Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




O que aconteceu à canção francesa?

por João Távora, em 31.07.22

Nos meus tempos de juventude, o gosto musical era moldado pela música que os nossos pais ou tios ouviam no gira-discos, mas principalmente pela música que passava nas estações de FM em programas mais ou menos comerciais ou elitistas. Certo é que, aqui chegados, a música popular francesa desapareceu quase completamente do espaço público português. É verdade que ao invés temos mais e muito variada oferta nacional e a música popular brasileira continua a dar cartas, mas é estranho que a canção francesa se tenha eclipsado. Os novos modos de consumo não justificam tudo.



12 comentários

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 31.07.2022 às 13:56

É muito simples: ninguém ensina nem ninguém sabe ou quer saber francês de há 40 anos para cá.
O inglês "comeu" tudo, é o esperanto que temos e até se percebe porquê pois mesmo trocando os tempos dos verbos todos acabamos por ser entendidos.


Sou bilingue desde sempre por razões várias, tenho uma colecção de discos franceses (LP e CD) das maiores que conheço (e conheço muitas). 
Mas os meus filhos (ali entre os 45 e os 50) e netos (entre os 17 e os 22), que cresceram a ouvir música francesa, não conseguem manter uma conversa banal com o turista que quer saber onde fica o supermercado mais próximo.


É um dos meus desgostos, que o francês é uma língua muito bonita, mas ao menos é um desgosto com que posso viver...
Sem imagem de perfil

De Fernando Antolin a 31.07.2022 às 14:28

Boa tarde
Julgo que lhe aconteceu o mesmo que ao ensino do idioma, o primeiro a ser ensinado no liceu, durante os primeiros 5 anos, entrando o inglês a partir do 3° ; depois foi, paulatinamente, desaparecendo.


Lá por casa - em Santarém - havia o L' Express, o Paris-Match , além de jornal diário, o DN. Dos pais herdámos o gosto pelos livros, que tínhamos em quantidade apreciável, ambos falavam francês e inglês, sendo que o espanhol/castelhano era o 2° idioma do meu pai, filho de um cidadão espanhol, sendo também o meu segundo idioma. Tendo trabalhado 42 anos e picos no aeroporto de Lisboa - reformei-me em Março - pude manter o " treino " nos três idiomas. 


As publicações francesas continuam por aqui, os meios audio nesse idioma, estão ali também, para já " rien n'est perdu ou oublié ". 


Cumprimentos, bom Domingo
Sem imagem de perfil

De Maria J Rodrigues a 01.08.2022 às 09:03

Deixou de haver francês nas escolas. A primeira lingua estrangeira a ser ensinada era o francês, depois vinha o inglês. Hoje julgo que o francês é opcional. O que é pena. Claro que não explica tudo. Vejo pelos filhos e netos : dominam o inglês, do francês pouco sabem. 
Sem imagem de perfil

De Anónimo 78 a 01.08.2022 às 10:16

O inglês tornou-se incontornável, a utilidade do francês desvaneceu-se.
Pessoalmente, como segunda língua estrangeira a ensinar nas escolas, sugeria o alemão e/ou o mandarim porque quem fala a língua dos senhores, pode chegar a capataz.
Sem imagem de perfil

De Anonimo a 01.08.2022 às 10:58


Parce que aujourdoi toujours parle l'anglais.
Tive francês no liceu, nunca usei na "vida real". Recordei umas coisas este ano porque a petiza teve pela primeira vez. Já inglês, além de cinema e tv, era monopólio da literatura que sempre fui obrigado a ler.
Como tudo o que não é usado, paulatinamente tende a desaparecer
Sem imagem de perfil

De lucklucky a 02.08.2022 às 00:54

Ao contrário dos outros comentadores pesno que problema está a montante: os Franceses deixaram de fazer musica de jeito.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 02.08.2022 às 08:56

É uma pena que praticamente já ninguém ouça música francesa e pouco se fale Francês, uma língua belíssima. A Gramática parecida com a nossa. A minha geração e as anteriores foram marcadamente influenciadas pela cultura francesa: desde a Música à Literatura e do Cinema às Artes plásticas (os seus incontornáveis Movimentos que fizeram "escola" na Pintura!). Os nossos maiores vultos da Literatura e das Artes deveriam passar por Paris e embrenhar-se nela para um banho de Civilização. Mas, entretanto, os ingleses passaram-lhe a perna... pois souberam promover a sua cultura com grande mérito e como ninguém: conseguiram que o Inglês se tornasse a "Língua franca", ou a "Língua de contacto" oficial, usada nas relações internacionais, no comércio e indústria, na diplomacia, no intercâmbio de informação científica, etc. 
Sem imagem de perfil

