Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




O Velho e os Burros

por José Mendonça da Cruz, em 09.11.16

1ef3bcb9-1625-4750-a8fc-43be8c3278d5.jpgCapa_DailyTelegraph.jpg

Como aqui escrevi há meses e mais recentemente aqui teria sido mais útil olhar para as eleições americanas com mais atenção, menos preconceito, menos palas nos olhos. Hoje, eleito Trump, os burros mais teimosos falam de «choque e pavor» (com o persistente erro de tradução que insiste que awe é pavor, e não assombro); os burros menos teimosos falam de surpresa, de coisas que «ninguém» esperava (com o persistente erro lógico de considerar que eles são toda a gente)

Trump ganhou porquê? Por duas razões, sobretudo.

Porque nesta eleição a mudança, a esperança, o yes we can era ele. Foi ele a usar um discurso acessível e prático, que os media se entretiveram a cominar de primário, em vez de repararem na novidade. Era ele que encarnava a revolta contra o establishment, o politicamente correcto, a língua de pau dos círculos de poder de que a América desconfia e estava cansada (a velha queixa de que «os políticos são todos iguais» talvez explique este ponto). Nesse sentido, é provável que a campanha anti-Trump e pro-Hillary dos Obama, dos media, de sectores republicanos, e da tropa fandanga de Hollywood e da Broadway tenha desajudado mais Hillary do que Donald. 

Porque, ao contrário do relato parcial e obtuso dos media (de lá e de cá) Trump tinha propostas concretas para a classe trabalhadora, as mulheres e as minorias, e projectos de combate a receios ou desamparos generalizados. Nesse sentido é particularmente surpreendente (e revelador) que os media tenham insistido no pavor de uma terceira guerra mundial, a propósito precisamente do candidato que anunciava pôr fim às aventuras internacionais americanas. Nesse sentido é interessante a escolha dos media de repisarem a tónica do machismo, precisamente a respeito do candidato que prometera às mulheres salário igual para trabalho igual no prazo de um ano. Nesse mesmo sentido é reveladora a alegria enganada do campo democrata (e dos media) com o aumento da percentagem de votantes hispânicos na Florida, uma interpretação exactamente contrária ao que realmente se passava.

Os burros mais teimosos insistirão agora na proclamação de calamidades americanas e universais. São duplamente burros, com toda a soberba da burrice. Porque julgam que um burro pode ser multimilionário e chegar a presidente dos EUA; por julgarem que o país mais livre, rico, cientifica e culturalmente avançado, e poderoso do Mundo é constituído por burros (ou «deploráveis», como dizem os mais tímidos).

Reagan também era só um cowboy e mudou o Mundo.



1 comentário

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 09.11.2016 às 22:39

Excelente (e na minha modesta opinião, correctíssima) análise sobre a eleição de Trump. Parabéns.
Maria

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • João Crespo

    Sim. Os bancos são empresas. Tivesse o BPN falido,...

  • Anónimo

    Aplicar, aplica. O problema é que o Estado precisa...

  • Anónimo

    Como se sabe que uma empresa é inviável? Sempre q...

  • Anónimo

    É uma concepção muito romântica da forma de se gov...

  • Anónimo

    (continuação)E como está entornado, passo a dados ...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2020
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2019
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2018
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2017
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2016
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2015
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2014
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2013
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2012
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2011
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2010
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2009
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2008
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2007
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D
    196. 2006
    197. J
    198. F
    199. M
    200. A
    201. M
    202. J
    203. J
    204. A
    205. S
    206. O
    207. N
    208. D


    subscrever feeds