Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Nós

por henrique pereira dos santos, em 25.11.22

Foram publicados os dados definitivos dos censos de 2021.

Por município, a comparação entre a população residente em 2011 e 2021 é a seguinte:

pop 2011 2021 b.jpg

Quanto mais carregado é o azul, maior é a diminuição de população, quanto mais carregado é o sépia, maior é o aumento.

Estranhamente, em vez de discutirmos por que razão Odemira é o concelho que mais cresce em população, pelo menos fora de áreas urbanas, o habitual é dizer-se que o modelo económico em que assenta este resultado é uma desgraça ambiental, social e económica (pelo menos no longo prazo), razão pela qual deveríamos substituí-lo por outro, mais próximo do que se passa em outros concelhos com muito boa imprensa, mas muito má imagem nos Censos 2021.

Não, não se pense que são uns matarruanos ignorantes que colocam a discussão no pé em que está, são mesmo as elites, repare-se no que diz a elite dos nossos demógrafos e sociólogos, que está na academia e tem acesso a jornais:

"é preciso começarmos a repensar os nossos pressupostos de sociedade, que não estão adaptados a estas novas realidades [do envelhecimento acentuado que os censos demonstram]", Maria João Valente Rosa.

"O problema [do desequilíbrio territorial na distribuição da população residente, que se tem acentuado] até surge no discurso político, "mas os subsídios ficam aquém do que se espera e o carácter estrutural das políticas que estão pensadas também fica aquém", diz", Jorge Malheiros.

"Devíamos estar a preparar-nos em termos de infraestruturas e serviços para este momento em que vamos ser todos mais velhos: os hospitais têm de estar preparados para os picos de gripe que vão levar muito mais gente às urgências, por exemplo; dentro da formação médica e de enfermagem, temos de começar a investir nas especialidades geriátricas, temos de pensar a estruturação dos cuidados continuados; de pensar se os lares que temos hoje são aqueles em que vamos querer estar", Pedro Góis.

Perante uma diminuição de um pouco mais de 200 mil habitantes em dez anos, que só tem paralelo, nos tempos recentes, na diminuição de mais de 300 mil habitantes entre 1960 e 1970, a que se soma um acentuado envelhecimento - a população cresce acima dos 44 anos, ou seja a diminuição da população até aos 44 anos é maior que os 2,1% da média global - o que apraz dizer é que os subsídios são curtos, que os lares têm de ser melhores, que temos é de aumentar o número de geriatras, que a sociedade não está preparada para tantos velhos e coisas que tais.

Como se perante o desastre económico e social da última década que os censos evidenciam, o mais sensato fosse admitir que o Estado é que nos vai redimir e vai ser essa população crescentemente mais velha, e menor nas idades produtivas, que terá capacidade para sustentar um Estado que garanta que vamos todos envelhecer felizes.

Na década de sessenta, em que a população do país diminui um pouco mais de 300 mil habitantes, emigraram qualquer coisa como um milhão ou, mais provavelmente, perto de um milhão e meio de pessoas, o que quer dizer que a economia e a sociedade tiveram dinamismo suficiente para gerar um crescimento populacional de cerca de 700 mil a um milhão de pessoas, que compensaram grande parte da emigração.

Acresce que essa emigração foi dos agentes económicos menos competitivos e integrados em fileiras económicas em perda, como as que se relacionavam com a agricultura de subsistência, e o crescimento foi nos sectores económicos mais dinâmicos, o que se traduziu num fortíssimo aumento do PIB e, mais ainda, do PIB per capita, com uma generalizada melhoria das condições de vida da população.

Nada disso se passa actualmente, o que se passa é que a diminuição de 200 mil habitantes se faz com perda de pessoas integradas em sectores mais dinâmicos, de perda de pessoas mais qualificadas e num quadro de evidente estagnação social.

É um mito a ideia de que quem emigra são os mais qualificados. Como na generalidade dos movimentos migratórios, os mais pobres e com menos perspectivas são a maioria da emigração, a diferença, para a emigração da década de sessenta, é que a emigração actual também inclui gente mais qualificada, ainda que continue a ser uma minoria dos emigrantes.

Outra diferença relevante é que a compensação da emigração era feita a partir da sociedade que existia no anos 60, com um contributo relativamente pequeno da imigração, e hoje grande parte da compensação da emigração é feita com imigrantes, inevitavelmente pessoas com baixas qualificações e que se empregam em sectores de menor valor acrescentado (mesmo quando têm qualificações para dar um contributo maior à nossa economia), na sua maioria, exactamente porque são os que estão disponíveis para vir para Portugal, por estarem em condições piores nos seus países de origem.

E perante este quadro o que fazem as elites?

Discutem futebol, falam do valor estratégico da TAP, atacam os neo-liberais e, do alto do seu privilégio, malham nas estufas de Odemira (e em geral na agricultura intensiva), por serem social e ambientalmente insustentáveis, embora não tenham grandes exemplos no país para dizer como se poderia fazer melhor, para além de garantirem maiorias absolutas a quem tem governado durante quase todo o tempo que os censos retratam cruamente.

Pessoalmente, é-me igual ao litro, estou profissional e socialmente mais morto que vivo, e não tenho grandes ambições que me levem a precisar de muito dinheiro - gosto mais de poder gastar muito dinheiro que de contar os tostões, mas não é uma questão central para mim - só que me chateia que os meus companheiros de elite vivam em bolhas sociais tão estanques, que nem percebam o que os censos realmente dizem sobre nós.


40 comentários

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 25.11.2022 às 11:14

Ora bolas: censos... já não se escreve Português?
Imagem de perfil

De henrique pereira dos santos a 25.11.2022 às 11:52

Peço desculpa, mas não percebi o seu comentário

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com



Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • João Ribeiro

    Sabe bem, ler isto.

  • RR

    Se o P(N)S fala para valer, em vez de andar aí a b...

  • cela.e.sela

    «Ora zus, truz, truz,Ora zás, trás, trás,Ora chega...

  • O apartidário

    Um candidato do outro mundoO PS, ou uma parte do P...

  • O apartidário

    Com um Governo chefiado por Medina teremos enfim u...


Links

Muito nossos

  •  
  • Outros blogs

  •  
  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2024
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2023
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2022
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2021
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2020
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2019
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2018
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2017
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2016
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2015
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2014
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2013
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2012
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2011
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2010
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D
    196. 2009
    197. J
    198. F
    199. M
    200. A
    201. M
    202. J
    203. J
    204. A
    205. S
    206. O
    207. N
    208. D
    209. 2008
    210. J
    211. F
    212. M
    213. A
    214. M
    215. J
    216. J
    217. A
    218. S
    219. O
    220. N
    221. D
    222. 2007
    223. J
    224. F
    225. M
    226. A
    227. M
    228. J
    229. J
    230. A
    231. S
    232. O
    233. N
    234. D
    235. 2006
    236. J
    237. F
    238. M
    239. A
    240. M
    241. J
    242. J
    243. A
    244. S
    245. O
    246. N
    247. D