Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Nada mais

por Pedro Picoito, em 11.01.19

Alertado por alguns comentários no Facebook, fui ver a já célebre reportagem da TVI sobre a não menos célebre terapia da psicóloga Maria José Vilaça para "converter" homossexuais. Antes de mais, duas ressalvas. Primeira: este é um daqueles posts que preferia não escrever porque o tema é complexo, foge à simplificação das redes sociais e só me vai trazer dissabores. Segunda: conheço a Dra. Maria José Vilaça e, mesmo que não conhecesse, tenho fraco apreço por linchamentos públicos, com ou sem fogueiras. Não esperem, portanto, que vá dar uma no cravo e outra na ferradura só para parecer tolerante. De qualquer modo, tenho a pele dura, já perdi a ilusão de agradar a toda gente e prefiro chatices mediáticas a silêncios cúmplices. 

Indo directo ao assunto, a reportagem é sensacionalista (com uma musiquinha de fundo que parece saída do Tubarão do Spielberg), cínica ("salvar almas perdidas"? pleeease...) e ofensiva para os católicos. Chocaram-me, muito em particular, as filmagens ocultas no confessionário. O segredo de confissão é uma das coisas mais sagradas do catolicismo e quebrá-lo é um gravíssimo pecado. É um exemplo de manual do que se pode considerar um sacrilégio. Revelar o que se passa num confessionário sem autorização da competente autoridade eclesiástica (um dilema tão bizarro, aliás, que deu para o Hitchcock fazer um filme) é tão grave como profanar a Eucaristia ou matar a tiro Monsenhor Romero no altar. Que a jornalista Ana Leal não veja isto, ao mesmo tempo que se diz católica praticante, não é só um problema dela. É também um problema meu, que me sinto ofendido pelo abuso de confiança especialmente canalha de quem filmou as imagens e as editou. E duvido que os padres entrevistados às claras, num truque tão velho como pueril para dividir a Igreja em bons e maus, concordem com este tipo de "jornalismo". Já nem falo da violação da confidencialidade relativa às sessões de terapia. Compreendo que nem todos tenham a minha sensibilidade religiosa. O que não compreendo é que, em nome da tolerância, se desrespeitem as convicções mais profundas de milhões de pessoas.

Isto bastaria para tornar a reportagem repugnante. Mas há mais. Pela maneira como é montada, fica-se com a impressão de que as pessoas expostas à terapia são sujeitas a uma espécia de lavagem cerebral. Ora, convém lembrar que, mesmo que a terapia seja discutível do ponto de vista científico (e em psicologia, para não dizer em ciência, o que é que está acima de discussão?), os "pacientes"  seguem-na de livre vontade. Ninguém os obriga a participar nas sessões organizadas, a acatar os conselhos dados ou a concordar com o que lhes dizem. Nem poderia ser de outra forma. Há muito que a homossexualidade deixou de ser crime em Portugal (embora não no Irão, na Arábia Saudita, na Indonésia e em vários países simpáticos que aguardam a visita de Ana Leal). Sugerir que pessoas adultas, livres, conscientes, com uma vida sexual activa, estão a ser forçadas seja ao que for é um insulto à sua inteligência e à nossa. Talvez para espanto de muitos, há mesmo homossexuais que querem deixar de o ser. A TVI autoriza?

Porque, no fundo, o verdadeiro problema é este. A terapia de mudança do comportamento homossexual comete uma heresia: propõe, imaginem, mudar o comportamento homossexual. Isto é imperdoável nos tempos que correm. Não porque se duvide realmente que um homossexual pode deixar de o ser. Na era do amor líquido, as identidades sexuais imutáveis passaram à história. De resto, os apóstolos do progresso pregam em abundância a mudança de comportamentos. Que troquemos o tabaco pela canábis, a carne pela soja, o carro pela bicicleta, o plástico pelo papel, as manhãs da TVI com Mário Machado pelas noites da TVI com Ana Leal. E ninguém nega que um viciado no jogo ou no álcool possa mudar. Não é isso. O verdadeiro problema está na condenação moral da homossexualidade. O "politicamente correcto" não quer apenas que deixemos os gays em paz (o que já acontece, excepto no Ribatejo e nos tais países que Ana Leal devia visitar). Não quer a sua liberdade, nem o casamento, nem a adopção (que já têm). Quer, isso sim, normalizar qualquer comportamento sexual e, portanto, a homossexualidade (para usar os conceito sociológicos de desvio e norma). Ou, por outras palavras, quer que ninguém possa dizer que um comportamento sexual, seja qual for, é moralmente errado. Só a pedofilia fica de fora. Por enquanto.

E é aqui que a coisa fia ainda mais fino. A Igreja sempre considerou a homossexualidade uma desordem moral. Acolher os homossexuais, como o Papa Francisco tem dito, não significa aprovar o seu comportamento. Significa aceitar as pessoas pelo que são, não pelo que fazem. Doutrina tão antiga como o Evangelho. Quando Jesus, diante da mulher adúltera, diz aos seus acusadores "quem de vós estiver sem pecado que lhe atire a primeira pedra", diz-lhe também "vai e não voltes a pecar". O perdão não anula a consciência do pecado. Pelo contrário, pressupõe-na. Querer impedir a Igreja católica, ou a Dra. Maria José Vilaça, ou um americano ignoto de defenderem a mudança de comportamento dos homossexuais por razões morais e religiosas é, nem mais nem menos, apelar à censura e atacar a liberdade de expressão. Mais uma vez, não vejo aqui grande tolerância. Vejo um combate democrático a travar, por muito impopular que seja. Note-se que ninguém está a defender a violência contra os gays, ou a criminalização da homossexualidade, ou a terapia de choque  aplicada ao Presidente da Opus Gay in illo tempore. Deixem-se de mitos urbanos. O que está em causa é que uma psicóloga possa propor uma terapia de mudança comportamental. E que um homossexual possa segui-la. Nada mais.

