Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




O dilema de Costa

por Jose Miguel Roque Martins, em 30.10.20

Preservar a educação de uma geração é já, felizmente, uma linha vermelha na Europa. Evitar um colapso económico de proporções bíblicas, também é um consenso imposto pela necessidade.

As ultimas respostas Europeias centram-se no sacrifício da restauração, bares, ginásios, cultura, desporto e do comercio tradicional, embora quanto a estes último, em diferentes graus.  Acompanhada desse atropelo, há “compensações “ mais ou menos generosas, pela destruição da atividade económica atingida. Depois se verá, se mesmo com o fim da vida social, é possível baixar suficientemente os números de infectados, para que os SNS não colapsem de forma visível.

A realidade Portuguesa é mais apertada. E António Costa sabe que, mesmo continuando a não pagar aos negócios que encerre, a catástrofe social associada tem custos devastadores. Reais e políticos. Os pequenos negócios já não aguentam Layoffs.

Não reagir de forma viril ao agravamento da pandemia, tem custos políticos pesados, eventualmente devastadores, sobretudo se informação ou imagens de cuidados médicos, abaixo da expectável excelência em tempos de paz, ferirem a suscetibilidade dos cidadãos, que não percebem estarmos em tempos de guerra.

Espera-nos uma no cravo e outra na ferradura? Medidas aparentemente duras, acompanhadas de transportes públicos apinhados? Recolher obrigatórios que já se sabem que não funcionam? Deixar as pessoas andar na rua, mas só se for ao pé coxinho?

Confesso a minha curiosidade na “solução”, politicamente engenhosa, que ai vem.

Sei apenas que assumir limitações e responsabilidades está fora de causa, que a realidade não importa e as aparências são tudo.



11 comentários

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 30.10.2020 às 08:33

" a realidade não importa e as aparências são tudo". Esta é a verdade que é como o azeite: vem sempre ao de cima.

Portanto fez uma síntese certeira da governação socialista a "cantar desde 2015".
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 30.10.2020 às 08:57

"Hoje já não se trata de expulsar ordens religiosas, de matar padres, de queimar igrejas, como fizeram os democráticos de Afonso Costa em 1910 ou os frente-populistas madrilenos na Primavera de 1936. Trata-se de descristianizar a sociedade mansamente, em suaves prestações, de modo politicamente correcto, indolor, através de leis passadas com ar inocente e distraído, como grandes conquistas da liberdade e do progresso ou já nem isso.

O que se está a fazer entre nós é uma progressiva e estratégica descaracterização da sociedade para cumprir agendas radicais internacionais, através de leis pretensamente libertadoras, passadas “à candonga”, que vêm, não só descristianizando mas desnaturalizando o país: leis inspiradas nas mais delirantes quimeras que oferecem a possibilidade (financiada pelo Estado) de mudar o corpo e moldá-lo, com hormonas, mutilações e enxertos, ao género apetecido; (...) leis que são negociadas e passadas sem qualquer respeito pelo debate público, como a da Eutanásia, aprovada ignorando o parecer negativo da Ordem dos Médicos, da Ordem dos Enfermeiros, da Ordem dos Advogados, do Conselho Nacional de Ética para as Ciências da Vida, da Associação Portuguesa dos Cuidados Paliativos e um abaixo-assinado de cerca de cem mil cidadão".

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 30.10.2020 às 09:16

(cont.) "Leis que uma esquerda dita moderada (...) vai levianamente negociando por conveniência momentânea com os esquerdistas do marxismo cultural, perante a sonolência geral e acomodada dos que assistem tranquila e resignadamente a estas mudanças – talvez sem se aperceberem que são estas as mudanças que verdadeiramente importam.

Com a Covid 19 e as necessidades de confinamento, quem decide aproveitou para dar mais um passo nas discriminações contra os cristãos. Controles para a Páscoa, mas não para o 25 de Abril; para o 13 de Maio em Fátima, mas não para o 1º de Maio na Alameda; 27 mil pessoas com luz verde para acorrerem à Fórmula 1 em Portimão, mas proibição de deslocações para que os cristãos – e os não cristãos – possam visitar e honrar os seus mortos nos cemitérios no Dia de Fiéis Defuntos". (...) - Jaime Nogueira Pinto


Em minha modesta opinião, não se deve perder tempo com a "baixa política". Esta aqui explanada é a Política que importa verdadeiramente. Não perder o foco é de suprema importância, pois estão em causa duas formas de olhar o mundo. Eis a questão. Das nossas escolhas depende o nosso futuro próximo no mundo ocidental.
Aconselho, se me permite, a que seja lido/ouvido o discurso corajoso de Macron ontem (a propósito dos massacres agora em Nice) em defesa da Cultura, História, Literatura e de todos os valores de França e do Ocidente


