Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




O Príncipe, o Estado Novo e a epidemia

por henrique pereira dos santos, em 25.06.21

Ontem foi a vez de Irene Pimentel fazer a defesa do regime no Público, procurando evitar que se discutam seriamente as razões da convergência com os países desenvolvidos entre meados dos anos 50 e meados dos anos setenta, durante a ditadura, e a estagnação dos últimos vinte anos, durante a democracia.

Irene Pimentel avisa logo que jamais deixará que os factos influenciem as suas ideias "não me proponho rebater uma argumentação baseada na sacralização dos números".

E depois entretém-se na demonstração do que acabei de escrever.

"Qualquer historiador sabe que não é "fazer história" abordar apenas aspectos económicos, sem os interpretar, contextualizar e comparar ... E na ditadura portuguesa, têm de ser referidos, pelo menos, os aspectos repressivos (censura, PIDE), a ausência de Estado social, a emigração, os salários de fome, a miséria e a guerra colonial.

...

para caracterizar qualquer regime do passado, é benéfico utilizar a comparação histórica. Mas é melhor, por exemplo, comparar dados económicos no longo período ditatorial com outros países da Europa no mesmo período."

Sendo a origem da discussão exactamente o facto de Nuno Palma dizer que a vulgata historiográfica que é passada à sociedade, nomeadamente nos livros escolares, não faz essas comparações de forma correcta, usando Nuno Palma a solidamente estabelecida convergência económica que referi acima e a evolução no ensino, como exemplos de como a ideologia se tem sobreposto ao conhecimento na análise da evolução do país, seria de esperar que Irene Pimentel, depois de se colocar no mesmo plano metodológico, explicasse os erros de Nuno Palma na caracterização da evolução de Portugal quando comparada com o resto do mundo.

"Para só falar da mortalidade infantil, compará-los entre os anos 30 e 70 do século XX, em Portugal pouco traz ... a não ser que obviamente diminuiu em 42 anos. Em 1930, 143,6 bebés até um ano por cada mil morriam em Portugal, ..., e 55,5 por mil em 1970. Ora, neste último ano, a média da mortalidade infantil da UE (a 27) era menos de metade do que em Portugal: 25 por mil".

Certo, Irene, mas e qual era o ponto de partida em 1930 da UE a 27, para que nós, pobres ignaros, possamos saber se convergimos ou divergimos ou, para usar as suas palavras, não seria "melhor, por exemplo, comparar dados económicos no longo período ditatorial com outros países da Europa no mesmo período"?

"Compare-se também os valores da mobilidade social, da redistribuição da riqueza, do analfabetismo, da emigração".

Cara Irene, mas é exactamente essa comparação que tem sido feita pela historiografia que Nuno Palma refere como sendo deturpada no discurso social sobre o Estado Novo, incluindo nos programas escolares, comparação que Irene Pimentel não pode deixar de conhecer e que omite totalmente, tornando o seu artigo numa comédia de enganos.

E é neste ponto que a minha cabeça fez a ponte para a invocação da ciência a propósito da epidemia.

Deixemos de lado a palavra ciência, e usemos academia, a elite que investiga e pensa de forma institucionalmente estabelecida, para evitar a discussão sobre o carácter científico ou não das ciências sociais.

O que a polémica sobre a intervenção de Nuno Palma demonstra é que a academia instalada é tão permeável ao viés ideológico como qualquer outro grupo social, na enésima demonstração desta citação de Max Planck que uso frequentemente e de que tomei conhecimento, via Carlos da Câmara, a propósito de fogos: “A new scientific truth does not triumph by convincing its opponents and making them see the light, but rather because its opponents eventually die, and a new generation grows up that is familiar with it.”

Como me parece claro - embora o óbvio seja uma coisa muito subjectiva - as medidas de gestão da epidemia, e mesmo a interpretação das variações de incidência da epidemia, dificilmente mudarão nos próximos tempos, não por estarem certas ou erradas - um ano e meio depois do seu início não existe uma única demonstração científica sólida, baseada em dados reais, que consiga estabelecer uma correspondência sólida entre medidas não farmacêuticas e taxas de incidência da covid - mas simplesmente porque quer os investigadores mais expostos publicamente, quer o poder instituído, não podem simplesmente reconhecer, agora, que realmente não controlam epidemia nenhuma e as incidências que se vão verificando, se influenciadas pelas horas a que se vendem bebidas alcoólicas ou se fecham restaurantes, são-no marginalmente, não são um factor essencial de evolução da incidência da epidemia.

