Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




O pinhal de Leiria e outros

por henrique pereira dos santos, em 25.10.17

As áreas ardidas são também oportunidades de gestão.

Na Montis, associação de que sou presidente, usamos mesmo o fogo controlado para abrir oportunidades de gestão em terrenos de penetração difícil e em que a desestruturação foi tão longe que é difícil ter uma actuação consistente com recursos escassos.

O pinhal de Leiria é uma boa base para uma discussão interessante sobre o destino a dar aos territórios que arderam, mesmo sabendo que, na maioria, são privados e a vontade dos seus donos conta. Mas muitos desses donos estão perfeitamente disponíveis para integrar opções de gestão que, não tendo custos para os donos, também não tenham grande proveito privado e possam contribuir para proveitos colectivos.

O fogo deste ano nos pinhais litorais do Centro, maioritariamente geridos pelo Estado, embora invulgar, está longe de ter sido o único fogo que afectou estas áreas.

Até hoje, e desde que nos primórdios da silvicultura portuguesa se decidiu gerir estes pinhais no estrito cumprimento das regras clássicas da silvicultura germânica que estão na base da nossa escola de silvicultura, a opção tem sido reconstruir a situação anterior, com muito poucas alterações.

O mesmo, aliás, se passa com o resto das áreas ardidas do país, a ideia geral e imediata é reproduzir o que existia antes do fogo, embora com alguma evolução decorrente de tendências sociais e económicas gerais (por exemplo, o abandono rural ou as variações de preço relativo das diferentes madeiras) ou das características ecológicas das espécies (o pinheiro dá-se mal com o actual padrão de fogo, o eucalipto e os carvalhos dão-se razoavelmente bem).

No caso do pinhal de Leiria, sendo o Estado o dono, são menos prementes as questões de rentabilidade da exploração, e são menos preocupantes as questões ecológicas que fizeram o pinheiro passar de um milhão e duzentos mil hectares para os actuais setecentos mil, mais coisa menos coisa, visto que o banco de sementes nos pinhais litorais deve estar de boa saúde, porque os intervalos dos fogos são bastante grandes.

Vale por isso a pena equacionar a possibilidade de fazer uma opção diferente de gestão, diminuindo o peso da ortodoxia de gestão da escola alemã, e fazendo aumentar o peso de uma gestão mais orientada para a biodiversidade e os valores naturais, procurando valorizar mais a regeneração natural, os habitats dunares, a flora específica e o uso público.

Esta opção não implica transformar os pinhais numa coisa diferente do que eram antes do fogo, do dia para a noite, implica sim uma maior atenção à biodiversidade, e uma menor centralidade da gestão produtiva do pinheiro.

E nas outras áreas ardidas é tempo, também, de trazer a biodiversidade, os valores naturais, a recuperação do fundo dos vales para o centro da discussão, evitando as estéreis discussões das claques de cada espécie, definindo com clareza modelos de gestão do território que adoptem o caminho da suavidade.

Autoria e outros dados (tags, etc)



7 comentários

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 26.10.2017 às 12:48

Eu não entendo porque é que no pinhal de Leiria não plantam um misto de pinheiros mansos e sobreiros, exatamente como os há na península de Setúbal. Trata-se de árvores que dão um monte de dinheiro, uma vez que o pinhão está em preços estratosféricos e a cortiça também é bem valiosa. E são árvores mais adaptadas a temperaturas mais altas, como as que se prevêem em tempos de aquecimento global e português.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 28.10.2017 às 23:43

Sempre interessante dar atenção a diferentes possibilidades 
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 30.10.2017 às 01:35

Na Malasia :)
https://twitter.com/business/status/924806999744933888
Perfil Facebook

De Carlos Gonçalves a 08.11.2017 às 12:18

O fogo do “pinhal de Leiria” começou nos arrabaldes  da  Burinhosa. E ainda que o pinheiro continue a ser dominante, em toda a zona, o eucalipto onde explodiu fogo tem vindo a ganhar mancha em velocidade e proporções que impressionam quem por lá passa todos os dias e que é da geral ignorância de quem a propósito dos incêndios, se vem referindo ao tal "pinhal".


(Dou-lhe notícia de tal facto porque tenho-lhe alguma estima e não ponho gosto em o ver fazer colo com tolos).

Perfil Facebook

De Carlos Gonçalves a 08.11.2017 às 12:29

O fogo do “pinhal de Leiria” começou nos arrabaldes  da  Burinhosa. E ainda que o pinheiro continue a ser dominante, em toda a zona, o eucalipto onde explodiu fogo tem vindo a ganhar mancha em velocidade e proporções que impressionam quem por lá passa todos os dias e que é da geral ignorância de quem, a propósito dos incêndios, se vem referindo ao tal "pinhal".

(Dou-lhe notícia de tal facto porque tenho-lhe alguma estima e não ponho gosto em o ver fazer colo com tolos).

Perfil Facebook

De Carlos Gonçalves a 08.11.2017 às 12:38

"coro"... 
(e só uma vez, se possível, por favor. Não sei o que se passou para a redundância...)
Perfil Facebook

De Pedro de Oliveira a 20.01.2018 às 17:36

Já agora a respeito do Pinhal:

https://youtu.be/uAtB1dnuohE

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    Estimado Henrique Pereira dos Santos,Vexa é um Sen...

  • henrique pereira dos santos

    Vou explicar-lhe uma coisa simples: pessoas adulta...

  • Anónimo

    A ignorância e a inveja são os nossos principais p...

  • Anónimo

    Não é só por cá que as ditas elites políticas alme...

  • Anónimo

    o Ir.: O e C percebe muito de fundos, SCP e sondag...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2015
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2014
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2013
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2012
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2011
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2010
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2009
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2008
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2007
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2006
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D