Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




"Não podemos negociar com a natureza"

por henrique pereira dos santos, em 16.09.20

Numa altura em que estava à espera de Godot e me tinha esquecido do livro que estou a ler, do escritor que mais me diverte (Camilo Castelo Branco), acabei por estar a ler no telefone coisas que não leria habitualmente.

Foi aí que me cruzei com isto: "Sófocles: “O homem é o ser do excesso, é o ser que viola todas as justas medidas” Para Costa Silva, “não há definição mais precisa da nossa relação com o planeta” do que a frase de Sófocles, dramaturgo conhecido pelas tragédias gregas, como Édipo Rei. “Temos que mudar esta relação. Podemos negociar com sindicatos, organizações empresariais, mas não podemos negociar com a natureza“, frisa, salientado os riscos de uma crise climática."

Nas apresentações que faço frequentemente uso um verso de Fernando Pessoa que serve melhor as minhas ideias: "Não há normas. Todos os homens são excepção a uma regra que não existe" mas também não está mal escolhida esta ideia de sermos do excesso, sermos o que viola todas as justas medidas (e as outras também, mas isso não vem agora ao caso).

O que me interessa agora é só aquela pequena parte que usei no título: "não podemos negociar com a natureza" porque ajuda a explicar bem como Costa Silva, o homem do plano, e eu, o homem sem plano, estamos ideologicamente nos antípodas.

Costa Silva, reconhecendo a natureza humana, citando Sófocles neste caso, mas citando Kant na versão original do plano, propõe um plano que visa mudar a natureza humana porque "não podemos negociar com a natureza".

Eu não proponho plano nenhum, primeiro porque ninguém mo pediu, depois porque acho exactamente o inverso: a nossa história como espécie é a história da negociação permanente com a natureza.

Por isso gosto tanto da definição de paisagem que aprendi com Teresa Andresen (e espero não a estar a trair na formulação que apresento): "A paisagem é o resultado da forma como nos relacionamos com a natureza".

Admitir a ideia de Costa Silva, a de que não podemos negociar com a natureza, é estar sempre numa posição de impotência.

Eu acho que domesticação de animais é o resultado possível dessa negociação. Eu acho que a agricultura é o resultado possível dessa negociação em cada momento. O regadio é o acordo que fizemos com a natureza: não podemos fazer a água subir as encostas, mas podemos conduzi-la no seu natural caminho de descida.

Nem sempre fazemos bons acordos, isso é seguro.

Por exemplo, o desacordo que hoje temos com a natureza na gestão do fogo é um resultado de uma negociação mal conduzida, partindo de um pressuposto errado, o de que somos capazes de vencer o fogo - o equivalente a fazer a água subir pelas encostas - em vez de partirmos para a negociação conhecendo bem os limites na negociação e aquilo que nos é possível obter: uma gestão do fogo semelhante à gestão do percurso da água descendente, sem a exigência de que a água suba as encostas.

O plano de Costa Silva, infelizmente, esquece o princípio base do bom negociador: o bom negócio é o que convém às duas partes e a melhor forma de maximizar o benefício é conhecer muito bem o que se negoceia e quem negoceia connosco.

Claro que haverá sempre quem defenda que não há negociação mais eficaz que a que está na ponta da baioneta mas, com a natureza, essa é uma posição muito, muito perigosa, porque se há coisa certa é que a natureza pode mais que nós e a nós só no resta aprender a velejar contra o vento, para chegarmos onde quisermos.



6 comentários

Sem imagem de perfil

De Tiro ao Alvo a 16.09.2020 às 19:00

Nós e os nossos filhos e netos - duas ou três gerações, no mínimo.

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Jose Miguel Roque Martins

    caro Balio obviamente a comparação entre terrorism...

  • Anónimo

    Também não vi nem ouvi e não gostei.  Escolho...

  • balio

    A maioria dos muçulmanos é pacífica, quer é resolv...

  • balio

    Muito bem. Concordo. Sou a favor da liberdade de e...

  • balio

    não estou preparada para deixar de andar de saia c...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2008
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2007
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2006
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D