Autoria e outros dados (tags, etc)



20 comentários

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 12.01.2019 às 01:10

Hear, hear! 
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 12.01.2019 às 10:01

Há mais casos no Lumiar onde se tenta praticar estas lavagens ao cérebro de homossexuais, de força-los a mudar as suas características, e com gente religiosa… isto não é novidade.
Imagem de perfil

De Pedro Picoito a 12.01.2019 às 15:51

Não, não é novidade. Então porquê o escândalo? E, como expliquei, não se trata de lavagem cerebral nenhuma.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 13.01.2019 às 18:41

NÃO há lavagem cerebral nem repressão, características dos regimes que os marxistas-culturais defendem. A pessoa SÓ VAI se quiser, de livre vontade!  
E não esquecer que nas democracias, nos anos 40, 50 ou 60 do séc. XX, a homosexualidade era condenada..., não havia a promiscuidade actual, nomeadamente a mesma que permite a matança de Inocentes (=aborto) e a eutanazi a! Iguais em todo o lado, mesmo que os marxistas andem mascarados de "democratas"!
Sem imagem de perfil

De A. R a 12.01.2019 às 12:23

Muito bem. Se uma pessoa pode fazer terapia por um complexo de inferioridade (ser baixo, ser feio, etc) qual a razão de não o poder fazer livremente -com a mesma liberdade de quem sai do armário- por se sentir mal em ser homossexual? Sentir-se mal por ser homossexual e mais comum do que a maioria das pessoas pensa.
Sem imagem de perfil

De maria madeira a 12.01.2019 às 12:55

Muito bom texto, o melhor que li sobre o assunto. Só uma pessoa muito lúcida escreve sobre um assunto tão delicado com tamanha clareza.


(se me permite irei partilhá-lo no meu espaço, se não concordar diga que eliminarei o post de imediato)


Obrigada.
Imagem de perfil

De Pedro Picoito a 12.01.2019 às 15:49

Concordo, esteja à vontade. e obrigado.
Imagem de perfil

De Eremita a 12.01.2019 às 14:51

Faltou a estatística do sucesso dessa terapia comportamental. 
Imagem de perfil

De Pedro Picoito a 12.01.2019 às 15:49

Sim, faltou. Mas não era essa a questão principal.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 12.01.2019 às 16:51

Li com gôsto ! Merece bem ser lido e partilhado porque nos liberta do sentimento de total repúdio por aquela vegonhosa reportagem que eu gostava de poder esquecer ! Não consigo ! Feriu profundamente os valores sagrados do respeito pelo outro , da pesquisa honesta , do confronto baseado na verdade dos factos , e no direito á privacidade ! Tudo foi violentamente espezinhado ! INTOLERÁVEL , têm que concordar . Para os senhores desta reportagem valeu tudo ! Haja vergonha e bom senso ! 
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 12.01.2019 às 20:35

ISTO É CRIME! A TVI NÃO OLHA A MEIOS PARA ATINGIR OS FINS!

Este programa, que a TVI ontem emitiu, além de conter procedimentos CRIMINAIS e demasiadamente vergonhosos sob o ponto de vista ético-profissional, tem apenas um único objetivo: desacreditar, caluniar gratuitamente quem mais combate a ideologia gay/LGBT e quem mais apoia quem caiu na aberração da sodomia/homossexualidade e pretende dela ver-se livre.
O vergonhoso procedimento destes jornalistas deveria ser objeto de procedimento judicial, pois é incrível até que ponto chegou a falta de ética profissional para, cobardemente e sem conhecimento dos intervenientes, se gravarem tais declarações.
A TVI, como responsável pela emissão deste programa tem que ser seriamente RESPONSABILIZADA perante a justiça.

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 12.01.2019 às 23:37

Não sei se é possível 'reverter' a homossexualidade, mas uma coisa vos garanto: é mais fácil alguém deixar de ser homossexual do que alguém mudar de sexo.
Sem imagem de perfil

De JPT a 13.01.2019 às 16:31

Um cidadão é livre de optar optar pela homeopatia, pela medicina tradicional chinesa, pelo "reiki", ou até pelo Professor Bambo, mas esta terapia, esta é que não! A esta ironia, acresce que os que colocam em causa a "cientificidade" do tratamento, são os mesmos que impingem aos velhotes as pastilhas do Futre, o "Calcitrin" e as restantes mezinhas da Viva Melhor. 
Sem imagem de perfil

De Susana V a 14.01.2019 às 16:20

Raramente comento. Mas agora tenho de aplaudir. E de pé. 
Está tudo dito. Obrigada. 

Comentar post


Pág. 1/2



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    Muito bem escrito.Devemos ter sido amigos e vizinh...

  • Sarin

    Porque nem sempre discordamos, permita-me partilha...

  • Anónimo

    novos-ricos cheio de 'entusiasmo urinário'

  • Luís Lavoura

    Parece que o João Távora está contente com o perfi...

  • Anónimo

    Diga lá então, dá-lhe prazer ver um animal a sangr...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2015
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2014
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2013
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2012
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2011
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2010
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2009
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2008
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2007
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2006
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D