Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




O Costa solar

por João-Afonso Machado, em 17.01.22

Naquele tempo, os tabus de Cavaco Silva deram brado e à Esquerda repugnou essa falta de ético-transparência. Dá-se o caso de a presente campanha eleitoral, no fundo, girar em torno de António Costa e dos seus múltiplos tabus. De resto, há algumas semelhanças suas com Cavaco Silva... sendo, no entanto, as diferenças mais notórias: Cavaco um tosco, Costa um espertalhão; aquele não sabendo mentir, este desconhecendo o que é falar verdade.

Mas regressando à actualidade, ignoramos tudo, incluindo a tão falada sua hipotética emigração de Costa (que seja muito feliz na UE e se esqueça aqui do quinteiro), e sobretudo os ardis que já terá concebido - no infeliz caso de ficar - para cada possível desfecho eleitoral. Graças à imaginação de Costa, o cidadão deixou de andar seguro nas avenidas da política, a qualquer momento pode ser surpreendido, atropelado, por alguma trotinete silenciosa.

Tudo para explicar que, a dar atenção a esta campanha, não importa o que os pregoeiros vão dizer, mais contará a atenção e a expressão de quem ainda os ouve. E a abstenção deverá somar exorbitâncias (que pena a abstenção, em vez do voto em branco!!!)

Finalmente, porque nem tudo é mau, três distinções, no muito pouco a que assisti: a atitude firme e educada de Cotrim de Figueiredo; a coragem de Francisco Santos; e a bonomia do velho Rio de quem um comentador televisivo dizia, poderão ser muitas as gaffes - mas o homem é sincero, não mente!



9 comentários

Sem imagem de perfil

De Carlos Sousa a 17.01.2022 às 12:41

"( que pena a abstenção, em vez do voto em branco!!!)"
Pena porquê? Cada voto nas urnas vale mais de três euros, se não houver votos nas urnas ninguém recebe nada.
Imagem de perfil

De João-Afonso Machado a 17.01.2022 às 13:06

Carlos Sousa, como sabe, a % da abstenção é contabilizada tendo em conta o nº geral de eleitores.
A % de dos votos distribui-se pelos diversos partidos, e pelos brancos e nulos.
A habitual justificação da abstênção é o desinteresse ou preguiça dos eleitores, não a sua incredulidade nos politicos.
Se as pessoas fossem lá votar em branco demonstravam: que se interessavam pelos assuntos políticos; mas que rejeitavam toda a oferta partidária.


Já imaginou se os abstencionistas votassem em branco? O voto branco tinha maioria absoluta! O "Partido do Voto Branco" poderia formar governo e o descrédito dos demais era total.
Sem imagem de perfil

De Carlos Sousa a 17.01.2022 às 15:06

É um ponto de vista, mas eu prefiro agir precisamente onde lhes dói mais, que é na diminuição da verba atribuída às campanhas. Quanto maior a abstenção menor a verba atribuída. É simples.
Imagem de perfil

De Cecília a 17.01.2022 às 15:35

o voto em branco tem o poder efetivo de, caso seja a opção que vença por maioria, dar como nulos todos os candidatos de todas as listas que concorrem aquele círculo e portanto novos nomes e caras terão que ser apresentados.

a penalização dá-se sempre por ação - nunca por inércia.




Sem imagem de perfil

De Carlos Sousa a 17.01.2022 às 15:41

Sim? E quem é que ia depois representar o " partido dos votos brancos"?
Não será uma utopia?
Imagem de perfil

De Cecília a 17.01.2022 às 15:59

expliquei me assim tão mal?
se o voto em branco for maioria obriga a que todas as listas apresentadas sejam renovadas, ou seja, as listas de todos os partidos/coligações/associações/etc, terão que retirar os candidatos apresentados e colocar outros para que esses novos nomes sejam sujeitos a novo momento eleitoral.
não há ninguém por trás do voto branco. o voto branco ao ser o mais votado, derruba as caras apresentadas em todas as listas porque mostra que todos os candidatos não reuniram preferência (porque se tal tivesse acontecido os eleitores não teriam votado em branco mas sim no candidato x ou y )
Sem imagem de perfil

De Carlos Sousa a 17.01.2022 às 17:46

Explicou perfeitamente, só que essa solução leva a um caminho ainda pior.
Se os candidatos existentes são os melhores que os partidos arranjam, e já são o que são, imagine os de segunda escolha.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 18.01.2022 às 11:20


"imagine os de segunda escolha"
Carlos Sousa, a abstenção tem atingido percentagens bastante elevadas, por vezes acima dos 40 º/º. Essa percentagem é equivalente a  X (xis) mandatos, ou seja, corresponde ao número de deputados que poderiam ter sido eleitos e não o foram, por decisão do eleitorado. Ora isso deve ter uma leitura política e reflectir-se em número de cadeiras vazias, das 230 existentes no Parlamento. Seriam lugares sem ninguém durante 4 anos!
Ficaríamos então com um determinado número de cadeiras parlamentares (as que sobrassem) que seriam ocupadas pelos vários partidos  proporcionalmente à percentagem real dos votos expressos nas urnas. 
A contagem das percentagens alcançadas por cada partido teriam outros resultados. Por ex., um partido que hoje obtém 38 º/º dos votos, na realidade corresponde à escolha de apenas 20º/º  do eleitorado!!!


Desta feita, teríamos uma visão panorâmica e mais realista, do país.


Com este modelo de configuração parlamentar reduzir-se-iam os deputados _ o que não é necessariamente negativo _  se se tiver em conta que haveria uma escolha mais criteriosa dos deputados e só os melhores da lista (presume-se) conseguiriam ser eleitos. Dificilmente "os de segunda escolha" que refere,  teriam assento parlamentar. (Não esqueça que os partidos estão cingidos ao número de cadeiras que haja).

 Daqui se infere que haveria um sistema de vasos comunicantes: se sobe a abstenção, desce o número de deputados e vice-versa.
Portanto, vejo ainda outra vantagem: Já pensou que traria uma maior motivação aos partidos para um combate eficaz à abstenção?


De forma alguma defendo a diminuição de deputados. Os 230 é para serem mantidos, mas é com outras dinâmicas que se conquistam esses lugares.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 18.01.2022 às 12:00

Além de procurarem outras dinâmicas, os partidos teriam mais empenho, já que o número de assentos parlamentares teriam uma percentagem variável, dependendo da abstenção. Nada estaria garantido à partida. Os partidos teriam o ónus de diminuir a abstenção, se queriam obter mais deputados.
Claro que se devia complementar com outras medidas e o sistema eleitoral ser todo revisto noutros, nomeadamente com a introdução dos círculos uninominais, que  não permitiria o desperdício de votos que hoje se verifica.

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes


Links

Muito nossos

  •  
  • Outros blogs

  •  
  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2022
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2021
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2020
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2019
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2018
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2017
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2016
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2015
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2014
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2013
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2012
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2011
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2010
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2009
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2008
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D
    196. 2007
    197. J
    198. F
    199. M
    200. A
    201. M
    202. J
    203. J
    204. A
    205. S
    206. O
    207. N
    208. D
    209. 2006
    210. J
    211. F
    212. M
    213. A
    214. M
    215. J
    216. J
    217. A
    218. S
    219. O
    220. N
    221. D


    subscrever feeds