Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




O pior cego

por henrique pereira dos santos, em 30.01.24

Miguel Santos Carrapatoso, "poveiro por direito e convicção" é um jornalista de política (editor adjunto de política no Observador) que aplica ao jornalismo a mesma opção que aplica à descrição de si próprio: em vez de dizer que é poveiro porque nasceu na Póvoa, diz que é poveiro por direito e convicção.

Hoje tem um artigo de opinião no Observador que ilustra bem a forma como funciona a sua cabeça, o que se reflecte na cobertura jornalística que faz e influencia.

A tese base do artigo é mais ou menos a de que não são todos iguais, mas parecem porque não demonstram ser diferentes "PS e PSD bem se podem queixar das cabalas e de todas as conspirações do mundo. Bem podem lamentar e denunciar quem aproveita estes casos para dizer que os políticos são todos iguais. Não são. Mas se PS e PSD não fizerem nada, nem mesmo depois disto, já ninguém vai acreditar no que dizem".

Como não dei por ninguém no PSD a falar de cabalas a propósito da Madeira (não digo que não exista, evidentemente, estou a dizer que não dei por isso) mas tenho dado pelo PS, desde os mais exóticos aos mais responsáveis, a falar de cabalas sempre que há alguma questão com o PS, incluindo no formalismo da tribuna do congresso partidário, fiquei com curiosidade sobre o fundamento que leva Miguel Santos Carrapatoso, poveiro por direito e convicção, à sua tese.

"Preferem sempre a tese da cabala. O alvo é laranja? O PS exige consequências políticas, o PSD queixa-se de perseguição. O alvo é rosa? O PSD exige consequências políticas, o PS queixa-se de perseguição. António Costa disse-o, com todas as letras. “Podem-me ter derrubado, mas não me derrotaram.” Quem o derrubou? Vítor Escária, o homem que escolheu para chefe de gabinete e que guardou 75 mil euros em dinheiro vivo na residência oficial do primeiro-ministro? Não, provavelmente foi o Ministério Público, a direita ou o Presidente da República.

Luís Montenegro, justiça lhe seja feita, ainda não deu esse passo para justificar o que aconteceu na Madeira. Mas qualquer destacado dirigente social-democrata com quem se fale por estes dias acredita piamente que o que está acontecer com Miguel Albuquerque obedece a uma lógica de compensação pelo que aconteceu no continente. Olho por olho, dente por dente, ora cai o PS, ora cai o PSD, como se fosse uma regra não escrita com que todos têm de aprender a jogar".

Resumindo a fundamentação, afinal o PS e o PSD portam-se publicamente de maneira diferente, mas o jornalista sabe, falando com pessoas que não identifica, que nos bastidores é tudo a mesma coisa.

Que retrato magnífico.

Não dos partidos, evidentemente, mas do jornalismo.

Ressalve-se, no entanto, que eu sei que os jornalistas não são todos iguais e o jornalismo não é todo igual, estou apenas a dizer que o retrato que este jornalista em concreto faz de um jornalismo que embora reconheça que os factos verificáveis são uma coisa, sabe, a partir de fontes anónimas, que a realidade é outra coisa.

É um retrato bem lúcido de grande parte do jornalismo político em Portugal.


17 comentários

Sem imagem de perfil

De JPT a 30.01.2024 às 10:18

O problema do artigo, e do "jornalismo político" aqui do burgo, é o "tom Anabela Neves", ou seja, um discurso pomposo, condescendente e sarcástico em que o jornalista assume que é a única pessoa séria e inteligente na sala e que os políticos que "analisa" são todos umas crianças estúpidas e corruptas (Dâmaso Salcede em modo David Attenborough a falar dos babuínos). Admito, até, que eles terem esse "tom" é uma condição para terem emprego. Quanto à substância, não duvido que as pessoas do PSD, apesar de terem o bom senso de não o dizerem publicamente, achem que o Director Nacional da PJ é um homem-de-mão do PS (e não só as pessoas do PSD, veja-se a insólita exclusão da PJ das diligências da "Operação Influencer"), e, por tal, que o timing da excursão da PJ à Madeira foi a contrapartida do espectacular donativo que o PS - perdão o Governo - deu à PJ (e só à PJ), sob a forma de "subsídio de missão", com um ano de retroactivos.
Imagem de perfil

De henrique pereira dos santos a 30.01.2024 às 11:14

Até pode ser exactamente assim, mas não é irrelevante que se assuma isso como linha de combate político, como faz o PS, ou não, como faz o PSD.
Sem imagem de perfil

De JPT a 30.01.2024 às 17:50

Correcto.
Sem imagem de perfil

De cela.e.sela a 30.01.2024 às 10:27

jornalistas, repórteres, comentadores são, com raras excepções,:
LIXO HUMANO
Imagem de perfil

De Ricardo A a 30.01.2024 às 14:07

Quais comentadores? É que aqui (e na net em geral) também somos todos comentadores. 
Refere-se aos comentadores/ opinadores dos média regimentais ?
Sem imagem de perfil

De Anonimo a 30.01.2024 às 15:21

Os que têm opinião oposta à minha. São burros, avençados, ou ambos. Assim diz a Palavra do Woke.
Sem imagem de perfil