As consequências disto para a forma como o poder vai gerindo politicamente este assunto compreende-se melhor a partir do Príncipe, de Maquiavel, um arguto analista da natureza do poder, embora, claro, seja sempre difícil compreender o chorrilho de disparates regulamentares de compressão das liberdades públicas que estão a ocorrer, porque não é possível compreender as decisões num manicómio em auto-gestão.

Quando se argumenta que o facto de todos os países em todo o mundo terem adoptado o mesmo tipo de medidas é uma demonstração de que com certeza essas opções serão as mais razoáveis, argumenta-se com base na falácia  de que as medidas, por serem todas não farmacêuticas, são semelhantes, o que está longe de ser verdade.

No entanto, a verdadeira objecção a este argumento é que o que faz todos os governos convergirem para o mesmo tipo de medidas é a natureza do poder, não é o consenso sobre a epidemia, que simplesmente não existe.

Por isso é que Maquiavel é útil para compreender o que se está a passar.

O poder sabe que uma epidemia é essencialmente um processo social guiado pelo medo, portanto é a gestão do medo que é relevante politicamente - os aspectos de saúde associados à epidemia acabam por ser marginais, no processo social, pela simples razão de que são largamente não controláveis sem medidas farmacêuticas eficazes, tratamentos e vacinas, sobretudo.

"cada príncipe deve desejar ser tido como piedoso e não como cruel", diz Maquiavel e é esta ideia que é o centro das opções: cada governo foge como o Diabo da cruz de ser acusado de ser cruel e não ligar ao valor da vida humana, fazendo tudo o que estiver ao seu alcance para se mostrar piedoso.

Todos os governos fazem a pergunta mais conhecida de Maquiavel e conhecem a resposta à pergunta: "se é melhor ser amado que temido ou o contrário. A resposta é de que seria necessário ser uma coisa e outra; mas, como é difícil reuni-las, em tendo que faltar uma das duas é muito mais seguro ser temido do que amado", o que naturalmente implica, em caso de dúvida, que os governos prefiram estabelecer confinamentos, por impopulares que sejam, evitando o risco da evolução da epidemia os colocar na posição de ter de responder à acusação de falta de sensibilidade social perante o número crescente de mortos que venha a ocorrer.

A questão central é que mesmo que os confinamentos sejam ineficazes, e as mortes venham a ocorrer, como abundantemente aconteceu neste ano e meio e aconteceria sempre em qualquer epidemia com estas características, é possível responsabilizar terceiros pelo incumprimento das regras, mas não há forma de escapar politicamente à responsabilização política quando não foram tomadas medidas que a imprensa considere necessárias.

"Isso porque dos homens pode-se dizer, geralmente, que são ingratos, volúveis, simuladores, tementes do perigo, ambiciosos de ganho; e, enquanto lhes fizeres bem, são todos teus, oferecem-te o próprio sangue, os bens, a vida, os filhos, desde que, como se disse acima, a necessidade esteja longe de ti; quando esta se avizinha, porém, revoltam-se".

Ou, de forma mais clara:

"que o príncipe pense (como acima se disse em parte) em fugir àquelas circunstâncias que possam torná-lo odioso e desprezível; sempre que assim proceder, terá cumprido o que lhe compete e não encontrará perigo algum nos outros defeitos".

Em verdade, em verdade vos digo, todas estas medidas e contra-medidas que se vão tomando por estes dias para controlar uma doença que não está a provocar nenhuma pressão relevante sobre a prestação de cuidados de saúde, nem nenhum aumento expressivo de mortalidade, não têm qualquer relação com a ciência, com a saúde ou  com a razoabilidade, decorrem apenas da natureza do poder e do medo instalado na sociedade, que a torna receptiva à compressão das liberdades públicas ao ponto de permitir que o Estado defina como se organizam reuniões familiares, produzindo mesmo certificados que me permitam estar com os meus filhos e netos todos juntos sem que o aparelho repressivo do Estado se possa abater sobre mim.

Tal como a polémica sobre as questões levantadas por Nuno Palma não tem nenhuma relevância académica - todos estão de acordo com os factos que enunciou - prende-se apenas com o controlo político da memória colectiva, que tem estado nas mãos dos donos do regime como instrumento que lhes permite fugir à discussão sobre a sua responsabilidade no Estado a que chegámos.



18 comentários

Sem imagem de perfil

De balio a 25.06.2021 às 11:05


evitar que se discutam seriamente as razões da convergência com os países desenvolvidos entre meados dos anos 50 e meados dos anos setenta, durante a ditadura, e a estagnação dos últimos vinte anos, durante a democracia



Cá está o Henrique a atirar-nos areia para os olhos.


