Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




O complexo de culpa do Ocidente

por Maria Teixeira Alves, em 13.01.15

Culpa.jpg

O livro é de 2008, e o autor é Pascal Bruckner. Acabo de saber da sua existência e ainda não o li. Mas o título estava nas minhas notas para uma futura análise ao que se passa com a Europa e com os Estados Unidos, neste tempo em que eu vivo. Pensei sempre que há um complexo de culpa neste ocidente, desde o pós-segunda guerra mundial e que explica estes valores em que vivemos. Esta tirânia da compaixão pelas minorias e a tolerância com tudo o que soe a desfavorecido, quer o seja ou não. Olha-se para o Médio Oriente e o que se vê são os judeus ricos e os palestinos pobres, logo não há uma dúvida em que lado se está. A culpa leva a que os Europeus se projectem nas minorias e nos desfavorecidos. Os ocidentais só se sentem bem na identificação com os "fracos e oprimidos".

A paz e o bem estar no mundo ocidental criou um complexo de culpa na Europa tal (com o epicentro em França) que lhe deu para esta caridade por tudo o que mexe, e que vê tudo o que é diferente ora com paternalismo (uma soberba do avesso) ou com desconfiança pelo o que lhe soa superior. É uma forma de expurgar a culpa, parece-me, esta identificação com as causas das minorias. Assim assistimos ao exagero de ver em cada banqueiro um bandido e em cada emigrante (e quanto mais ilegal melhor) um mártir e santo. Em cada pessoa bonita, loira, bem sucedida, e inteligente recai sobre ela uma série de desconfianças. Já as minorias são imediatamente imaculadas. É o resultado de um complexo de culpa histórico.

Sempre achei isso e sempre achei que os Estados Unidos imitaram a Europa nessa mentalidade de ver tudo pelos olhos dos injustiçados. Este Ocidente que só consegue ver injustiça nos pobres e culpa nos ricos, injustiça nos diferentes e culpa nos comuns, é um Ocidente que se apaixona pelos supostos fracos e oprimidos e culpa os bem sucedidos. Há chavões e palavras criadas para condenar quem não alinha com estes valores.

Mas há uma tirania nesta visão deturpada. Por exemplo, se alguém se levanta a pedir para se ser mais rigoroso na recepção de emigrantes, atiram-lhes logo com as acusações violentas de xenofobia. É quase a fogueira dos tempos modernos a intriga e má língua. Mas quando se olha para categorias e não para pessoas há o risco de se ser cego aos detalhes.

Fomos assistindo a uma Europa que quer ser outra coisa, que quer ter outra pele, que recusa o passado.

O Ocidente despreza facilmente o cristianismo em que foi construído para se apaixonar e adoptar imediatamente um budismo. O Tibete faz as delicias deste Ocidente culpado, pois tem todos os ingredientes para fazer os ocidentais sentirem-se identificados e compreendidos.

Voltemos ao livro. O autor deste livro, tem outro que se chama A Tirania da Inocência, o que também é um título interessante.

Sobre «O complexo de culpa do Ocidente». O que diz o resumo do livro de Pascal Bruckner? «Todo o mundo nos odeia e eles têm toda a razão: é esta a convicção da maioria dos europeus e, a fortiori, dos franceses. Desde 1945 que o nosso continente vive dominado pelo tormento e pelo arrependimento. Martirizando-se com as atrocidades do passado, as guerras constantes, as perseguições religiosas, a escravatura, o fascismo, o comunismo, a sua História não foi senão uma longa cadeia de carnificinas, o que culminou nas duas Guerras Mundiais, ou seja, num suicídio fanático. Face a este sentimento de culpa, uma elite de intelectuais e políticos entrega os seus títulos e vota-se à manutenção da chama dessa culpa, à semelhança do que fizeram os guardiães do fogo: deste modo, o 'Ocidente' passou a estar em dívida para com tudo o que ele não representa, a ser suspeito em todos os acontecimentos, condenado a reparar todos os males. À medida que se vão remoendo, os países europeus esquecem-se que eles, e só eles, fizeram esforços para vencerem, reflectirem e se isentarem desta barbárie. E se o acto de contrição não fosse senão a outra face da abdicação?»

Voilá. Alguém já escreveu esse livro que eu um dia imaginei ao de leve.

