Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




O mistério da JMJ

por João Távora, em 04.08.23

Vivemos numa época em que muita coisa está trocada. Os crentes são hoje geralmente delicados e tolerantes. Parecem visitas numa casa que não é deles. Para ver soberba e intolerância, é preciso ir para junto dos descrentes. Aí, há muita gente que se porta como se fosse dona de tudo. É aí que estão hoje os que não compreendem nem estão dispostos a aceitar nada. Percebe-se porquê. Para os crentes, a providência divina é um mistério: as coisas nem sempre têm de acontecer conforme esperam. O tipo de descrente de que falo, pelo contrário, julga que sabe o sentido da história: não está preparado para surpresas. Foi por isso que a JMJ o indignou tanto: nada, para ele, faz sentido.

Não, não foi a colaboração do Estado num evento da Igreja Católica que escandalizou os acólitos da descrença arrogante. É verdade que questionaram essa colaboração, e até se puseram, muito neo-liberalmente, a discutir orçamentos. Mas o problema não foi esse. O problema foi que a multidão era grande, e que a gente era muito nova. Os descrentes não contavam com isso. Desde pequenos, ensinaram-lhes que o cristianismo era um resquício da Idade Média, prestes a acabar. Logo, nenhum evento cristão deveria atrair mais do que umas poucas de velhas camponesas de regiões remotas. Mas eis que centenas de milhares de jovens, com um ar muito contemporâneo, ocupam o centro de Lisboa para ouvir missa e ver o Papa. Não é possível. Não vem no guião. Não pode estar a acontecer.

Pobres descrentes arrogantes. De facto, são eles o resquício de um tempo velho que talvez esteja a acabar. Esse tempo era o da superstição do progresso. Os seus profetas, no século XIX, acreditaram que a ciência moderna ia substituir as religiões tradicionais. O que fizeram foi atribuir às teorias e hipóteses científicas a mesma certeza dogmática das antigas revelações divinas. Não deram origem a boa ciência, mas inspiraram ideologias pretensamente “científicas”, e que em nome da “ciência” reprimiram, prenderam e massacraram. A intolerância ideológica do século XX, com os seus meios industriais de morte, foi mais sanguinária do que qualquer intolerância religiosa do passado.

A verdade é que religiões como o cristianismo não traduziam simplesmente a ignorância de tempos antigos. As religiões eram, para os fiéis, formas de saber viver e sobretudo de saber morrer, sistemas de cerimónias e rituais destinados a fazer grupos e indivíduos transcender as suas existências. Era isso que as religiões eram, e é isso que as religiões são, porque nada de facto as substituiu nesse sentido, a não ser ideologias e superstições. Se os descrentes percebessem isso, não estariam tão espantados com a JMJ, e talvez se habituassem à ideia de que as religiões tradicionais não são atavismos nem retrocessos, mas tão parte do mundo de hoje e de amanhã como a ciência e a tecnologia.

Durante muito tempo, os Estados apropriaram-se das religiões para legitimar a sujeição aos governos e a aceitação das hierarquias. Foram os Estados que transformaram o cristianismo em opressão. As Inquisições ibéricas do século XVI, de que ainda se culpa a Igreja Católica, funcionaram de facto como instrumentos do Estado para obter uma homogeneidade confessional que o Estado julgou indispensável a fim de assentar a ordem política. Isso acabou na Europa entre os séculos XIX e XX, e quando acabou, as sociedades tornaram-se plurais, mas o cristianismo não desapareceu. Deixou de ser imposto a todos, mas passou a ser escolhido por muitos, como fé e “identidade”. As igrejas, finalmente autónomas em relação ao Estado, puderam reconstituir-se como congregações livres. Foi essa liberdade que passou por Lisboa.

Rui Ramos a ler no Observador


6 comentários

Sem imagem de perfil

De César a 04.08.2023 às 12:47

Belíssimo texto que mete o dedo na ferida e expõe a intolerância dos inquisidores dos novis tempos, pouco habituados a terem contraditório nas suas "certezas absolutas".
O que lhes custou a estes jacobinos intolerantes foi a vitalidade da Igreja e da sua mensagem intemporal, traduzida na adesão massiva de um extrato etário com que nunca contariam:a juventude. Obrigado Igreja. Obrigado Papa.
Sem imagem de perfil

De Carlos a 04.08.2023 às 17:05

De acordo. E obrigado Rui Ramos.
Sem imagem de perfil

De pitosga a 04.08.2023 às 18:48


Obrigado João Távora por ter transcrito um texto que eu nunca iria ler (não considero o Observador).
Quem acompanhou o Padre João Maria Seabra e leu João César das Neves tem a perspectiva da religiões abordada por Rui Ramos.
Imagem de perfil

De O apartidário a 04.08.2023 às 22:40

Todos, todos, todos!  Em  breve haverão também bandeiras arco-íris nas JMJ, e quezilias nas Igrejas, ontem já se deu aquela situação modernaça na Igreja da ameixoeira.
Sem imagem de perfil

De Bilder a 05.08.2023 às 15:49

Em breve vamos ouvir de novo o sr inquilino de Belém-cascais a dizer "não sejam chonéfobos e omo-fóbicos"
Sem imagem de perfil

De Francisco Almeida a 05.08.2023 às 08:50

Num evento que reuniu meio milhão de pessoas, verificou-se um incidente que se ficou pelo confronto verbal, sem chegar ao confronto físico. E seria tão fácil que a isso tivesse chegado. Compare-se, por exemplo, com os seguranças a espancarem um casal de homossexuais, como ocorreu há poucos anos na Quinta da Atalaia. Ou com a violência perpetrada por activistas LGBT, em 7 de Junho passado, no bar gay "Finalmente".
Que não tenha havido violência física no Parque Eduardo VII e que a tenha havido na Quinta da Atalaia e no "Finalmente", são a melhor demonstração de que Rui Ramos está certíssimo no comentário com que iniciou a crónica..





Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com



Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • O apartidário

    Parece é que poucos estão preparados para discutir...

  • Nuno Lopes

    Tenho um histórico de cirurgias infelizmente longo...

  • O apartidário

    Sendo que, no entanto,os doentes no Sns são(por co...

  • Migang

    O problema de Espanha é ter um tribunal de ideolog...

  • Anónimo

    Do ponto de vista de quem gere, um doente é um cli...


Links

Muito nossos

  •  
  • Outros blogs

  •  
  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2023
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2022
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2021
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2020
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2019
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2018
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2017
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2016
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2015
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2014
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2013
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2012
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2011
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2010
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2009
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D
    196. 2008
    197. J
    198. F
    199. M
    200. A
    201. M
    202. J
    203. J
    204. A
    205. S
    206. O
    207. N
    208. D
    209. 2007
    210. J
    211. F
    212. M
    213. A
    214. M
    215. J
    216. J
    217. A
    218. S
    219. O
    220. N
    221. D
    222. 2006
    223. J
    224. F
    225. M
    226. A
    227. M
    228. J
    229. J
    230. A
    231. S
    232. O
    233. N
    234. D