Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




O Cagaço

por Vasco Mina, em 30.05.20

Vivemos um tempo em que a nota dominante nos nossos quotidianos ´é o cagaço. Não é bem o medo porque os portugueses não gostam de expressões radicais. O cagaço é a versão descontraída do medo, é a expressão do que realmente sentem mas que causa algum desconforto quando dita na versão correta. Não por acaso quando alguém aborda outro e lhe pergunta “estás com medo?”, a resposta seja, frequentemente, a de que “estou com algum cagaço”.

Assim, os pais não levaram, na sua maioria, os filhos às creches (quando estas reabriram) pois tiveram cagaço.

Os jornais não criticam o Governo pois estão com o cagaço de não receberem os tão desejados apoios do Estado.

Marcelo Rebelo de Sousa aceita o apoio de António Costa para a sua reeleição pois está com cagaço de não ganhar à 1ª volta.

António Costa acompanha em, quase, tudo o PR pois tem cagaço de ficar isolado quando chegarem eventuais consequências negativas resultantes das decisões governamentais.

Rui Rio não faz a oposição que devia pois tem cagaço de ser mal interpretado.

Os desportistas que correm nos jardins de Lisboa andam de máscara pois estão cheios de cagaço de serem infetados por alguém que possa estar sentado no banco de jardim sem a máscara.

Muitos trabalhadores em regime de teletrabalho vão tentar, a partir de 2ªF, não regressar aos escritórios pois estão cheios de cagaço do distanciamento entre colegas.

Os transportes públicos andam (excepto aqueles que transportam um grande número de trabalhadores para as zonas industriais) quase vazios (se não conseguem imaginar o elétrico 28 vazio proponho que vão até à Estrela ou ao Camões) pois os chamados utentes, como eu, têm cagaço.

Os doentes não vão às consultas de rotina nos hospitais pois têm cagaço de serem contaminados.

Os médicos consultam telefonicamente os seus doentes pois estão com cagaço quer de os contaminar quer (no caso da medicina privada) de os perder.

Os restaurantes só se vão safar se tiverem esplanada pois os clientes estão com cagaço de permanecer em espaços fechados.

Assim vai o país com o cagaço a condicionar (quase) tudo. Mas é mau ter cagaço? Num tempo de incerteza e de grande ignorância sobre o que acontecerá no dia seguinte, talvez que algum cagaço seja seja recomendável. O que é, mesmo, incompreensível é o cagaço do risco que não existe.



9 comentários

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 31.05.2020 às 02:04

Que palermice!
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 31.05.2020 às 10:07

«o medo é que guarda a vinha»
Sem imagem de perfil

De pitosga a 31.05.2020 às 18:30


A ladaínha é longa como qualquer uma que se preze.
Mas dá para se entender as compras de papel em rolo.
ao
Sem imagem de perfil

De Vasco Silveira a 31.05.2020 às 19:32

Caro Senhor
Eu infelizmente não estou com cagaço: estou antes aterrorizado com a evolução da economia que se avizinha.Ee consequente desemprego, fome, impostos, cortes, mortes, muitas mortes.
Perguntem aos Venezuelanos se as crises económicas não matam pessoas...?!


Cumprimentos


Vasco Silveira
Sem imagem de perfil

De marina a 31.05.2020 às 23:16

será em Lisboa. que estão com cagaço -:)  ainda ontem fui jantar fora e estava a sala muito composta, as mesas disponíveis estavam todas ocupadas,  e montes de gente na fila para levar para casa.
Sem imagem de perfil

De Luís Lavoura a 01.06.2020 às 15:10

Sim, Marina, as pessoas em Lisboa estão todas borradas. Na semana passada não estavam, a cidade estava a compôr-se. Este fim-de-semana, com as más notícias sobre a evolução do covid na região de Lisboa, os lisboetas cagaram-se todos, e hoje a cidade está como em agosto: não se vê vivalma. Os restaurantes estão desertos, as pessoas fecharam-se em casa outra vez.
Sem imagem de perfil

De marina a 02.06.2020 às 16:56

não sabia , obrigada.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 01.06.2020 às 16:33

Na bicha, minha senhora, na bicha.
Recusar colonialismos semânticos...
Sem imagem de perfil

De pitosga a 05.06.2020 às 17:26


Claro!  Bicha é bicha.


No velho programa do Jô disse-se que:
«Mulher não gosta de homem. Quem gosta de homem é bicha. Mulher gosta é de dinheiro».
Mas não vamos discutir línguas, pois não?
ao

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    MMilagre português : o vírus está a circular em bo...

  • Vagueando

    "Os problemas parecem sempre ter a mesma origem. E...

  • zazie

    Quanto ao que retira da coisa eu retiro o oposto.S...

  • zazie

    O primeiro texto seu que achei interessante.Sim, s...

  • Anónimo

    Bom-senso , lucidez , preparação e enorme capacid...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2008
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2007
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2006
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D