Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




O problema do bacalhau à Braz

por henrique pereira dos santos, em 25.06.22

Desta vez, Graça Freitas tem menos responsabilidades das que lhe atribuem no acessório, mas mantém intactas as responsabilidades que lhe cabem no essencial.

"Não sei se têm a noção que no Verão há muitas infecções tóxico-alimentares colectivas.Tradicionalmente em Portugal - eu vou dizer uma que é absolutamente verdadeira, quando nós investigamos - o grande responsável é o bacalhau à Braz. Aqueles grandes convívios, pic-nics, excursões, uma das coisas mais usadas é o bacalhau à Braz, que está pré feito desde manhã, e depois aquece-se, não chega a aquecer à temperatura suficiente e que leva ovos. E aqueles ovos são uma cultura das salmonelas do melhor que há. E portanto, grande parte - até é pouco estimulante para investigar e estudar - as toxinfecções alimentares, invariavelmente, são bacalhau à Braz e salmonelas".

É claro que Graça Freitas pelo meio fala em pic-nics, mas o que está a dizer é cristalino: naqueles grandes convívios, excursões e etc., não está propriamente a falar de pic-nics familiares e afins, note-se, por exemplo, que refere explicitamente o facto do dito bacalhau à Braz ser aquecido antes de servido, o que manifestamente não corresponde ao que chamamos pic-nics normalmente.

Ou seja, o destaque dado pela imprensa aos pic-nics é da responsabildiade da imprensa, não de Graça Freitas.

Já o resto da conversa, a apresentação de um plano "Juntos por um Verão seguro 2022" ser apresentado pela Directora Geral de Saúde, da forma como é feito, e com as características que tem, isso sim, é da sua responsabilidade.

A forma como a DGS nos trata a todos como se fôssemos todos tontos, a conversa infantil que inclui piadas e descrições sobre o bacalhau à Braz, em que se misturam pic-nics, grandes excursões e falta de interesse para os investigadores - senhora directora-geral, a sua Direcção Geral existe para resolver problemas das pessoas comuns, não para estimular investigadores e estudiosos - ao mesmo tempo que se omitem dados concretos (por que razão não diz taxativamente que x% das infecções toxico-alimentares correspondem a este tipo de situações, y% a outra coisa, z% a uma terceira?) é exactamente o modelo de comunicação que sempre foi usado durante a epidemia de Covid.

Muita opinião, muito argumento de autoridade, um tom muito maternal - confesso que me incomoda muito mais o tom untuoso com que se refere ao seu Secretário de Estado, ou até ao nosso Secretário de Estado, que esse seu tom maternal - para os meninos se portarem bem.

Informação concreta sobre os assuntos, dados e, sobretudo, sabendo que o uso de ovos mal cozinhados é um problema de primeira grandeza, que tipo de acções preventivas e fiscalizadoras a sua Direcção Geral vai fazer, isso é que já é mais difícil, não é?

E, já agora, para que raio é preciso um programa pomposo para este Verão, apresentado pela Senhora Directora Geral?

Isto não é a actividade normal da sua Direcção Geral? As acções específicas para o Verão não são actividade normal que um subordinado seu consegue desenhar, executar, acompanhar e comunicar, sem grande espalhafato, incluindo um balanço de acções específicas depois do Verão, com lições aprendidas para o ano seguinte e para a actividade futura da sua Direcção Geral?

Ou continua convencida de que o papel da sua Direcção Geral é levar as pessoas a ter os comportamentos que a sua Direcção Geral entende que são os ideais, em vez de se focar nos comportamentos da sua direcção geral para atingir os objectivos definidos com bases sólidas?

Claro que ter campanhas para que as pessos lavem as mãos, ou evitem ter ovos mal cozinhados ao calor demasiado tempo, até cabem na missão da sua Direcção Geral, mas não deixam de ser meras acções de suporte de estratégias claras, bem fundamentadas, para a defesa da saúde geral da população, em que o essencial continua a ser ter um sistema de saúde funcional em qualquer parte do país, estejam ou não as pessoas na sua área de residência, acções de fiscalização dos agentes económicos onde existe maior risco de saúde pública, como nos prestadores de serviços que servem bacalhau à Braz mal manuseado, e outras coisas que tais.

E deixe-se de piadas e conselhos maternais sobre o que os outros fazem, que isso não nos leva a lado nenhum, pessoalmente não tenho interesse nenhum em saber quanta água carrega na sua carteira para que eu passe a andar também com garrafas de água atrás, como lhe parece a si que seria a minha obrigação.

Faça o que tem a fazer como Directora Geral de Saúde e deixe lá o que faz a senhora Graça Freitas, que isso não é matéria de interesse público.



