Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Não é ele, são os outros

por henrique pereira dos santos, em 14.04.21

Quando Guterres ganhou as eleições, em 1995, fez um governo de coligação PS/ independentes.

Nessa altura Elisa Ferreira fazia parte dos independentes e José Sócrates fazia parte do aparelho do PS e, como acontecia em vários ministérios, a tensão entre os independentes e o aparelho do PS era alta, e era gerida com pinças pela cúpula do PS e do governo.

Em muitos ministérios os independentes eram ministros, mas na verdade não escolhiam integralmente os seus secretários de Estado, pelo contrário, tinham secretários de Estado que estavam ali para reestabelecer o equilíbrio entre PS e independentes (e, aparentemente, também para serem controleiros dos ministros).

No caso desse Ministério, Elisa Ferreira fazia questão de marcar a sua independência, trazendo Ricardo Magalhães, em que depositava confiança pessoal, como seu secretário de Estado a quem atribuiu todas as competências mais relevantes do Ministério à época (água, conservação da natureza, etc.), e a José Sócrates atribuiu a posição formal de secretário de Estado adjunto, ou seja, a segunda figura do ministério, ao mesmo tempo que lhe dava competências em matérias que, na altura, eram marginais (resíduos, defesa do consumidor, etc.) ao ponto do próprio se intitular a si próprio como o "Zé das Sobras".

Elisa Ferreira nomeou para a presidência do ICN Teresa Andresen e isso teve um resultado inesperado: eu fui nomeado vice-presidente do ICN, o que me levou a ser uma testemunha relativamente próxima dos métodos de actuação de José Sócrates, mesmo que o meu secretário de Estado de tutela fosse Ricardo Magalhães e não Sócrates.

Uma pequena história ajuda a perceber a natureza das coisas.

Sócrates estava profundamente empenhado na co-incineração dos resíduos nas cimenteiras e uma das cimenteiras ficava (e fica) localizada no Parque Natural da Arrábida.

O director da área protegida fez umas declarações moderadíssimas sobre o assunto: se houvesse decisões de nível nacional sobre o assunto não caberia ao director da área protegida ter opinião sobre o assunto, mas estritamente do ponto de vista da área protegida, preferiria que a co-incineração fosse feitas noutras cimenteiras e não na que se localizava na Arrábida.

Sócrates, a braços com a contestação do movimento ambientalista à co-incineração - inicialmente Sócrates foi apoiado pelo movimento ambientalista na gestão dos resíduos, mas a opinião depois mudou - considerou estas declarações inaceitáveis (punham em causa a ideia de que a incineração era inócua e não tinha qualquer problema ambiental) mas não tinha tutela directa sobre o ICN e estava em permanente conflito com a ministra e os independentes para ganhar espaço político (o que sempre fez com enorme eficácia).

Esperou pelas férias da ministra, nas quais assumia o papel formal de ministro em substituição, para chamar ao seu gabinete, sem dar conhecimento à cadeia hierárquica, o director da área protegida, para o destratar e ameaçar (escuso-me a pormenores, a forma como Sócrates tratava os seus subordinados, a quem exigia fidelidade absoluta, é do conhecimento público) com o objectivo de condicionar a sua opinião e eventual decisão numa matéria a que Sócrates dava importância política.

As questões formais, a lei, a decência ou a mera urbanidade no tratamento eram, para Sócrates, meros pormenores sem qualquer relevância face ao seu ganho político (não falo dos outros, não tenho informação concreta sobre isso) em cada situação.

Se eu, um mero subalterno sem ligação funcional directa (e que sempre procurei manter uma distância higiénica de Sócrates e do seu círculo próximo, muito influente na área da conservação da natureza em que sempre trabalhei), sabia perfeitamente quais eram os métodos de actuação de Sócrates e a forma como sempre tratou as pessoas (primeiro tentando seduzi-las para os seus pontos de vista, em falhando, tentando comprá-las, em falhando, ameaçando e perseguindo), e de como as regras, a lei e a decência se submetiam sistematicamente aos seus objectivos pessoais, como é que os outros, todos os outros que lidavam todos os dias com ele, anos seguidos, não sabiam de nada e nunca perceberam os riscos institucionais associados à atribuição de poder a uma pessoa que agia sem o menor respeito por o que quer que achasse um obstáculo para os seus objectivos?

A lei e a justiça são importantes, claro, mas antes disso a questão está em perceber que raio de pessoas e que raio de princípios seguem as pessoas que durante anos seguiram Sócrates, sabendo perfeitamente quem era e como actuava?

Eles, como eu, sabiam perfeitamente que a enorme eficácia política de Sócrates - é dos melhores nisso - assentava na sua amoralidade e na forma como lhe era completamente indiferente a forma como obtinha ganho político, desde que o obtivesse, o que nos distingue é que eu valorizo mais os meios que os resultados, ao contrário dos apoiantes de Sócrates que sempre desvalorizaram os meios, desde que os resultados lhes parecessem bons.



