Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




O palco da Jornada Mundial da Juventude

por João Távora, em 25.01.23

palco-blog (1).jpg

Há mais de quatro anos, quando foi decidido, que venho seguindo com alguma atenção as notícias da Jornada Mundial da Juventude (JMJ) que decorrerá em Lisboa no início de Agosto e que reunirá mais de um milhão de jovens de todo o Mundo na cidade e concelhos limítrofes. Que ninguém se iluda, nunca nada de semelhante aconteceu em Portugal – trata-se de um evento absolutamente excepcional, o maior à escala planetária que, a par da visibilidade que promove da mensagem cristã, comporta uma logística complexa e exigente, em mobilidade e espaços para os múltiplos eventos, que urge por a funcionar. Para se ter uma ídeia, para acolher todos os visitantes juntos, será necessário um espaço correspondente a 10 santuários de Fátima ou dezasseis estádio da Luz. Com ou sem o Palco, com ou sem a colossal esplanada do Parque Tejo arranjada para a Missa Campal no dia 5 presidida pelo Papa Francisco, nada permanecerá na mesma na cidade, que quase triplicará os habitantes durante uma semana – a maior parte da operação será pouco visível decorrerá em regime de voluntariado – alojamento, refeições etc..

Para além dos incómodos que toda esta agitação inevitavelmente irá criar aos lisboetas, é de prever que surjam muito mais polémicas mais ou menos artificiais e o habitual aproveitamento político das facções radicais do nosso espectro político. Escândalos e feridas serão “descobertos” ou reavivados aos católicos. Na mesma proporção que for o sucesso da JMJ, haverá uma vozearia tonitruante a contrapor maledicência e contraditório. É assim que acontece, justa ou injustamente, numa sociedade liberal e extremamente laicizada como a nossa. Procurem-se notícias do que foi a JMJ em 2011 em Madrid, por exemplo.

Mas o que me admira por estes dias nas redes sociais é a quantidade de católicos acriticamente, mal informados, a surfarem a onda do “escândalo do palco-altar". Há muito tempo que este grandioso encontro católico está previsto, no entanto até há poucos meses não estavam definidas as responsabilidades das partes envolvidas - Lisboa, Loures e Governo. Desde então, com as verbas definidas, a seis meses do acontecimento, a CML tudo está a fazer para que o acolhimento se faça com toda a dignidade que nos merecem os visitantes. Dito isto, parece-me importante que se construa um consenso entre os portugueses de boa-vontade para levarmos a JMJ a bom porto. Com os outros já não contávamos, sempre estiveram do lado da ruptura, e sempre que puderam fecharam as igrejas e até mataram o nosso Rei.

PS.: Peço desculpa se desiludo alguém, mas pensava que este assunto já tinha ficado esclarecido com o colapso da Cortina de Ferro: não haverá menos pobres por não haver JMJ ou se o evento for mais modesto. Como não haverá menos pobres se o Vaticano oferecer os seus bens, igrejas, palácios e obras de arte. Esse sempre foi o argumento dos comunistas para expropriar as pessoas. Haverá menos pobres, estou certo, com uma Igreja mais robusta, mais santa, com mais presença na vida das nossas cidades. A ideia de que o dinheiro para o Altar cicula em vazos comunicantes entre instituições/organismos e que poderia ser gasto em caridade ou na construção de casas para os pobres é no mínimo infantil. A pobreza franciscana é um caminho de exigente espiritualidade, como outros uma escolha individual. Para mais a Igreja não é uma mera ONG, a sua fundação principal é evangelizar, ensinar a mensagem de Cristo. Para isso necessita de meios.


24 comentários

Sem imagem de perfil

De uidade e a 26.01.2023 às 08:24

 Concordo com quase tudo. Esse encontro glorioso pode ajudar a levantar o moral e o ânimo. deste país a afundar-se e sem esperança. E certamente também haverá retorno financeiro. Que Alguém tenha misericórdia de nós.