De cela.e.sela a 31.01.2024 às 10:29

por má fé pensam que sou ignorante e estúpido.
deturpam factos a que assisti
querem que viva na CELA social fascista para nas horas de recreio me colocarem a SELA.
Sem imagem de perfil

De Anonimo a 30.01.2024 às 12:05

Sendo um artigo de opinião, dá a sua opinião. Não é "jornalismo", pois não quer transmitir a verdade dos factos.
Imagem de perfil

De henrique pereira dos santos a 30.01.2024 às 12:14

E é uma opinião muito lúcida sobre o jornalismo político
Sem imagem de perfil

De Anonimo a 30.01.2024 às 15:20

O Carrapatoso? Não sei  se é lúcida ou não, é a dele. A suposição / insinuação que faz, uns concordarão, outros não. Não está certo ou errado.
Sem imagem de perfil

De lucklucky a 30.01.2024 às 19:11

Está a afirmar que não existem opiniões erradas?
Sem imagem de perfil

De Anonimus a 31.01.2024 às 06:19

Só as dos que discordam de mim
Sem imagem de perfil

De Terry Malloy a 30.01.2024 às 19:55


Não faz suposição, nem insinuação. Afirma que ambos os partidos se "queixa[m] das cabalas e de todas as conspirações do mundo" e que "preferem sempre a tese da cabala".


Pelo que quer mesmo "transmitir a verdade dos factos" e como reconhece que está a mentir, tem que acabar por dizer que afinal uns não se queixam nada nem de cabalas, nem de conspirações, mas que qualquer um com quem se fale por estes dias...



Enfim.


O Houllebecq escrevia "os jornais de centro-esquerda, ou seja, na verdade todos os jornais".
Sem imagem de perfil

De Anonimus a 31.01.2024 às 06:22

Mas qualquer destacado dirigente social-democrata com quem se fale por estes dias acredita piamente que o que está acontecer com Miguel Albuquerque obedece a uma lógica de compensação 


É  uma suposição. Que ele cre ser real. Ê falsa? Não sei, não falei com destacados dirigentes 
Sem imagem de perfil

De cela.e.sela a 31.01.2024 às 10:32

estão a prender os SUPERDRAGÕES
Sem imagem de perfil

De Elvimonte a 30.01.2024 às 23:17

"... embora reconheça que os factos verificáveis são uma coisa, sabe, a partir de fontes anónimas, que a realidade é outra coisa." (HPS)


Será que já se questionou se não faz exactamente o mesmo, ou algo similar? Por exemplo aqui, neste seu post de há uns dias atrás (https://corta-fitas.blogs.sapo.pt/12-8155960), escreve no primeiro parágrafo: "... a não decisão do tribunal internacional sobre a queixa de genocídio".


Ora os factos verificáveis (vd. https://icj-cij.org/sites/default/files/case-related/192/192-20240126-ord-01-00-en.pdf) eram e são estes:
a) o TIJ não deu provimento às pretensões de Israel, e cito o parágrafo 12. da Ordem do TIJ cujo link figura acima:
«12. At the end of its oral observations, Israel requested the Court to
“(1) [r]eject the request for the indication of provisional measures submitted by South Africa; and
(2) [r]emove the case from the General List”»;

b) o TIJ impôs medidas cautelares a Israel, satisfazendo o pedido da RAS (vd. parágrafo 86. e seguintes).


Não sei se as suas fontes eram anónimas ou outras, mas a "sua realidade", consubstanciada na expressão "não decisão",  era diametralmente oposta aos factos verificáveis. Será que também reconhecia que os factos verificáveis eram uma coisa e a "sua realidade" era uma coisa diferente?



Sem imagem de perfil

De Anonimus a 31.01.2024 às 10:45

A minha verdade.
Entrada no dicionário Oxford, via Wokeville

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com



Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • cela.e.sela

    a esquerda reacionária continua no:«bem, não é bem...

  • cela.e.sela

    D. Sebastião não quis regressar

  • Manuel da Rocha

    E a AD que fez desaparecer 70000 milhões de euros,...

  • Beirão

    A maltosa da bolha mediática não tem emenda nem ve...

  • Anónimo

    Não me lembro de ter ouvido ninguém, tirando os ex...


Links

Muito nossos

  •  
  • Outros blogs

  •  
  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2024
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2023
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2022
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2021
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2020
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2019
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2018
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2017
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2016
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2015
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2014
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2013
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2012
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2011
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2010
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D
    196. 2009
    197. J
    198. F
    199. M
    200. A
    201. M
    202. J
    203. J
    204. A
    205. S
    206. O
    207. N
    208. D
    209. 2008
    210. J
    211. F
    212. M
    213. A
    214. M
    215. J
    216. J
    217. A
    218. S
    219. O
    220. N
    221. D
    222. 2007
    223. J
    224. F
    225. M
    226. A
    227. M
    228. J
    229. J
    230. A
    231. S
    232. O
    233. N
    234. D
    235. 2006
    236. J
    237. F
    238. M
    239. A
    240. M
    241. J
    242. J
    243. A
    244. S
    245. O
    246. N
    247. D