10 comentários

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 25.06.2022 às 09:28

Se a dra. Graça Freitas trata os portugueses como débeis mentais e estes lho consentem, então é porque serão talvez ...débeis mentais.
Se os portugueses dão uma maioria absoluta aos socialistas que destruiram o sns, então é porque são mesmo...débeis mentais.
Se os portugueses não foram capazes de enxergar que foi necessário chamar um homem das Forças Armadas porque o governo não teve competência para pôr de pé um plano de vacinação eficaz (e bem tentou mas foi o que se viu!) então é porque os portugueses (os que deram a maioria a este governo), são indiscutivelmente ... débeis mentais.
(Estamos no bom caminho!)
Obrigado, HPS, por nos lembrar que a nossa "maternal" dra. Freitas nos considera uns infantis ou... uns mente captus
A dra.Graça que se foque exclusivamente nos assuntos da competência da "sua" DGS e nas horas vagas que se dedique às orquídeas. É que ao contrário do que lhe deve ter soprado ao ouvido o governo, nem todos os portugueses são... débeis mentais. Além disso conhecemos as 100 maneiras de cozinhar bacalhau. E bem!!!
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 25.06.2022 às 09:39

HPS, mal vai a coisa, se até o Expresso já anda a malhar no governo do A.Costa! 
Já leu o artigo demolidor do M. Sousa Tavares?
(também se pode ler, transcrito na íntegra, aqui no portadaloja):


https://portadaloja.blogspot.com/2022/06/o-expresso-malhar-como-se-fora-em.html
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 25.06.2022 às 10:55

O problema de Portugal é que se tornou um país de poltrões. Se não fossem tão frouxos, medrosos e covardes, os portugueses há muito teriam corrido com esta corja de parasitas que governa e se habituou (e nos habituou) a nada produzir e a viver exclusivamente de rapar os fundos da panela europeia e das ajudas  para o ceguinho. Gente que nada produz, de facto, mas produz estes satélites, umas verdadeiras (des)graças.
  
Imagem de perfil

De Sofia a 25.06.2022 às 13:51

Quando pensamos que já não nos podem surpreender, sai um bacalhau à braz!
Sem imagem de perfil

De The Mole a 28.06.2022 às 11:10

... ainda por cima, apenas morno! Nem sequer o servem quentinho!
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 25.06.2022 às 16:54

Portugal está assim, sob o domínio de um pequeno grupo de pessoas que influenciam na sombra, controlam nos bastidores, cirandam pelos corredores de certas organizações, bem colocadas a mexer cordelinhos e enfim, fazem parte de um "círculo restrito" que manda no país. 
O problema é como chegaram lá! E não, não foi pela sua competência.
Sem imagem de perfil

De pitosga a 01.07.2022 às 11:58

Pessoas que foram colegas (da gregório) na faculdade de medicina afirmam que já nessa "tenra idade" era tida por asinina.
Sem imagem de perfil

De balio a 25.06.2022 às 21:04

Durante a epidemia a Direção Geral da Saúde teria feito bem em ter contratado um assessor de comunicação, um porta-voz. Uma pessoa especializada em relações públicas.
Atualmente, continua a fazer falta.
Sem imagem de perfil

De Carlos Sousa a 25.06.2022 às 22:20

Só gostava de saber onde é que param agora os profetas da desgraça, ditos especialistas, que previam o apocalipse com o fim das restrições?
Onde é que estão os matemáticos que diziam que íamos ter 350000 infecções diárias?
Fiz a pergunta na altura, torno a fazê-la agora, a quem é que interessou, e interessa, continuar com este alarmismo social?
Sem imagem de perfil

De Jorge a 26.06.2022 às 10:37

O grau zero da politica acontece quando politicos populistas tomam o poder com a missão de doutrinar o povo através da mentira e propaganda  . Em Moçambique pós independência,  Samora Machel passava horas em comícios radiofónicos a educar o povo . O povo queixava se da falta de manteiga. Samoro exasperava se . Não há razão para tanta queixa. Por acaso há pão.  Se não há pão,  também não é preciso manteiga. Em Portugal estamos a chegar ao mesmo nivel. Fiquem em casa, não fiquem doentes , não venham ao hospital , não sobrecarreguem aquele que é  o melhor SNS , a culpa é dos feriados e do verão.  O verão é um altura má para ficar doente. Enfim, o terceiro mundo está a instalar se em Portugal. 

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anonimo

    A da equerda é o Portugal dos meus sonhos, a direi...

  • José

    O Observador não anda distraído: contratou jornali...

  • pitosga

    Foi sempre mau escrever "a metro".A CEP, creio eu,...

  • Maria Neves

    Olá.Obrigada pela partilha.Boa semanaMaria

  • Anónimo

    Nem mais, Zazie! Esses hipócritas mostram-se muito...


Links

Muito nossos

  •  
  • Outros blogs

  •  
  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2022
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2021
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2020
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2019
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2018
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2017
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2016
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2015
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2014
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2013
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2012
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2011
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2010
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2009
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2008
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D
    196. 2007
    197. J
    198. F
    199. M
    200. A
    201. M
    202. J
    203. J
    204. A
    205. S
    206. O
    207. N
    208. D
    209. 2006
    210. J
    211. F
    212. M
    213. A
    214. M
    215. J
    216. J
    217. A
    218. S
    219. O
    220. N
    221. D