Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




O apelo encantatório da censura

por henrique pereira dos santos, em 30.04.22

Sem surpresa, o facto de eu ter escrito no meu post anterior que os riscos do direito a mentir e a espalhar mentiras era muito menor que o risco de ter uma entidade, seja qual for, a definir previamente o que é verdade ou não, gerou pelo menos uma reacção clássica:

"Depende de quais sejam as consequências expectáveis da mentira propagada. Um caso que se discutiu (a propósito dos limites à liberdade de expressão) no Supremo Tribunal dos EUA foi o caso (inventado) de uma pessoa que decide pôr-se aos gritos "Fogo! Fogo!" num teatro cheio de gente. É claro que essa mentira cria um alarme que pode levar toda a gente a pôr-se a fugir em pânico, causando um atropelamenteo enorme e mortes. Portanto, sim, em geral deve-se poder propagar uma mentira, mas pode haver limites, se fôr previsível que essa mentira leve a um alarme que cause, ainda que indiretamente, vítimas".

Passemos por cima do facto de esta objecção não se dirigir ao princípio que enunciei (o risco de propagar mentiras, face ao risco de ter uma entidade a definir previamente o que pode ou não ser propagado), e concentremo-nos no argumento de que há mentiras que podem provocar imensos danos.

Em primeiro lugar, note-se que o caso teve de ser inventado para poder ser discutido, ou seja, a realidade não tinha um caso sobre o qual se pudesse usar o argumento e foi preciso inventá-lo, para o poder discutir. A realidade da vida social parece ser bastante eficaz na contenção desses riscos extremos, sem ter necessidade de nenhuma intervenção prévia do Estado para controlar cada acção dos indivíduos, para além dos princípios gerais de responsabilização dos indivíduos pelas acções que tomam. Não é preciso que haja uma entidade iluminada que guie cada acção de cada pessoa, é apenas preciso um sistema de justiça que possa responsabilizar uma pessoa pelo facto de gritar, falsamente, "fogo, fogo", num teatro cheio de gente.

E, no entanto, até houve o caso concreto de Orson Wells, com "A guerra dos mundos", que em muitos aspectos é semelhante à situação que se pretende discutir e que, na altura "widespread outrage was expressed in the media. The program's news-bulletin format was described as deceptive by some newspapers and public figures, leading to an outcry against the broadcasters and calls for regulation by the FCC;[1] officials declined to take any punitive action".

Nada de novo debaixo do Sol, nem mesmo o nosso medo de que os outros sejam todos irresponsáveis e nós sejamos vítimas da excessiva liberdade dos outros.

Medo esse que nos leva a querer correr para os braços da nossa mãe (convenientemente substituída pelo Estado), não para nos defendermos das consequências da liberdade excessiva dos outros, mas para nos defendermos dos nossos medos sobre as consequências de os outros terem a liberdade de fazer asneiras.



5 comentários

Sem imagem de perfil

De Samuel B. Silva a 30.04.2022 às 12:18

Henrique.....   o que te faz pensar que alguem quer ler as parvoices que tu escreves ?
é uma pena que aquilo que tanto defendes "o direito de dizer asneiras"  nao pague imposto.  Tu ja estavas depenado
Para quando voltares à epidemiologia ? Aí é que tu eras bom
Imagem de perfil

De henrique pereira dos santos a 30.04.2022 às 16:08

O facto de haver pessoas que perdem tempo a fazer comentários
Sem imagem de perfil

De Tiro ao Alvo a 30.04.2022 às 18:11

Henrique, não ligue a estes críticos. É gente sem valor, que tem raiva a quem o tem.
Sem imagem de perfil

De pitosga a 30.04.2022 às 13:44


HPS:  Post complicado — ou, antes, carente de limpidez.
Vexa tem qualidades e, naturalmente, defeitos. Terá uns dias precedidos de um dormir estranho, que eu diria patológico. Cuidado com os pesadelos.

Abraço, com estima
Sem imagem de perfil

De The Mole a 03.05.2022 às 16:51

Pessoalmente gostei e concordei com o "post", mas acho natural que um "pitosga" não veja com limpidez...

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • lucklucky

    "Parece-me que a história é, por definição, o pont...

  • lucklucky

    E como digo desde há anos: Fujam de Lisboa, fujam....

  • Elvimonte

    (continuação)Smith, J.D. et al. (2016) “Effectiven...

  • Elvimonte

    (continuação)Radonovich, L.J. et al. (2019) “N95 R...

  • Elvimonte

    "Have you ever wondered who's pulling the strings?...


Links

Muito nossos

  •  
  • Outros blogs

  •  
  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2022
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2021
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2020
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2019
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2018
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2017
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2016
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2015
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2014
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2013
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2012
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2011
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2010
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2009
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2008
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D
    196. 2007
    197. J
    198. F
    199. M
    200. A
    201. M
    202. J
    203. J
    204. A
    205. S
    206. O
    207. N
    208. D
    209. 2006
    210. J
    211. F
    212. M
    213. A
    214. M
    215. J
    216. J
    217. A
    218. S
    219. O
    220. N
    221. D