A ditadura durou 48 anos. Desses 48 anos, o Henrique escolhe uns escassos 16 (entre 1958 e 1974, grosso modo) em que houve convergência. Negligencia todo o resto do tempo da ditadura, em que não houve convergência.


A democracia também dura há 48 anos. Desses 48 anos, o Henrique escolhe os últimos vinte, em que não houve convergência, neglicenciando os restantes, na qual (em alguns anos) houve.
Imagem de perfil

De henrique pereira dos santos a 25.06.2021 às 11:44

Luis, vai chamar desonesto a outro.
O que me interessa é discutir as razões para ter havido convergência numas alturas e não noutras, não é discutir regimes.
Logo, escolher períodos com convergência e estagnação para os comparar não é areia para os olhos, é uma opção consciente de quem quer perceber o que torna esses períodos diferentes entre si.
Sem imagem de perfil

De balio a 25.06.2021 às 11:58


O que me interessa [...] não é discutir regimes


a convergência com os países desenvolvidos entre meados dos anos 50 e meados dos anos setenta, durante a ditadura, e a estagnação dos últimos vinte anos, durante a democracia



Se ao Henrique não interessa discutir regimes (primeira frase), então questiono porque é que na segunda frase designou explicitamente os regimes.


Se o Henrique quer perceber porque é que em certos períodos houve convergência, isso é razoavelmente fácil de explicar:


(1) Houver convergência entre 1940 e 1945, não porque Portugal estivesse em ditadura, mas sim porque estava em paz e podia exportar para ambos os lados, enquanto que o resto da Europa estava a ser destruída pela guerra e, portanto, a ficar para trás.


(2) Houve convergência entre 1960 e 1973 porque a Europa se abriu ao comércio externo (EFTA), o que permitiu a Portugal aproveitar-se da sua mão de obra barata, e porque Portugal explorou efetivamente as colónias, que até então estavam desaproveitadas.


(3) Houve convergência entre 1985 e 1995 por causa do comércio externo mais aberto (CEE) e por causa dos fundos comunitários.


Todas estas razões têm deveras pouco a ver com o regime político, tal como, aliás, um liberal (como eu) esperaria.




Sem imagem de perfil

De lucklucky a 26.06.2021 às 01:05

Estranhamente o Balio 
- não considera a herança do regime anterior que cada regime recebeu.
- a ajuda externa que cada regime recebeu.
- a Divida Política(não lhe chamo Publica)  que proporcionou crescimento artificial neste Regime Socialista.
-abertura não só da Europa ma do mercados mundiais


Será poeira para o olhos?



 A I Republica entregou um país devastado à Ditadura. A Ditadura entregou um país com finanças sãs - apesar da guerra colonial.



Este Regime Socialista teve todas as vantagens.



Ironicamente temos ainda destruição de "grupos económicos"  em violação do direitos humanos feita pelo Regime Socialista a contribuir para o marasmo.
Sem imagem de perfil

De balio a 25.06.2021 às 11:09


a vulgata historiográfica que é passada à sociedade, nomeadamente nos livros escolares


Eu questiono se o Henrique terá alguma noção abrangente do que dizem os livros escolares. É que, há dezenas de livros escolares, cada autor escreve o seu, cada escola escolhe o seu. Há em Portugal liberdade (há quem diga que excessiva) de escrita e de escolha de manuais escolares. (Ao contrário daquilo que acontecia em ditadura, pois, em que havia de facto uma vulgata historiográfica única nos manuais escolares únicos.) Eu não os li, mas suspeito que diferentes manuais dirão diferentes coisas. E suspeito que todos eles dizem coisas a mais, que a maior parte dos alunos mal chega a apre(e)nder. Nem eles, nem os pais, nem os avós (como o Henrique).
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 25.06.2021 às 11:42

bolas, ao menos cite a página inteira da Wikipédia

https://en.wikipedia.org/wiki/Planck%27s_principle

Imagem de perfil

De henrique pereira dos santos a 25.06.2021 às 11:46

Outro parvo: se o que eu conheço é a citação, se digo como cheguei à citação, se não conhecia essa página da wikipedia, qual é a sua questão?
Devia conhecer?
Sim, provavelmente deveria ser mais culto, mas quem dá o que tem, a mais não é obrigado.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 25.06.2021 às 15:34


Estamos a falar de um projeto que merece mais respeito. Refiro-me à Wikipédia, evidentemente. 


