Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




O Público e a desinformação

por henrique pereira dos santos, em 03.10.22

Não há muito tempo, tive uma troca de mails com Manuel Carvalho, director do Público, e penso não estar a fazer nenhuma inconfidência, nem a divulgar conversas privadas, se disser que Manuel Carvalho ficou indignado com o facto de eu ter escrito que o Público, a propósito dos fogos, espalhava muita desinformação.

Diga-se que eu percebo a reacção de Manuel Carvalho, nenhum director de jornal gostará de ouvir que o seu jornal espalha desinformação, só que estou mesmo convencido de que um dos problemas do jornalismo está no facto de serem dos últimos agentes económicos que se ofendem com as críticas, não reconhecendo o papel essencial que a crítica dos consumidores pode desempenhar na melhoria do desempenho.

Vou ilustrar com uma notícia do Público, já com alguns dias, sobre um assunto de que sei pouco.

"Rendas aumentaram mais de 40% em cinco anos", era o titulo da notícia, que me pôs logo de pé atrás.

Rapidamente verifiquei que era uma notícia sobre os relatórios do INE sobre "novos" contratos. O INE tem sempre o cuidado de falar de "novos contratos", explicitamente, e por boas razões: a percentagem de novos contratos no mercado de arrendamento, em Portugal, é muito baixo (e regem-se por regras diferentes das que se aplicam aos contratos mais antigos), logo não se podem extrapolar os aumentos nos novos contratos para o conjunto mais abrangente referido no título da notícia "Rendas", que diz respeito a todos os arrendamentos.

Ou seja, o título a disseminar desinformação.

No texto da notícia vai-se intercalando a referência correcta ao objecto da notícia os "novos contratos", com extrapolações completamente abusivas "a renda mediana em Portugal atingiu os 6,55 euros por metro quadrado, uma subida de 8,6% em relação a igual período do ano passado".

Pura desinformação, este valor atira a renda mediana de uma casa de 50 metros quadrados para 327,5 euros mensais (655, para uma casa de 100 metros quadrados) , mas basta consultar os dados provisórios dos censos de 2021 para se ficar a saber que das pouco mais de 923 mil casas arrendadas, pouco mais de 650 mil (cerca de 70%), têm rendas abaixo de 400 euros.

Confesso que verdadeiramente o que me fez ir olhar para os números foi esta frase extraordinária: "Este aumento acelerado das rendas acontece apesar da retracção da procura". O que o jornal escreve é que o número de novos contratos celebrados  diminuiu, mas como não acreditei que a jornalista estivesse a confundir número de contratos celebrados com procura, achei por bem ir à procura de qualquer coisa que pudesse indiciar uma diminuição da procura.

Fui obrigado a render-me à evidência de que nem escrevendo uma frase tão extraordinária como "os preços aumentaram apesar da diminuição da procura", a jornalista tenha reparado que a celebração de contratos não traduz apenas a procura, mas sim o ponto de encontro entre a procura e a oferta, isto é, os preços sobem ou porque a procura aumenta, ou porque a oferta diminui ou as duas coisas ao mesmo tempo, agora subirem com diminuição da procura, não sendo uma impossibilidade (não existem mercados perfeitos), é seguramente uma raridade.

E existem dezenas de indícios na evolução dos números da habitação, nomeadamente nos que dizem respeito ao arrendamento, de que Portugal está com um problema sério de oferta habitacional e, dentro desta, de oferta para arrendamento, matéria que os jornais raramente tratam com um mínimo de rigor.

Infelizmente o que confirmei, agora num assunto que não domino, é mesmo que o Público, como a generalidade do jornalismo, anda mesmo a espalhar desinformação, ao mesmo tempo de se multiplica em fact check's e coisas afins, sobre afirmações de terceiros.

Por mim, dois conselhos simples, um empresarial, outro sobre a natureza do jornalismo.

1) Senhores jornalistas, deixem de se amofinar com as críticas dos vossos leitores, não só porque tendo poucos clientes é um bocado estúpido alienar os poucos que ainda têm, como sobretudo porque as críticas são o mais poderoso e barato instrumento de melhoria do desempenho;

2) Senhores jornalistas, acabem lá dos fact checkers e polígrafos e vejam se aplicam isso internamente, às notícias que fazem todos os dias.

Eu sei que se os conselhos valessem de alguma coisa, eram vendidos, não eram dados.



8 comentários

Sem imagem de perfil

De balio a 03.10.2022 às 17:07


Nesta notícia sobre as rendas, creio que não se trata de o Público estar a "espalhar desinformação", trata-se simplesmente de uma notícia mal redigida, por uma jornalista que não se deu ao trabalho de entender bem o assunto antes de redigir a notícia sobre ele.
Notícias mal redigidas, por jornalistas que não percebem daquilo sobre que escrevem, são desde sempre frequentes nos jornais portugueses. Não traduzem maldade (vontade de "espalhar desinformação"), mas sim ignorância.
Imagem de perfil

De henrique pereira dos santos a 03.10.2022 às 19:24

Vontade é uma palavra que só aparece no teu comentário, não aparece no meu texto
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 03.10.2022 às 22:56

Isto de ter ignorantes a informar outros ignorantes com o objectivo destes deixarem de ser ignorantes tem muito que se lhe diga...
Sem imagem de perfil

De Anonimo a 04.10.2022 às 08:30

Ou seja, desde que não seja propositado, escrever tretas é aceitável e passa perfeitamente por "informação"
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 04.10.2022 às 11:31

"...uma jornalista que não se deu ao trabalho de entender bem o assunto antes de redigir a notícia sobre ele".



'Tá bem,´tá, Balio. Tanta inocência!
Vá ver ali se eu estou lá.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 04.10.2022 às 12:13

Balio, depois de ter descrito o estado de indigência e de ignorância a que chegou a informação, o seu comentário tem num tom muito condescendente Eo último parágrafo é, todo ele, um hino à desresponsabilização do jornalismo actual. 
Admira-me que, diante dos factos (inaceitáveis) que observa  não lhe tenha ocorrido uma crítica à falta de qualidade da informação. 



Sem imagem de perfil

De Ricardp a 04.10.2022 às 11:13

É o tal enviesamento de esquerda a toldar a mente dos jornalistas. Penso que será a única explicação para o jornalista afirmar que as rendas aumentam apesar da retração da procura e não pensar logo que seria mais lógico que tal se deveria à retração da oferta.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 04.10.2022 às 11:27

Esse jornal é um órgão de propaganda e de doutrinação... a soldo. 

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • entulho

    na minha aldeia, ex-vila acastelada da Casa do Inf...

  • Anónimo

    Se reparar, caro Sr., não divergimos assim tanto e...

  • Marques Aarão

    Por associação de ideias arrisco uma das frescas d...

  • Anónimo

    E, como disse, partem e nunca mais regressam!

  • henrique pereira dos santos

    Vê-se bem que o senhor anónimo não partilha os meu...


Links

Muito nossos

  •  
  • Outros blogs

  •  
  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2022
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2021
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2020
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2019
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2018
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2017
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2016
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2015
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2014
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2013
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2012
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2011
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2010
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2009
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2008
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D
    196. 2007
    197. J
    198. F
    199. M
    200. A
    201. M
    202. J
    203. J
    204. A
    205. S
    206. O
    207. N
    208. D
    209. 2006
    210. J
    211. F
    212. M
    213. A
    214. M
    215. J
    216. J
    217. A
    218. S
    219. O
    220. N
    221. D