Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Monchique, eucaliptos e espantalhos

por henrique pereira dos santos, em 06.08.18

O grande fogo de Monchique, que anda, neste momento, pelos 15 a 20 mil hectares ardidos, foi anunciado de várias maneiras e feitios.

Andou a ser anunciado como um inevitabilidade nos últimos meses, Monchique foi identificado como o concelho de maior risco de incêndio por José Miguel Cardoso Pereira e a sua equipa de investigação, foi anunciado dias antes por Paulo Fernandes, foi anunciado por Carlos da Câmara, resumindo, todas as pessoas que verdadeiramente estudam os fogos em Portugal tinham identificado a inevitabilidade deste fogo e, quando as condições meteorológicas se começaram a desenhar no horizonte, com uma quase inacreditável precisão, previram quando iria acontecer.

Paulo Fernandes, numa das primeiras fases do fogo, reagindo à expressão usada pela Protecção Civil "o início do fogo foi explosivo", escreveu, com seis ou sete horas de antecedência, que ir-se-ia ver o que era ser explosivo se não agarrassem o fogo até às sete horas da tarde desse dia, como realmente não aconteceu, dando origem à noite mais complicada em Monchique.

Apesar disso, o coro de vozes que se levanta sempre a prometer "matar amanhã o velhote inimigo que morreu ontem" para usar a fantástica caracterização que Caetano Veloso fez dos reaccionários que o assobiavam num festival, lá apareceu com o espantalho da moda: é o eucalipto, o problema é o eucalipto.

Saltemos por cima da hipótese de Henk Feith (tanto mais que o próprio a apresentou como uma mera hipótese não confirmada): "Até ontem à hora de almoço arderam 2 500 ha, em 48 horas, o que dá numa média de 52 ha/ hora. Desde então arderam estimadamente mais 15 mil ha, que dão uma média de 625 ha/ hora. O que se passou então. Na minha modesta opinião: o fogo andou nos primeiros dois dias nos densos eucaliptais a Norte de Monchique. Depois passou para sul da estrada para Alferce e entrou no esteval seco que caracteriza a área até Odelouca. Daí a diferença de velocidade do fogo: bosques densos e mais humidos de eucalipto contra vegetação arbustiva seca". Antes de passar adiante, notemos que Paulo Fernandes confirma a razoabilidade da hipótese: "O simples facto do fogo mudar de floresta para matos duplica a velocidade do vento que actua sobre a chama e reduz a humidade do combustivel".

Mais que isso, perante um coro de alucinados eucaliptofóbicos que nunca estudaram o assunto, mas que não têm qualquer dúvida em qualificar os melhores investigadores do assunto como ignorantes, o próprio Paulo Fernandes confessa a sua dificuldade em responder a argumentos absurdos, filhos do atrevimento da ignorância:

"O comportamento do fogo, no que toca à vegetação, depende globalmente da estrutura e da quantidade de combustível. A composição em árvores é pouco, por vezes nada, influente. Isto está tão bem estudado, descrito, modelado e constatado empiricamente que até me custa responder. Vendo isto a outra escala não há um único estudo que mostre que os incêndios em Portugal são maiores ou mais severos por causa do eucalipto".

Mas ainda que tudo isto seja do mais claro, mesmo pessoas que antes explicavam que Monchique não tinha ardido como ardeu Pedrogão no ano passado por causa da maior presença de sobreiro, azinheira e outras autóctones, em mosaico, insistem que basta olhar para o mar de eucaliptos de Monchique para ser evidente que o fogo de Monchique resulta, na sua velocidade e violência, do excesso de eucalipto.

O facto de em 1966, em que Monchique quase não tinha eucalipto, ter ardido tanto ou mais que neste último fogo, o facto de ter ardido larga e violentamente em 1983, 1991, 2003 e, agora, em 2018, independentemente da cobertura florestal e dentro do que é previsível para a região (um retorno do fogo em torno de 15 anos), o facto de em 2004 e 2012 ter ardido violentamente o Caldeirão (mais ou menos 80% em sobreiro no primeiro, e dominantemente em sobreiro se considerarmos a árvore dominante, mas sobretudo esteva, no segundo), não demove o coro da alucinação eucaliptofóbica que tem dificuldade em perceber que se arde em Monchique, que tem muito eucalipto, arde eucalipto, mas que se arde no Sabugal (como no ano passado), que tem muito carvalhal, arde carvalhal.

Lembro-me bem do grande fogo (sobretudo em pinhal) de Macinhata do Vouga, em 1972, de que se culpou o comboio a vapor do vale do Vouga.

Lembro-me bem do Verão de 1975, em que o PC culpava a reacção e a reacção culpava o PC do ano especialmente difícil no que diz respeito a fogos (o primeiro verdadeiramente generalizado, mais ou menos quinze anos depois de iniciado o grande abandono dos anos sessenta, sinalizando a progressiva acumulação de combustíveis daí resultante).

