Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




O que é um negacionista?

por henrique pereira dos santos, em 16.10.21

Vera Novais e José Carlos Duarte escreveram uma coisa a que o jornal Observador (não sei como funciona, não sei se tem editores que olhem para o que os jornalistas fazem e escolhem títulos, não sei se tem um director que se responsabiliza por tudo o que lá se passa, não sei, e por isso não sei quem escolheu o título) deu o seguinte título: "Ordem dos Médicos instaura processo disciplinar contra médico negacionista de Coimbra".

O que escreveram pode resumir-se no seguinte: O Observador teve acesso a denúncias recebidas pela Ordem dos Médicos que acusam o médico de pertencer a associações, dizer umas coisas e fazer umas caminhadas, o que se traduz numa campanha contra a vacinação da Covid19. Após a análise destes factos, a seccção regional do Centro da Ordem dos Médicos decidiu avançar para um processo disciplinar.

Não me interessa nada discutir estes factos em si (eu sei, deveria interessar-me saber por que razão uma ordem profissional institui processos disciplinares por delito de opinião, mas já desisti dessa discussão) mas interessa-me discutir a notícia a partir do meu ponto de observação.

Diogo Cabrita, o médico em causa, era um dos irmãos mais novos (um ano de diferença) de um dos meus colegas da escola primária (uma das pouquíssimas fotografias minhas em criança, que conheço é exactamente numa festa de anos do Pedro Cabrita), e nunca mais o vi desde 1974. Mas há poucos anos restabelecemos contacto por via electrónica, através de um amigo comum, também meu colega de turma e vizinho do lado dos Cabritas em Lourenço Marques (hoje Maputo), razão pela qual vou acompanhando o que o Diogo tem vindo a fazer e escrever.

Durante bastante tempo, no início da epidemia, o Diogo era uma das pessoas a quem mais recorria para ter informação concreta sobre o que se passava nos hospitais, exactamente porque trabalhava na urgência de um dos hospitais de referência covid, aliás o único exclusivamente dedicado à covid. Para negacionista não está mau, como experiência sobre a doença.

Também por essa proximidade acompanhei o episódio em que o Diogo esteve nos cuidados intensivos, algum tempo depois de ter sido vacinado (nada mau, para quem, de acordo com os jornalistas, faz campanhas contra a vacinação), por causa de uma reacção estranha do seu organismo. O Diogo sempre disse que não podia atribuir esse episódio, em que quase bateu a bota, à vacina, embora também não pudesse dizer que as duas coisas não tinham relação, tratava-se de uma reacção do sistema imunitário que poderia ser desencadeada por qualquer coisa que foi impossível identificar, e foi depois desse episódio que o Diogo, no contexto da sua recuperação, fez uma caminhada de Coimbra a Lisboa, defendendo que não se vacinassem crianças e adolescentes e, já agora, alterou radicalmente a sua alimentação como medida profilática, tanto quanto percebi.

Os jornalistas omitem, na sua peça, todo este contexto: compreende-se, era desagradável escrever o que escreveram ao mesmo tempo que diziam que se tratava de um médico que fazia urgências covid - a que não era obrigado - quando muitos dos seus colegas mais novos arranjavam desculpas para não se exporem ao risco de uma doença sobre a qual se sabia muito pouco na altura.

O meu problema não é bem com os jornalistas.

Acho que o direito à asneira é sagrado e com certeza os jornalistas em causa têm o direito a:

omitir quem tem feito estas queixas sistemáticas à Ordem dos Médicos;

omitir que a própria Ordem dos Médicos tinha um parecer que escondeu do público durante meses e que o presidente do Conselho Nacional de Ética e Deontologia Médica da Ordem dos Médicos (Manuel Mendes da Silva) negou peremptoriamente que existisse, para rapidamente passar a dizer que se tinha esquecido da sua existência quando confrontado com a sua assinatura no dito parecer, parecer esse que dizia basicamente o mesmo que Diogo Cabrita;

omitir todo o trabalho de Diogo Cabrita relacionado com a covid,

e o mais que quiserem.

O jornal é que, se quer ser respeitado e ter credibilidade, não pode deixar de perguntar aos jornalistas, antes da publicação:

o que é um negacionista?

quem determinou que Diogo Cabrita é negacionista?

que critérios foram usados para falar de questões laterais (quem esteve ou deixou de estar na caminhada que fez de Lisboa a Coimbra) ao mesmo tempo que se omitem questões centrais da sua actividade?

que esforços foram feitos para ouvir o visado antes de publicar a peça em causa?

e por aí fora.

