Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




O ressentimento como opção política

por henrique pereira dos santos, em 15.11.19

Susana Peralta escreve hoje no Público um artigo interessante, especialmente interessante pelo que não diz e não tanto pelo que diz.

O assunto é o englobamento das taxas liberatórias no rendimento geral e, do ponto de vista dos princípios eu não poderia estar mais de acordo com Susana Peralta: o ideal era simplificar os impostos e tornar tudo mais claro, razão, aliás, que me faz apoiar a proposta eleitoral da Iniciativa Liberal no sentido de englobar todos os rendimentos e taxá-los todos, acima de um limite, a 15%.

Logo no título, Susana Peralta diz ao que vem: a taxa liberatória é um presente para os 10% mais ricos.

Claro que tanto se pode dizer que as taxas liberatórias são um presente aos 10% mais ricos, como dizer que a possibilidade de englobamento voluntário é um presente aos outros 90%, mas essa hipótese não aparece no texto, apesar de ser a hipótese mais provável: o Estado, achando que taxar mais de 28% uma renda é um esbulho, permite, no entanto, que os contribuintes com menos rendimentos paguem ainda menos, englobando os rendimentos e pagando a taxa geral que pagam pelos restantes rendimentos.

Susana Peralta não se detém com essas minudências, o que a preocupa é que os ricos e o capital paguem mais que os outros e o trabalho, por isso, mesmo sendo professora numa escola de gestão, acha normal que em 1000 euros pagos por uma renda, 480 euros sejam para entregar ao Estado.

Num país completamente descapitalizado, com empresas e famílias descapitalizadas, com poupança em níveis preocupantemente baixos, o que o artigo não diz é que capital e trabalho são igualmente factores de produção que temos de valorizar, se queremos criar mais riqueza, pelo contrário, o que o artigo diz é, apenas, que os trabalhadores são umas vítimas da exploraçao capitalista e é preciso é ir buscar dinheiro onde ele existe.

Para o entregar a um Estado reconhecidamente mau gestor e com elevados níveis de corrupção. Não por ser um Estado, mas porque este em concreto é um Estado institucionalmente fraco e com um ódio de morte à liberdade e iniciativa das pessoas comuns.

Pelos vistos, não só somos pobres, como nas escolas de gestão se ensina como devemos continuar o caminho para sermos cada vez mais pobres, em termos relativos: obrigar os ricos a entregar ao Estado 480 euros de uma renda de mil e liquidar de vez a vontade de alguém poupar e investir.



8 comentários

Sem imagem de perfil

De António a 17.11.2019 às 14:46

Fez as contas?

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2008
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2007
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2006
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D