Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Nota intercalar

por henrique pereira dos santos, em 24.01.21

Lá para o dia 27, se avaliará o que disse neste post.

Para já, queria deixar uma nota intercalar.

Em primeiro lugar, a ideia de que a anomalia climática teria terminado antes de 19 de Janeiro é excessiva. Provavelmente fui sugestionado pelo relatório do IPMA, que é de 13 (penso que actualizado a 14) de Janeiro, tomando as previsões dos dias seguintes como boas.

A verdade é que, olhando para a monitorização diária ao dia de hoje, parece-me claro que no interior Norte e sobretudo Centro a situação melhorou bastante a partir de 13 de Janeiro (é impressionante como nos dias 8 e 9 a temperatura máxima na Guarda ficou abaixo da normal para as temperaturas mínimas), mas na generalidade do país, nomeadamente nas zonas onde vive mais gente, as coisas só mudaram mesmo a 19, em especial no que diz respeito às temperaturas mínimas, apesar da melhoria pontual do dia 15 (ver abaixo o gráfico para Lisboa), com alguma diferença em relação à previsão do IPMA a 13 de Janeiro.

monit.jpg

Considerando o desfasamento de 4 a 7 dias entre condições meteorológicas e efeito na mortalidade, será de esperar, se este facto tiver um efeito relevante na mortalidade, que comece a haver efeitos visíveis na mortalidade global por estes dias, mais acentuados a partir de 25 a 26 de Janeiro.

Para já esses efeitos não são muito visíveis, digamos que a mortalidade global deixou de aumentar, mas se é verdade que o valor mais alto foi no dia 20, com 735 mortos, ainda estamos na mesma ordem de grandeza, por volta dos 700 mortos diários (ontem estavam em 668, mas podem subir ao longo do dia).

O gráfico abaixo procura perceber o que se passa porque à relativa estabilidade da mortalidade global de há uma semana, dez dias, contrapõe-se uma subida muito expressiva da mortalidade Covid, o que se traduz, como se vê no gráfico, no aumento do peso da mortalidade covid na mortalidade global, saltando da ordem dos 20% no Natal, para os 40% de ontem.

Sem Título.jpg

Ou seja, o que estes dados sugerem é que houve uma conjugação do aumento simultâneo da mortalidade covid e devida a outros factores até 10 a 12 de Janeiro, que se traduziu num expressivo aumento da mortalidade global (que pode ou não, ser influenciada pela dificuldade dos hospitais prestarem cuidados de saúde. Não estou convencido de que esse factor se reflicta em picos de mortalidade, mas mais em aumentos estruturais de menor expressão, mais prolongados no tempo, embora não tenha muita informação que dê fundamento a esta convicção), e que a partir daí a normalização meteorológica esteja a ir no sentido de baixar a mortalidade global e a mortalidade covid esteja a ir no sentido inverso.

Espero que nos próximos dias o saldo seja favorável à diminuição da mortalidade global e que a incidência da covid também acabe por parar o seu crescimento (quer porque entretanto estamos a entrar em quatro semanas de subida, quer porque eventualmente as condições ambientais são menos favoráveis à actividade viral), até porque as famosas previsões catastróficas parecem estar muito longe de se verificarem (a média dos sete dias segue solidamente colada à previsão de crescimento sob confinamento duro), apesar da falta de tempo para a existência  de efeitos relevantes das medidas tomadas até agora.

Sem Título 2.jpg

 



10 comentários

Sem imagem de perfil

De Carlos Sousa a 24.01.2021 às 10:54

Além do frio ser o mais grave das ultimas décadas não seria também de equacionar a toma da primeira dose de vacinas para explicar o aumento do número de casos positivos e de mortes covid?
É que a vacinação também começou por altura do Natal. 
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 24.01.2021 às 12:42

tudo menos a realidade!
Sem imagem de perfil

De Carlos Sousa a 24.01.2021 às 16:24

Qual realidade? 
A de um dos responsáveis da DGS distribuir compotas para diminuir o contágio?
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 24.01.2021 às 17:13

A toma da primeira dose aumenta o numero de casos positivos. Como assim?
Sem imagem de perfil

De Carlos Sousa a 24.01.2021 às 20:09

Você não leu as noticias?
50 pessoas de um lar em alfândega da fé ficaram infectadas após a primeira toma da vacina. 
Está na net é só procurar.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 25.01.2021 às 08:52


há também quem se recuse a tomar a vacina da gripe porque "quem toma a vacina da gripe apanha sempre gripe."
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 27.01.2021 às 16:15

Mas o que se passou é que essas pessoas apanharam covid depois de receberem a primeira dose da vacina. Afinal ter-se apenas a primeira toma não confere imunidade total.
A sua conclusão de que as pessoas passam a testar positivo só por receberem uma dose de vacina é um pouco estranha.
Sem imagem de perfil

De Carlos Sousa a 27.01.2021 às 17:43

Se você ler outra vez o que eu escrevi, há de reparar que eu não conclui nada, apenas lancei o tema para discussão. 
É por causa de alguns temas serem considerados tabus é que a gestão da pandemia está como está. 
Não é a diabolizar temas e pessoas que se conseguem as soluções para os problemas.
Sem imagem de perfil

De Elvimonte a 25.01.2021 às 23:26

Vacinas de ARN mensageiro (Pfizer e Moderna), como funcionam?
Injecta-se ARN viral que codifica (faz com que as nossas células produzam) a proteína S (spike) do vírus, o espigão, para o sistema imunitário (a parte adaptativa) "montar" uma resposta imunizante. 



Testes RT-PCR, o que detectam?
ARN viral (e não vírus, ou proteínas de vírus) que, entre outras coisas, codifica a proteína S do vírus.  
Sem imagem de perfil

De Elvimonte a 26.01.2021 às 00:09

Baixa irradiação solar implica:
- baixo efeito virucida ambiental;
- baixas temperaturas;
- baixas concentrações de vitamina D.


Baixas concentrações de vitamina D implicam:

- maior susceptibilidade dos hospedeiros a infecções.


Não duvido que isto represente apenas uma visão esquemática que exclua outras implicações importantes. Contudo, deixo aqui alguns artigos científicos que ilustram as relações expressas.


"Higher solar irradiance is associated with a lower incidence of COVID-19"
(https://pdfs.semanticscholar.org/22d5/2f6dd0a34849278420b06ef136db7e9a8a38.pdf)


"Inactivation of influenza virus by solar radiation"
(https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/17880524/)


"The seasonality of pandemic and non-pandemic influenzas: the roles of solar radiation and vitamin D"
(https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S1201971210024975

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Elvimonte

    Quer a literatura científica, quer a evidência emp...

  • Anónimo

    De salientar que é sabido e conhecido que os subsc...

  • Anónimo

    E vê alguma crítica? Vê, ouve ou lê alguma notícia...

  • Anónimo

    HPS, ouvindo isto:https://observador.pt/programas/...

  • Anónimo

    HPS,agradeço a colocação no tempo do vídeo que des...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2020
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2019
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2018
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2017
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2016
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2015
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2014
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2013
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2012
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2011
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2010
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2009
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2008
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2007
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D
    196. 2006
    197. J
    198. F
    199. M
    200. A
    201. M
    202. J
    203. J
    204. A
    205. S
    206. O
    207. N
    208. D