Os extractos acima transcritos, daqui:


https://observador.pt/opiniao/dos-fieis-defuntos-ao-luto-nacional/




Sem imagem de perfil

De Anónimo a 30.10.2020 às 09:44

JMRM, há outras urgências também e essas com efeitos de médio e longo prazo: mais cedo do que pensamos, seremos convocados para escolher o rumo que queremos para o futuro do país. Então, é tempo de se começar a "Pesar e Pensar".  (Eventualmente já leu o texto de Rui Ramos, mas, com sua licença, deixo aqui algumas passagens):

"O que levou o PS (...) a juntar-se às viúvas do PREC foi a urgência de impedir que o governo de Pedro Passos Coelho iniciasse, depois do ajustamento, reformas que mudassem o poder em Portugal. Essa razão de ser conservou-os e – ainda os conserva unidos. Foi isso que deu sentido à sua governação. À direita, há uma razão semelhante: desalojar o Partido Socialista do governo como meio para desmantelar o senhorio a que os socialistas submeteram Portugal durante 25 anos. Antes de quaisquer reformas, antes de decisões sobre impostos ou sobre o rendimento social de inserção, há uma prioridade: desmontar o poder socialista – no Estado, nas universidades, nas empresas, nas fundações, na comunicação social, etc. O grande problema dos governos PSD-CDS de 2002-2005 e de 2011-2015 esteve aí: foram governos constrangidos pelas aflições financeiras provocadas pelos seus antecessores, mas também por um continuado domínio socialista do Estado e das periferias do Estado.

Desmanchar o poder socialista tem de ser um interesse comum de todos os partidos da direita, por mais diversas que sejam as suas filosofias e as suas agendas. Os socialistas sujeitaram Portugal a 20 anos de estagnação económica numa das épocas em que a economia mundial (...) mais cresceu. Essa estagnação não aconteceu por acaso, mas foi o resultado das restrições fiscais, burocráticas e regulatórias impostas pela tentativa socialista de controlar a sociedade a partir do Estado".  (Observador, hoje)

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 30.10.2020 às 10:04

"Dilemas"? António Costa nunca tem dilemas. Tem sempre soluções engenhosas, que o mesmo é dizer, proveitosas para ele e para os "seus".
 O padrão é sempre o mesmo.
 Portanto, podiam ir andando que os mesmos truques sempre e a toda a hora, já cansam.




Sem imagem de perfil

De Anónimo a 30.10.2020 às 11:00

'vai correr tudo bem'
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 30.10.2020 às 12:39

Vai, vai. Aliás, já está a correr!...
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 30.10.2020 às 13:23


Depois de prometer protecção redobrada aos católicos e vigilância reforçada nas Igrejas e em todos os seus cultos religiosos,
na noite desta quarta-feira, antes de encerrar, Macron prometeu determinação:  E "daremos as chances que a República deve dar à juventude, sem discriminação", acrescentou. "Ensinaremos a nossa Literatura, Música, a nossa História e amaremos o debate, os argumentos razoáveis, a persuasão, a Ciência e a controvérsia", nessa luta que o presidente chamou de "combate pela Liberdade e pela Razão". "Na França, as luzes não se apagam nunca", concluiu.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 30.10.2020 às 13:29

Macron defende os valores de França, da matriz cultural do Ocidente (também católica, como ele frisou). 
E MRS que tem feito perante a marcha imparável de desfiguração da nossa História pela esquerda radical? 
Sem imagem de perfil

De marina a 30.10.2020 às 16:03

o sensato seria , dado ser evidente que a maioria da população  já se está borrifando para o covid , centrar-se na gestão dos recursos do sns e no tratamento e acompanhamento de doentes.
Imagem de perfil

De Jose Miguel Roque Martins a 30.10.2020 às 18:29

concordo com a sua conclusão. Mas tropeço com muitas, provavelmente a maioria das pessoas, que estão em pleno estado de terror. O que não admira com o que é dito e redito. 
Não é por acaso que o AC continua a produzir placebos para fazer de conta que está a ter em conta os muitos ( provavelmente a maioria) de atormentados que o seu próprio terror criou. 
Pelas noticias de hoje, parece que a escolha é a economia e tratar dos doentes ( no que estou de acordo) inventando mais umas modas para tirar a carta de seguro! 

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Vasco Silveira

    ..." temos 3 instituições: as forças armadas, os b...

  • Anónimo

    Pois! Isso foi notícia. Mas é claro, indignnações ...

  • Jose Miguel Roque Martins

     O problema é parecer ou  querer serem p...

  • Anónimo

    Os militares não actuam de livre vontade. Tem que ...

  • Anónimo

    Brilhante artigo. Mais um crme da responsabilidade...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2008
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2007
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2006
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D