Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Morreu o último dos intelectuais de direita

por Maria Teixeira Alves, em 27.04.14

Vasco Graça Moura é do tempo da literatura, do tempo em que se perdia tempo a estudar, do tempo do primado da actividade intelectual. O último dos pensadores. Foi essencialmente poeta, ensaísta e tradutor dos grande autores clássicos. Traduziu a Divina Comédia e a Vita Nuova de Dante; as Rimas e Triunfos de Petrarca; os Testamentos de François Villon, e ainda fez a tradução integral dos Sonetos de Shakespeare. Empenhou-se assim, como tradutor, em enriquecer o património literário disponível em língua portuguesa.

Traduziu para português, ainda, poetas como Pierre Ronsard, Rainer Maria Rilke, Gottfried Benn, Walter Benjamin, Federico García Lorca, Jaime Sabines, H. M. Enzensberger ou Seamus Heaney, e deixou-nos ainda versões portuguesas de algumas das peças mais importantes dos três grandes dramaturgos franceses do século XVII: Corneille, Molière e Racine.

Era um dos últimos intelectuais de direita (ainda nos resta, felizmente, Agustina Bessa Luís).

Vasco Graça Moura era do PSD. Isso custou-lhe o reconhecimento generalizado merecido.

Era um clássico. Um homem de um excelente bom-gosto, visível em tudo o que era da sua autoria. Até a vestir.

 

 

Soneto do amor e da morte

 

Quando eu morrer murmura esta canção  que escrevo para ti.

Quando eu morrer  fica junto de mim, não queiras ver  as aves pardas do anoitecer  a revoar na minha solidão.

Quando eu morrer segura a minha mão, põe os olhos nos meus se puder ser, se inda neles a luz esmorecer, e diz do nosso amor como se não tivesse de acabar, sempre a doer, sempre a doer de tanta perfeição  que ao deixar de bater-me o coração fique por nós o teu inda a bater, 

Quando eu morrer segura a minha mão.

 

Vasco da Graça Moura (1942-2014)



3 comentários

Sem imagem de perfil

De Octávio dos Santos a 27.04.2014 às 17:05

Existem outros intelectuais de direita para além de Agustina Bessa Luís; (ainda) não tão bons quanto ela e Vasco Graça Moura, mas existem. 
Imagem de perfil

De monge silésio a 27.04.2014 às 18:58


Traduzir é entrar no alcatrão da estrada do pensamento de um Outro.
Vasco Graça Moura pensava, por si próprio. Era igual a si próprio. E sabia dos Outros. Notável.
Vão sendo cada vez menos.


(ser de esquerda ou de direita é neste momento o irrelevante porque num país em que quem se intitula social-democrata é ser de direita a irrelevância é maior porque ou não sabe o que é a social-democracia ou a direita é neste país inexistente)
Sem imagem de perfil

De Carlos Conde a 27.04.2014 às 19:18

O título do post não será muito acertado...
Alcunhar um social-democrata de direita, merece um pouco de reflexão.

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Oscar Maximo

    Pagamento único, para rir, certamente. 

  • Anónimo

    Esta é das tais situações (raras) que mesmo os ceg...

  • Anónimo

    que se passou no caso Marega é o que se passa sem...

  • zelisonda

    Meu caro Joaquim,1.-Se não sabe eu digo: foi arqui...

  • Anónimo

    Só uma pergunta. Os agora racistas de Guimarães, n...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2008
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2007
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2006
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D