Mais tarde o espantalho eram os negócios dos madeireiros (um clássico que continua com indefectíveis defensores, como José Gomes Ferreira, que ainda hoje fala disto com a mesma fundamentação com que um dos meus filhos me falava de um urso que lhe desarrumava o quarto).

Depois eram os negócios imobiliários, espantalho que deu origem a uma grande quantidade de legislação sobre a impossibilidade de construir em áreas ardidas.

Os incendiários são outro clássico, hoje um pouco desvalorizados, ao fim de anos e anos de investigação da Polícia Judiciária concluírem que não encontra motivações económicas relevantes nas acções dos incendiários.

Actualmente o espantalho mais vulgar é o eucalipto.

É um espantalho conveniente (como os outros), porque evita qualquer necessidade de informação e trabalho intelectual (quem se arriscar, como faço neste post, a dizer que a ligação entre fogos e eucalipto é uma treta, é porque é um vendido aos interesses económicos, argumentação sempre com muitos adeptos) e, sobretudo, evita a discussão difícil e que exige decisões políticas complicadas.

Enquanto andamos nisto, de espantalho em espantalho, escusamos de discutir o essencial do que temos a fazer: pagar a gestão de serviços ambientais que possam trazer gestão para onde ela faz falta, limitando os efeitos da raiz do problema, a ausência de gestão que permite a acumulação insensata de combustíveis.

Adenda: Ontem, no longo período em que escrevi este post, a protecção civil falava insistentemente, ao início da tarde, em ter 95% do perímetro dominado. Ao mesmo tempo, pessoas como Emanuel Oliveira, ou Nuno Gracinhas Guiomar, iam respondendo à perplexidade das pessoas que, não sabendo muito disto, como eu, mas tendo um bocadinho de informação estruturada que vão coligindo, queriam saber o que era isso de ter 95% do perímetro controlado: não liguem a informação desse tipo, é típico dizer-se no princípio do dia que os fogos estão a evoluir favoravelmente e a ceder ao combate, na parte da manhã e, depois do almoço, falar-se em violentos reacendimentos em consequência de mudança de ventos. Q.E.D., o resto do dia e da noite.

Autoria e outros dados (tags, etc)



30 comentários

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 08.08.2018 às 12:33

Escreaosva aqui nos diferentes níveis de chefias dos diversos organismos técnicos estão pessoas com cartões de diferentes partidos e interesses... isso anula as intervenções desses mesmos organismos...Substituir essas chefias sempre que cada governo toma posse tb não dá pois são inexperientes no assunto. Não há como
Tá a dar enquanto as mentalidades não mudarem... e depois criticam o PSD de querer fazer entendimentos ao ventro. por outro lado a geringonça dá azia a muita genteo seu comentário...
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 08.08.2018 às 12:36

"se os densos e mais humidos bosques de eucaliptos" fossem até ás portas de Portimao e Silves e o fogo entrasse cidade dentro talvez voçê ficasse mais esclarecido em relação ás suas teorias, felizmente a planicie algarvia e quase todo o alentejo tem uma cobertura vegetal adaptada ao seu clima porque caso contrário mais tragédias haveria certamente a comentar.
 
Sem imagem de perfil

De JPT a 08.08.2018 às 14:51

Eu agradeço a sua erudição (sem ironias) e faço fé no que fiz - porque me parece bem fundamentado e lógico. Dito isto, parece-me que as teorias acerca da "culpa" dos eucaliptos para os incêndios, para lá do asco a tudo o que "dê lucro aos capitalistas" (que eu não partilho), assentam em algo que me parece bastante evidente, e que o HPS negligencia: o eucalipto é um assassino da paisagem. A subida de Portimão para Monchique já foi uma das mais belas paisagens de Portugal (diz o "Guia de Portugal", de Raul Proença, que me acompanha a todo o lado). Agora, mesmo por queimar, é um espectáculo horroroso, com toda a emoção e variedade visual de um desfile do exército da Coreia do Norte. Se é inevitável que os laranjais entre Setúbal e Palmela, ou as quintas e charnecas entre Benfica e Sintra tenham sido obliteradas pelo crescimento urbano, já não parece igualmente inevitável o que ali aconteceu. O raio da árvore é odiosa de tão feia, e à feia ninguém quer bem (salvo o Carlos Ramos), e temos que aceitar que o ódio tolda a lógica (especialmente de quem nada ganha com o assunto, que é o caso da esmagadora maioria dos portugueses, que não não tem propriedades rústicas nem beneficia das actividades industriais associadas à floresta). Cumprimentos.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 09.08.2018 às 04:18

Mas tem um bom cheiro. Não me diga que discrimina o olfacto em favor da visão...? :)
Sem imagem de perfil

De JPT a 09.08.2018 às 09:54

Concedo isso. E por isso chupo "Ricolas" de eucalipto! :)
Perfil Facebook

De Henrique Pereira Dos Santos a 09.08.2018 às 08:09

Isso é verdade para eucaliptos, pinheiros e muitos outros povoamentos florestais que fecham as vistas.
Imagem de perfil