Mas tenho um reparo : Não sei se a Igreja vai (ou não) participar financeiramente neste grande evento. Devia!  Por todas as ordens de razão, seria avisado que o fizesse _ não só mas também _  porque deve ajudar a mitigar os gastos para não sobrecarregar as outras entidades com despesas exorbitantes. Também é do interesse da Igreja poupar-se a mais críticas e ficaria bem vista aos olhos do País! Não esquecer que hoje , os portugueses já não têm ilusões, estão mais atentos, tornaram-se mais realistas, mais vigilantes, mais críticos e portanto mais exigentes: valorizam (como nunca) a sobriedade e o esforço de contenção em gastos excessivos, pelo simples facto de saberem que Portugal está em crise com as suas instituições e serviços públicos numa ruína e completamente depauperados. 



Por isso convinha não entrar numa espécie de megalomania, com exibicionismos "descocados" e sinais exteriores de riqueza, num país que a não tem.
(Não queremos voltar àquele "tique" de novo-riquismo completamente terceiro-mundista do eng.Sócrates, que gastava  copiosamente e à Lagardère,  desmantelando-nos o país como se não houvesse amanhã. Já vimos essa "festa" e chegou-nos!)



Sem imagem de perfil

De Anonimo a 26.01.2023 às 09:45

Tal como o Euro 2004. E tantos outros eventos e obras (como aquelas autoestradas que se pagavam a si mesmas). Não percebo é como, com tanto retorno financeiro, o país continua pobre.
Sem imagem de perfil

De balio a 26.01.2023 às 11:56


Tal como o Euro 2004.


Exatamente. E tal como a Expo 98. E tal como a Websummit.


Regularmente, sem escrutínio democrático nenhum, os governos portugueses decidem, por sua alta iniciativa e recreação, esbanjar dezenas ou até centenas de milhões de euros dos contribuintes portugueses a dar uma festarola para estrangeiros.


No caso da Expo 98, da Websummit e do Euro 2004 sempre se podia argumentar que se estava a divulgar o destino Portugal por entre estrangeiros ricos, que cá deixariam muito dinheiro e que regressariam mais tarde. Mas, neste caso, apenas se estará a atrair ao país turistas de pé descalço, que pouco ou nenhum dinheiro cá deixarão.
Sem imagem de perfil

De Zé Manel Tonto a 26.01.2023 às 20:29

"atrair ao país turistas de pé descalço, que pouco ou nenhum dinheiro cá deixarão."

Lavourada da semana.
Já foi ver quanto é que o Estado mama em taxas aeroportuárias 
por cada passageiro que chega ao aeroporto de Lisboa? Agora multiplique pelos 1.5 milhões de pessoas previstas.
Sem imagem de perfil

De balio a 27.01.2023 às 09:25


As taxas aeroportuárias não são receita do Estado, são receita da ANA, a empresa que gere os aeroportos.
(O Estado cobra IVA sobre elas.)
Sem imagem de perfil

De balio a 27.01.2023 às 09:52

O aeroporto de Lisboa tem um tamanho fixo, e em agosto não lhe costumam faltar vôos e passageiros. Os passageiros que aterrarem a mais devido às Jornadas deverãos ser poucos. Com muita probabilidade, quanto mais passageiros aterrarem destinados às Jornadas, menos passageiros aterrarão com outros objetivos.

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com



Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes


Links

Muito nossos

  •  
  • Outros blogs

  •  
  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2023
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2022
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2021
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2020
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2019
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2018
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2017
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2016
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2015
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2014
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2013
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2012
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2011
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2010
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2009
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D
    196. 2008
    197. J
    198. F
    199. M
    200. A
    201. M
    202. J
    203. J
    204. A
    205. S
    206. O
    207. N
    208. D
    209. 2007
    210. J
    211. F
    212. M
    213. A
    214. M
    215. J
    216. J
    217. A
    218. S
    219. O
    220. N
    221. D
    222. 2006
    223. J
    224. F
    225. M
    226. A
    227. M
    228. J
    229. J
    230. A
    231. S
    232. O
    233. N
    234. D