P.S. Há apesar de tudo uma diferença entre a Europa e os EUA. Enquanto a Europa é hipócrita, porque defende as minorias em público e em privado continua a ser a mesma snob de sempre, os Estados Unidos levam a sério a defesa das minorias e são elas que dominam hoje, a política, a indústria da música, o cinema. Os Estados Unidos são hoje o paraíso das minorias.



4 comentários

Sem imagem de perfil

De Maria Joana a 13.01.2015 às 09:07

Este complexo de culpa foi agravado, penso eu, com a visão marxista da História, que em muitos meios intelectuais e pseudo intelectuais se tornou, mais que uma ciência, numa forma de combate. Se a religião é o ópio do povo, como reconhecer valor a uma civilização construída sobre valores cristãos? Os historiadores com obra de facto científica não são divulgados, nem sequer reflectidos nos manuais do ensino secundário, onde os nossos filhos aprendem os maiores disparates! Quem tem do passado a visão que tem sido assim inculcada, não tem como evitar esse complexo de culpa. Muito obrigada pela indicação destes livros!<br /><br />   Maria Joana
Sem imagem de perfil

De pvnam a 13.01.2015 às 09:43


É necessário MANIFESTAÇÕES PELO DIREITO À SOBREVIVÊNCIA!
(uma nota: os Nazis-à-USA irão opor-se -> eles andam sempre à procura de pretextos para negar o direito à sobrevivência de Identidades Autóctones)
.
Todos diferentes, todos iguais!... 
-> Isto é: TODAS as identidades Autóctones devem possuir o Direito de ter o SEU espaço no planeta!... 
-> Uma NAÇÃO é uma comunidade duma mesma matriz racial onde existe partilha laços de sangue, com um património etno-cultural comum.
-> Uma PÁTRIA é a realização de uma Nação num espaço.
Resumindo: os 'globalization-lovers' que fiquem na sua... desde que respeitem os Direitos dos outros... e vice-versa!
.
.
.
P.S.
-> Nazismo não é o ser 'alto e louro', bla bla bla,... mas sim... a busca de pretextos com o objectivo de negar o Direito à Sobrevivência de outros!
-> Para além dos hitlerianos, existem outros... um exemplo: os 'HOLOCAUSTERS' MAIS MASSIVOS DA HISTÓRIA (na América do Norte, na América do Sul, etc) são precisamente aqueles que buscaram/procuraram pretextos para negar o direito à Sobrevivência de Identidades Autóctones... nomeadamente, e em particular,... aqueles que argumentam que a sobrevivência de Identidades Autóctones prejudica a economia.
.
P.S.2.
-> Uma NAÇÃO é uma comunidade duma mesma matriz racial onde existe partilha laços de sangue, com um património etno-cultural comum.
-> Uma PÁTRIA é a realização de uma Nação num espaço.
.
P.S.3.
http://separatismo--50--50.blogspot.com/
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 13.01.2015 às 20:37

"Os Estados Unidos são hoje o paraíso das minorias."


Posso sempre contar consigo para uma boa gargalhada.
Imagem de perfil

De Maria Teixeira Alves a 14.01.2015 às 00:18

Desminta-me com factos.Quem domina a indústria musical norte-americana? Quem é o presidente dos EUA? Quem domina o cinema? Quem domina a industria televisiva?

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anonimo

    A da equerda é o Portugal dos meus sonhos, a direi...

  • José

    O Observador não anda distraído: contratou jornali...

  • pitosga

    Foi sempre mau escrever "a metro".A CEP, creio eu,...

  • Maria Neves

    Olá.Obrigada pela partilha.Boa semanaMaria

  • Anónimo

    Nem mais, Zazie! Esses hipócritas mostram-se muito...


Links

Muito nossos

  •  
  • Outros blogs

  •  
  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2022
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2021
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2020
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2019
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2018
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2017
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2016
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2015
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2014
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2013
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2012
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2011
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2010
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2009
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2008
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D
    196. 2007
    197. J
    198. F
    199. M
    200. A
    201. M
    202. J
    203. J
    204. A
    205. S
    206. O
    207. N
    208. D
    209. 2006
    210. J
    211. F
    212. M
    213. A
    214. M
    215. J
    216. J
    217. A
    218. S
    219. O
    220. N
    221. D