, granadeiros, mexias e
outros criminosos do mesmo calibre. Rua,…ontem, era já muito tarde.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 08.10.2014 às 21:48

"Eu não tenho dúvidas, não tenho dúvidas de espécie alguma, de que os socialistas hão-de acusar este governo da falência de BES e de PT."

Já começou com a PT, hoje mesmo na AR. Mas o que é de facto interessante é que PSD e CDS afundaram-se nas cadeiras, muito caladinhos. Nem com o que se passou na legislatura anterior lá vão!!!!!
Sem imagem de perfil

De Octávio dos Santos a 09.10.2014 às 20:30

Excelente texto.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 10.10.2014 às 00:20

Parabéns! É raro ler uma análise onde eu não divirja algures e estrague o " grand finale"!!! Lúcido e (perdoe... :-)...) ainda que com um toque de "português suave".
Sem imagem de perfil

De campus a 10.10.2014 às 10:38

Excelente, vou imprimir
Sem imagem de perfil

De U. a 10.10.2014 às 18:37

Óptimo texto - ah, e o país que descreve inventou para consumo dos mitos que alimentou, uma língua própria - o acordês - tão global quanto o negócio PT-Oi "o primeiro capítulo de uma nova história de matriz luso-brasileira e com alcance global", como ensinava Miguel Horta e Costa
Sem imagem de perfil

De Onde pára um estadista? a 11.10.2014 às 16:29

  -  porque, como diz Soares, com os socialistas o nosso dinheiro «aparece» sempre -
Não duvido, e presumo que depois do (próximo) reinado do dr. António Costa virá um qualquer dr. Passos arcar com nova bancarrota coladinha a uma austeridade feroz que nos volta a sufocar e a empobrecer. Uma cambada ... estes políticos, todos!
O velho país a morrer  ...  claramente!

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    sonham com o regresso de che e de dani vermelho nu...

  • ICH

    Dei-lhe três exemplos, mas há vários outros de esc...

  • Anónimo

    O crime de assédio sexual é assunto de natureza pr...

  • Telmo

    Isso não se diz o valor diz-se a percentagem, são ...

  • Jose Miguel Roque Martins

    pelos vistos, não pressupunha que a patente ficass...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2020
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2019
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2018
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2017
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2016
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2015
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2014
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2013
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2012
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2011
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2010
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2009
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2008
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2007
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D
    196. 2006
    197. J
    198. F
    199. M
    200. A
    201. M
    202. J
    203. J
    204. A
    205. S
    206. O
    207. N
    208. D