5 comentários

Sem imagem de perfil

De balio a 14.04.2021 às 10:06


Eu também tive ocasião de, nesse tempo em que Sócrates era ministro ou secretário de Estado do Ambiente, tratar com ele, por duas vezes, e igualmente fiquei bastante mal impressionado com os seus defeitos de personalidade.


Dito isto, há que reconhecer que o processo judicial que lhe moveram, e a forma como o moveram e têm movido e continuam a mover, foi e é miserável e vergonhosa. Nenhuma pessoa, sejam quais forem os seus defeitos de personalidade, pode ser tratada da forma que Sócrates foi, por um poder judicial que se desejaria democrático.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 14.04.2021 às 10:55


sempre o triunfo dos porcos, entre eles o pata preta
«  George Orwell foi um libertário. "A Revolução dos Bichos", em suas metáforas, revela uma aversão a
toda espécie de autoritarismo, seja ele familiar, comunitário, estatal, capitalista ou comunista. A obra é
de uma genial atualidade. Apesar de tudo o que alguns poucos homens já fizeram e lutaram, ainda
estamos e vivemos sob os que insistem em dominar aquém da ética e além da lei. Sejamos diligentes, a
luta continua. Um dia conseguiremos distinguir a diferença entre porcos e homens.
Nélson Jahr Garcia
Sem imagem de perfil

De balio a 14.04.2021 às 11:19


É claro que, para aqueles para quem os fins justificam os meios, todos os meios, judiciais ou outros, são bons para achincalhar Sócrates. O fim último é esmagar Sócrates, denegri-lo, eliminá-lo, humilhá-lo, reduzi-lo à miséria e à cadeia, e, para atingir esse fim, todos os meios servem.
Eu, porém, não aceito que os fins justifiquem os meios.
Sem imagem de perfil

De Quem com ferro mata... a 14.04.2021 às 15:45

Mas o Sócrates é apologista disso mesmo: que os fins justificam os meios.


Eu não o sou. Mas sendo-o ele, que legitimidade tem para se queixar?
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 14.04.2021 às 23:21

É chocante, HPS; aquilo que descreveu do comportamento do Sócrates. Mas não me espantou nada, sempre o observei com bastante curiosidade e tinha a certeza de que usava a intimidação para se fazer obedecer e cilindrar os que divergiam dele ou eram um entrave aos seus propósitos. 
Imagino como este homem amoral e sem escrúpulos  subiu ao topo na política. Calculo como o "animal feroz" manipulava e usava as pessoas: ora  infundia nos seus subalternos um temor reverencial para obter os seus ganhos ; ora era obsequioso e insinuante diante dos poderosos, granjeando a sua simpatia, dispensando-lhes mil atenções (1000) e envolvendo-os em untadas simpatias. E as raposas, de olho bem treinado, sorriam matreiras, antecipadamente sabiam que jogo se ia jogar... o jogo "classico" que obedece ao "catálogo":  A do provinciano que desce à cidade com sonhos de glória, luxo, riqueza  e quer ombrear e privar "de igual para igual" com os mais  poderosos e obter deles reconhecimento e aceitação social !  Estava disposto a tudo para sentir a glória de ser admitido naquele  clube tão exclusivo, "par inter pares", de fato à medida em alfaiate muito "privé". O que se passou "durante" a história  fica por conta da imaginação... 


Todos sabiam da sede de poder e de ascensão social deste arrivista que não olhava a meios. Como foi possível que as pessoas mais próximas, tendo percebido, sabido e experimentado a sua índole e o seu vazio moral, tivessem deixado este homem perigoso à solta e nele se concentrasse tanto poder ? Mas calculamos o porquê destas cumplicidades...  A "fome" era muita e a gamela era grande (passe o plebeismo) ! Foram anos pantagruélicos!


P.S. - Só Deus sabe o que  terá sofrido às mãos do Sócrates e o que lhe terá suportado, o triste e fraco do Carlos Santos Silva, agora recém- intitulado "manipulador" de Sócrates e convertido em seu corruptor activo!!! Pobre homem!
Erro crasso de análise do perfil de Sócrates, feito pelo juiz! 
mt

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Júlio Sebastião

    O António José Seguro começou a dar aulas de mestr...

  • Anónimo

    Há sistemas baseados no voto que não são democráti...

  • Elvimonte

    Já dizia Eça: "Os partidos elegem-nos e nós votamo...

  • Anónimo

    Que esperar de um Regime corrupto, de corruptos, ...

  • Anónimo

    Muito bem analizado. Apenas mais uma das consequên...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2020
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2019
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2018
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2017
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2016
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2015
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2014
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2013
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2012
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2011
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2010
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2009
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2008
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2007
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D
    196. 2006
    197. J
    198. F
    199. M
    200. A
    201. M
    202. J
    203. J
    204. A
    205. S
    206. O
    207. N
    208. D