Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




O jornal mente

por henrique pereira dos santos, em 18.12.16

Na primeira página: "PSD Lisboa promete luta contra apoio a Cristas".

Título da notícia: "Concelhia do PSD promete luta contra apoio a Cristas em Lisboa".

Notícia: "O número dois da concelhia de Lisboa do PSD, Rodrigo Gonçalves, assegura que vai continuar a contestar o apoio do partido a Assunção Cristas".

É um grande progresso que o Público tenha evitado a citação anónima de agentes políticos e tenha feito a sua obrigação: identificar a fonte da informação que está a difundir.

E ao fazê-lo torna evidente a mentira da referência da primeira página e do título: o Público verificou que há uma pessoa, que exerce um cargo relevante num orgão colegial, que tomou uma posição política e, sem mais nada, o Público anuncia que o orgão colegial de que essa pessoa faz parte perfilha o seu ponto de vista.

Até pode ser que perfilhe, ou que amanhã venha a perfilhar mas, até esse momento, é mentira dizer que esse orgão tem essa posição política.

Amanhã a chamada de primeira página e o título da notícia podem ser verdade. É plausível que assim venha a ser mas, como lembra o director do jornal em editorial, exactamente a propósito da ideia da morte política de Passos Coelho, é um bocado arriscado fazer prognósticos antes do jogo.

Um jornal não existe para propagar hoje mentiras que serão verdade amanhã, mas para dar informação objectiva aos seus leitores.

Não se admirem pois da falta de vendas: pessoas como eu, que continuam a pagar o jornal todos os dias em banca, apesar de saberem que estão a comprar gato por lebre (porque prefiro comer gato a morrer à fome por falta de alternativas) somos muito poucos.

Não vale a pena falar de pós-verdades e outros eufemismos: o Público mente porque quer mentir, não há outra forma de o dizer.



6 comentários

Sem imagem de perfil

De JC a 18.12.2016 às 12:30

"porque prefiro comer gato a morrer à fome por falta de alternativas"

Tem alternativas.
Não com a qualidade que o Público teve em tempos idos - longe disso - mas alternativas que lhe permitem não morrer à fome.
É que, para mim, ler o Público não é comer gato: é comer comida envenenada.
E entre comida envenenada ou comida de "plástico" prefiro, obviamente, a de plástico.
Sem imagem de perfil

De Dudu a 18.12.2016 às 12:41

Desde o início que era leitor diário do Público.
Ainda aguentei uns tempos com a Bárbara.
Com o Dinis pensei que aquilo levasse uma volta.
Prefiro passar fome.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 18.12.2016 às 15:26

Mas...


... com tanta e tão melhor informação disponível online, como é que você continua a subsidiar a mentira calculista e ideologicamente orientada?

De Anónimo a 18.12.2016 às 20:04

Sem imagem de perfil

De Carlos Conde a 18.12.2016 às 22:15

Não é verdade que morra por falta de ler o Público.
A ser verdade isto era um país de mortos, embora não se possa afirmar o contrário.
Pense bem: a adicção que revela ao pasquim tem remédio simples.
Imagem de perfil

De João Sousa a 19.12.2016 às 08:54

Não é para situações destas que existe uma coisa chamada ERC?

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    "Temos de chegar aos 70% de imunidade"? E fala-se ...

  • Eremita

    O Henrique tem uma tendência forte para não repara...

  • henrique pereira dos santos

    Tem razão não reparei que estava a falar de Itália...

  • Eremita

    Claro que isto é matemática. Todas as nuances que ...

  • Eremita

    Ah,  não era mesmo alucinação. Henrique,...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2008
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2007
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2006
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D