De balio a 02.08.2022 às 09:29

Não convém perguntar somente porque desapareceram as canções francesas, mas também porque foram substituídas pelas anglossaxónicas.
Há um estudo num Economist recente sobre o assunto. Portugal é um dos países que se carateriza por estar dominado pela música anglossaxónica. Ao contrário de muitos outros países onde domina a música na própria língua.
Sem imagem de perfil

De lucklucky a 02.08.2022 às 20:57

Obvio , a cultura socialista dominante deste regime que "caminha para o socialismo" torna os Portugueses apenas dependentes e consumidores e não criadores. Os Portugueses criam muito pouco para preservar a igualdade. Isto sempre foi um objectivo fundamental do regime do 25 de Abril.
Sem imagem de perfil

De José a 02.08.2022 às 18:27

A música francesa que ainda ouço vem toda dos anos sessenta e setenta do século passado: Leo Ferré ( que agora ouço pouco, nem sequer tenho disco algum,  mas era nos anos setenta um dos que se ouvia mais no rádio, com as suas prédicas meio-faladas e meio-cantadas à temática anarquista, etc.); Maxime Le Forestier, com três belíssimos albuns, um deles ao vivo e que tem por exemplo Mon Frère ou Mourir pour une nuit; Georges Moustaki com várias chansonettes fantásticas, como por exemplo Mediterranée ou La carte du tendre, ou mesmo Danse e muitas, muitas outras; Serge Regianni com muitas, muitas também, com destaque para Sarah ou Tes gestes, uma maravilha de subtileza que nenhum anglo-saxónico atinge nem de perto nem de longe; Gérard Manset com Y a une route e outras; 
E de grupos tenho aqui os cinco primeiros lp´s dos Ange para ouvir, todos dos anos setenta do prog francês. 
Para além desses ainda há Georges Brassens com a sua Fernande e muitas outras, como a Guerre de 14-18 ou o disco Les Trompete de la renomée; Jean Ferrat, um comunista estalinista que cantava como um burguês a sua temática ideológica, em várias canções memoráveis como a La Montagne, La Commune ou Tout ce que j´aime. 
E como introdução doce a todos esses, a belíssima Françoise Hardy que nos anos sessenta cantava coisas lindíssimas como Ce Petit Coeur ou À quoi ç´a sert. Quem ouvir esta última e ficar indiferente a essa beleza amorosa cantada pode procurar  equivalente onde quiser que não encontrará. 


E isto para não mencionar os da canção ligeira, como Silvye Vartan ou Sheila ou outros Gérard le Normam ou Michel Delpech que me deliciava com o seu Wight is Wight lá por 1969 ou coisa que o valha
Sem imagem de perfil

De lucklucky a 03.08.2022 às 14:24

Eu continuo a ouvir Nino Ferrer um desalinhado que aliás veio de Itália, note-se neste album canta em Inglês, logo já o fim da canção francesa?
https://www.youtube.com/watch?v=9wudmZ7rlws



E a gozar com Mao...em Francês
https://www.youtube.com/watch?v=Uz0yvngSW-M



De certo modo penso que o que se passou com a canção francesa está agora a ocorrer com a musica inglesa. O fruto maduro da exploração sonora já foi colhido em grande parte, logo a novidade fica mais difícil de aparecer.
Sem imagem de perfil

De pitosga a 03.08.2022 às 10:35


A realidade começa pela real perda de nível da canção francesa.
As línguas ensinadas neste país sempre foram as que eram dominantes nas Artes e nas Ciências. Até à IIGM eram o alemão e o francês. França e Alemanha ao perderem a guerra perderam o predomínio literário e científico. As pessoas de nível fugiram da Europa e foram para os EUA que foram espertos ao acolherem as elites. Medicina, Química e Ciência atómica, fizeram do Inglês a língua franca. Até então era uma linguagem de filibusteiros, de piratas, que era o que eram.

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anonimo

    A da equerda é o Portugal dos meus sonhos, a direi...

  • José

    O Observador não anda distraído: contratou jornali...

  • pitosga

    Foi sempre mau escrever "a metro".A CEP, creio eu,...

  • Maria Neves

    Olá.Obrigada pela partilha.Boa semanaMaria

  • Anónimo

    Nem mais, Zazie! Esses hipócritas mostram-se muito...


Links

Muito nossos

  •  
  • Outros blogs

  •  
  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2022
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2021
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2020
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2019
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2018
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2017
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2016
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2015
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2014
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2013
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2012
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2011
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2010
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2009
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2008
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D
    196. 2007
    197. J
    198. F
    199. M
    200. A
    201. M
    202. J
    203. J
    204. A
    205. S
    206. O
    207. N
    208. D
    209. 2006
    210. J
    211. F
    212. M
    213. A
    214. M
    215. J
    216. J
    217. A
    218. S
    219. O
    220. N
    221. D