Nada como ouvir música para relaxar.


https://www.youtube.com/watch?v=4WTl8fFjo8c
Sem imagem de perfil

De pitosga a 25.06.2021 às 11:56


«««
To those who do believe no explanation is necessary.
To those who do not believe no explanation is possible.
»»»


Abraço de estima
Sem imagem de perfil

De pitosga a 25.06.2021 às 12:15

Niccolò Machiavelli:

1. O melhor método para estimar a inteligência de um chefe é ver de que homens ele se rodeia.

2. É melhor actuar e arrepender-se do que não actuar e lamentar.

3. A multidão vulgar é sempre conduzida pelas aparências e o mundo consiste sobretudo de vulgares.

Abraço

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 25.06.2021 às 12:21

Não fora o Estado Novo ter trabalhado como trabalhou, melhorando todo o tecido social de Portugal e as pimentéis, os rosas, os pachecos e quejandos, seriam hoje não mais que uns indigentes e uns broncos de que ainda têm resquícios.
Criticar é fácil. Mas FAZER, é bem mais difícil.
Os homens na sua vida social classificam-se apenas em três tipos: 


- Os que constroem.
- Os que destroem, e
- Os que não constroem nem destroem - (são os parasitas).


Não é com gente da casta das pimentéis, dos rosas e dos pachecos, que se constrói um uma sociedade de progresso, de bem-estar e culta.
Eles só sabem dizer mal daquilo que os outros fizeram mas eles o que é que têm feito de positivo para engrandecer Portugal no seu conjunto?
Raspas! 
Parlapatões.
Sem imagem de perfil

De JPT a 25.06.2021 às 12:41

A Prof.ª Pimentel, mesmo com Flunser no nome, é bem portuguesa, pois, para lá da arte de, em vez de responder, desconversar e mandar "ir estudar", há lá coisa mais "nossa" do que se aproveitar um artigo de opinião num jornal "de referência" para sugerir uma visita à exposição da namorada? (ou cônjuge, não sei). Ditosa pátria que tais filhos tem!
Sem imagem de perfil

De balio a 25.06.2021 às 16:53


A Prof.ª Pimentel, mesmo com Flunser no nome


Esse nome, e os temas que Pimentel investiga, sugerem-me que ela deva ser filha de uma judia alemã refugiada em Portugal durante o nazismo.


Mas não sei se isto é um facto. Alguém sabe?
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 25.06.2021 às 13:43

Ahah!!!!  e esqueceu-se de dizer que eu aproveitei o texto para auto-publicidade: escrevo um texto no catálogo da exposição "Herança", no MNAC, que aconselho aliás à leitura. Que grande oportunista que eu sou!!!!
Sem imagem de perfil

De JPT a 25.06.2021 às 15:00

Muito bem. Não sabia. Parabéns! De facto, só mesmo sacristas vaidosos com excessiva noção da sua honorabilidade (o conceito tresanda a "antigo regime") é que se coíbem de usar artigos de opinião para promover os seus livros e os da família (ou os da editora, como faz, mas com piada, o Araújo Pereira), de contratar e adjudicar serviços a primos, cunhados e pessoas que dizem bem de nós, e de dar a vacina à filha da amiga. No fundo, é fazer o bem, pois, já que não podemos ajudar cada um dos 7 mil e tal milhões de seres humanos, ao menos ajudemo-nos a nós e aos nossos! É a nossa História e tem corrido lindamente! PS: já agora, podia explicar ao "Bailio", que não é historiador, que entre 1929 (quando o "Botas" acabou de limpar as contas da Monarquia e da República) e a II Guerra Mundial, houve a Grande Depressão (e não, não aprecio os outros aspectos da ditadura, tal como o facto de admirar o programa espacial soviético não faz de mim estalinista).
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 25.06.2021 às 17:14

ontem na tvi24 apareceu o economista duarte cordeiro a exibir a arte de bem cavalgar toda a sela.
'mim não ter esperto nos cabeça'

Comentar post


Pág. 1/2



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    (cont.)"havia rumores de fuzilamentos sumários; um...

  • Anónimo

    (cont.)Ainda assim, nos primeiros momentos a eufor...

  • Anónimo

    (cont.)Do lado de cá, em Portugal, sabemos como fo...

  • Miguel Neto

    Resta saber em que grau a entrada de migrantes na ...

  • lucklucky

    O pior é que o Fernando Rosa deve saber. Mas o dis...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2020
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2019
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2018
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2017
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2016
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2015
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2014
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2013
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2012
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2011
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2010
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2009
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2008
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2007
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D
    196. 2006
    197. J
    198. F
    199. M
    200. A
    201. M
    202. J
    203. J
    204. A
    205. S
    206. O
    207. N
    208. D