Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




O ano de São José

Ou o tempo de resgatar a paternidade

por João Távora, em 31.12.20

São José.jpg

Em boa hora convocou o Papa Francisco os cristãos para o ano de São José, tendo para tal publicado uma carta apostólica intitulada “Coração de Pai” cuja leitura aconselho. O meu entusiasmo em lê-la foi grande, tanto mais que há muito sou um devoto do pai adoptivo de Jesus. Há muitos anos o meu conselheiro espiritual, perante as minhas frequentes dúvidas e angústias existenciais, recomendou-me dirigir a São José as minhas preces, e desde então que o trago comigo no coração, mais concretamente ao peito figurado numa medalha – com Jesus ao colo. São José, explicou-me, é a inspiração para as qualidades da perseverança e da complacência, precisamente as armas mais eficazes para se enfrentar toda a sorte de mal que nos chegue de dentro ou de fora. Desse modo, não foi só por tradição familiar que decidimos baptizar com esse nome o nosso filho, de quem fui pai já perto dos cinquenta anos. De facto foi tardiamente que formei uma família, tendo obtido assim a graça de “herdar” dois enteados que foram um precoce e desafiante estímulo ao desprendimento, atributo fundamental para levar a bom termo o projecto familiar a que me propus.

Os santos são os heróis da Igreja de Pedro, que ao longo da história e a seu tempo foram venerados pelos seus feitos, como acontece a tantas outras figuras que marcaram indelevelmente a história por feitos literários, artísticos, desportivos ou até políticos. Os santos são pessoas como nós, que se superaram a si próprias e suplantaram as suas circunstâncias, no propósito de seguir o exemplo de Jesus Cristo. Nesse sentido, São José, será certamente um dos maiores heróis dos cristãos, eleito que foi por Deus como figura paternal de Jesus, por isso protagonista de destaque no projecto de Salvação de Deus na sua encarnação. Por tudo isso, não nos podemos abster de tentar compreender como terá sido percorrido esse caminho de santidade de São José. Para mais nós os cristãos, talvez ludibriados pelas figurações artísticas dos santos em telas ou esculturas, tendemos a confundir a “Santidade” com “Estado de Graça”. Como refere o Papa Francisco na sua Carta apostólica dedicada ao “humilde carpinteiro desposado com Maria”, é a partir das vicissitudes que se constrói o santo, que «José foi chamado por Deus para servir directamente a Pessoa e a missão de Jesus, mediante o exercício da sua paternidade (…)». Entenda-se vicissitudes neste caso como dor e angústia, nos dilemas em que a sua consciência de homem bom é confrontada, desde logo “com a gravidez incompreensível de Maria”. Se a tremenda dor que terá fustigado o coração de São José no tempo que medeia a chocante notícia até à visita do anjo e ao seu humilde “Sim” é fundamento integrante do seu heroísmo, não o será menos a sua discreta vida de trabalho e constância ao lado de Nossa Senhora. Tal seria suficiente para fazer dele o maior dos santos da Igreja. Estou plenamente convencido de que a santidade se manifesta tanto em eloquentes actos corajosos, quanto na constância e fiabilidade de uma vida discreta que põe o amor ao próximo (à família e à sua comunidade) num plano superior, em que os momentos obscuros e as tentações mesquinhas são paulatinamente superadas tendo em vista um compromisso, por conta de um projecto maior, de metódica construção duma harmonia, que dá sentido à história humana, ou melhor ainda, ao projecto divino da Salvação.  

Acresce que a convocação da figura de São José nestes conturbados tempos (alguma vez o não terão sido?), numa sociedade híper-individualista (isso sim uma novidade) com a crescente desagregação das famílias, justifica-se pela necessidade de resgatar a relevância do pai, tantas vezes secundarizado ou simplesmente ausente, como elemento fulcral para a educação das crianças na diversidade dum casal. Constituindo um assunto tabu na nossa cultura niilista, dominada pelas agendas fracturantes dos poderosos lóbis LGBT, trágica vem-se revelando a epidemia do abandono paternal, um verdadeiro fenómeno no Brasil, onde 5,5 milhões de brasileiros não possuem o nome do pai na certidão de nascimento e onde se calcula que mais de 11 milhões de famílias são formadas apenas por mães que criam seus filhos sozinhas. Não é um direito fundamental para a dignidade da criança ter um pai e uma mãe num ambiente familiar salubre e assim se fazer uma boa pessoa?

Tudo razões para saudarmos o desafio do Papa Francisco e olharmos para São José e para o seu exemplo de vida. Pela minha parte continuarei humildemente a rezar-lhe para que me inspire no dia-a-dia familiar, como marido, pai e padrasto. Para que as minhas virtudes consigam compensar os meus erros e desse modo eu consiga levar o meu papel de chefe de família a bom porto. O principal objectivo da minha vida.

Bom ano de São José para todos os meus leitores.



Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Júlio Sebastião

    O António José Seguro começou a dar aulas de mestr...

  • Anónimo

    Há sistemas baseados no voto que não são democráti...

  • Elvimonte

    Já dizia Eça: "Os partidos elegem-nos e nós votamo...

  • Anónimo

    Que esperar de um Regime corrupto, de corruptos, ...

  • Anónimo

    Muito bem analizado. Apenas mais uma das consequên...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2020
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2019
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2018
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2017
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2016
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2015
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2014
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2013
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2012
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2011
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2010
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2009
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2008
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2007
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D
    196. 2006
    197. J
    198. F
    199. M
    200. A
    201. M
    202. J
    203. J
    204. A
    205. S
    206. O
    207. N
    208. D


    subscrever feeds