Dêem as voltas que derem, isto é jornalismo de treta.

Escusam de vir com a falta de meios, com as redacções pequenas e essas coisas todas, escolher fazer esta peça assim, escolher umas informações em detrimento de outras não é uma questão de mais ou menos meios, é uma questão de brio profissional e de qualidade do que se faz.

E peças destas não têm qualidade nenhuma, são lixo.



7 comentários

Sem imagem de perfil

De lucklucky a 16.10.2021 às 20:23

O jornalismo é o maior problema da civilização ocidental.
Sem imagem de perfil

De pitosga a 16.10.2021 às 22:38


Existe um senhor, de seu nome José Miguel Ribeiro de Castro Guimarães, que tem duas filhas médicas que usam o nome de família: Castro Guimarães. Seu pai é conhecido e faz-se conhecer por Miguel Guimarães. Dados do 'site' da OM.
Não creio que o facto seja diverso daquele que conta num contexto clássico de "deixa andar" e "pra quem é bacalhau basta".
O contexto é simples: falta de vergonha e de falta de hombridade.
Talvez entenda o geronte que se esqueceu do que assinou.
Sem imagem de perfil

De pitosga a 16.10.2021 às 22:47


Cont.
Já sabemos a bosta (*) que o "jornalismo" é, neste paiseco.

Já vos informei que o ObserváCor é um excelso exemplo de bosta.



(*)  palavra consagrada por um racista do Senegal associada a "bófia"; quando foi assessor do BE na AR e até devia uns euritos ao fisco.


Cumprimenta
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 17.10.2021 às 12:46

Caro Sr. : Há outros excelsos exemplos que acompanham esse jornal.
Sem imagem de perfil

De Terry Malloy a 17.10.2021 às 12:17


A utilização do termo 'negacionista' (como 'fascista','neo-liberal', etc.) é uma ferramenta de desqualificação prévia do interlocutor, que a partir daí tem de debater num terreno inclinado, sempre a trepar e em desvantagem.


Em rigor, conjuga-se com a chamada "janela de Overton", através da qual se estabelecem os limites do discurso público admissível. Feito isto, encontra-se um termo-chavão (negacionista) através do qual se resumem e convocam quase automaticamente as características negativas que queremos que sejam associadas ao inimigo ideológico, ferindo-o de ilegitimidade ainda antes do debate começar.


Por isso tanta gente tem necessidade de se apresentar desde o início como "eu não sou xxxxxx, mas...". Pedindo para não serem logo inicialmente desqualificadas, pedindo (suplicando?) para as deixarem falar 'como as pessoas normais'.


Claro está que o condicionamento do discurso público deste modo orwelliano e universal não teria sido possível no Ocidente sem o comprometimento e a cumplicidade máximas da comunicação social.
Sem imagem de perfil

De António Ladrilhador a 17.10.2021 às 14:33

O que é um negacionista, não sei. Mas poderá não ser um negacionista o "herói" de https://mosaicosemportugues.blogspot.com/2021/10/juiz-negacionista-ou-advogado.html, que, com os votos de um excelente Domingo, o convido a visitar.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 18.10.2021 às 09:26

Por outras razões, também sigo o Diogo Cabrita há muito tempo, sobretudo nas redes sociais e, para mim, o Diogo Cabrita, ainda que com reticências e dúvidas legitimas, foi dos primeiros a ir para a linha da frente na covid, expondo-se e combatendo a doença, quando ainda não se sabia nada dela.
Não deixa de ser curioso que os jornalistas tenham endeusado os profissionais de saúde que estiverem nos hospitais na pandemia, desde que bem comportados e autores de textos e comentários fofinhos, veja-se por exemplo os Froes, Mexias, Caronas e outros que tais, mas no caso de um médico que fez igual trabalho mas que sempre se questionou, assumiu erros e mudou de opinião muitas vezes, sustentando no que ia observando e conhecendo, é apresentado hoje como um terrível negacionista..!!
Estes dois jornalistas em particular, deveriam ter vergonha do que escreveram, são um péssimo exemplo de um jornalismo tendencioso e covarde e, seguramente, fizeram bem menos do que este negacionista na pandemia! 

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2020
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2019
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2018
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2017
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2016
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2015
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2014
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2013
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2012
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2011
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2010
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2009
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2008
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2007
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D
    196. 2006
    197. J
    198. F
    199. M
    200. A
    201. M
    202. J
    203. J
    204. A
    205. S
    206. O
    207. N
    208. D