De Narciso Baeta a 08.08.2018 às 19:34

: “Acredita-me, encontrarás mais verdade nos bosques que nos livros; as árvores e os penedos ensinar-te-ão mais que nenhum outro mestre.” S. Francisco de Assis

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 09.08.2018 às 00:23

Se gosta tanto de eucaliptos, porque não os planta ao pé da sua casa?
Sem imagem de perfil

De Manuel Rocha a 09.08.2018 às 14:51

O seu post tem alguma razão mas, também tem dados errados, provavelmente porque obteve dados pré-2005. 
No caso do Sabugal, concelho onde resido, até 1995, ano do grande incêndio que demorou 84 dias a ser extinto e correu até à entrada de Madrid, Espanha, o povoamento era de pinheiro bravo, pinheiro manso e carvalhas. Desde aí para cá, deu-se uma mudança. Os locais ardidos, foram sendo plantados eucaliptos. Em 2003, noutro grande incêndio que durou 28 dias a ser extinto e chegou a entrar em Bragança, os grandes pinhais da região que pega com a Guarda, foram todos substituídos por eucalipto. Em 2005 ardeu a penúltima grande zona de pinheiro manso e boa parte dos eucaliptos que estariam prontos para ser cortados no ano seguinte. Em 2012, uma vasta área de eucalipto ardeu, só tendo sido possível travar o fogo quando já ia ás portas de Castelo Branco. A zona de Penamacor ficou totalmente devastada, não teve sorte de chegar a ser notícia na televisão, mesmo que 43 casas tivessem ardido, sem vítimas mortais. 
Neste momento só existe uma grande zona de carvalhas: a circundante à barragem do Sabugal que se prolonga pela parte norte da Serra da Malcata. O resto é eucalipto ou mato, por serem pinhais que estão ao abandono. Quase 78% das áreas florestais não são conhecidos os donos, nalguns casos o último registo é de 1920 para trás, não tendo sido actualizado pelos herdeiros. Em 2007 tentou-se fazer a recolha de informações, não foi possível, pela redução da população residente e só se conhecerem os donos das lameiras, próximas das aldeias. São dezenas de milhares de hectares que ninguém sabe de quem são. No ano passado e neste, tem-se tentado registar os proprietários da manta florestal identicada, como pouca adesão, pois são pessoas não residentes. Este mês as juntas tem estado a tentar recolher dados das pessoas que estão de férias para actualizar as matrizes, com muito fracos resultados, até agora. 
Imagem de perfil

De José da Xã a 09.08.2018 às 16:11

Caríssimo,

Um ponto prévio:

Fala-se com tipo de floresta mediterrânea como sendo altamente combustível. Curiosamente este Verão na Suécia ardeu muita floresta. Pelo que sei eles não têm floresta mediterrânea. Portanto o tipo de árvores passou a ser um falso problema.

Vamos então ao importante.

Tenho alguns hectares de pinhal que, quais gauleses irredutíveis, resiste ao fogo, não obstante o ano passado este ter estado muito próximo. Através de um projecto PRODER consegui ter ajuda na manutenção deste pinhal. Todavia o mato cresce todos os anos. E o investimento na limpeza é grande.

Neste momento o dito pinhal está todo limpo, sem mato, com aceiros e até construí ao lado uma pequena charca para a necessidade de água num eventual incêndio.

Porém… pegado ao meu, cresce um outro pinhal de forma desordenada e sem quaisquer cuidados na sua manutenção. Ninguém sabe quem são os donos deste naco de terra ou se sabem não dizem.

Mas pior… o ano passado após os fogos de Verão, que lamberam toda a encosta da Serra da Gardunha acabei por falar com o presidente da Junta de Freguesia sobre o pedaço sem manutenção. Na verdade a brigada de Sapadores ao dispor da JF foi ao local e limpou à beira da estrada.

No entanto ficou todo o resto do terreno por limpar. Se no que falta houver combustão, como escapará o meu pinhal, sabendo nós que parte do fogo pega pelas copas?

Posto isto continuo a tentar perceber como se iniciam estes fogos. Se não há mão humana então surgem como?

É óbvio a necessidade de uma mata mais bem gerida. E de guardas florestais que cuidem dos espaços evitando, por exemplo, o despejo de lixo urbano.

Este problema só preocupa alguns políticos nesta altura, para daqui a um mês estar tudo novamente esquecido.

Até ao ano que vem!

Sem imagem de perfil

De João Barreiras a 11.08.2018 às 00:20

 Acrescentava se me permite apenas uma particularidade existente nesta Serra de Monchique e que em meu entender, potência o avanço do fogo que é a alternância de povoamentos de matagal mediterrâneo, com medronheiros, estevas, urzes etc...espécies adaptados ao convívio com o fogo e os longos povoamentos florestais de eucalipto, o que aliado à orografia dá esta receita explosiva, onde o ataque inicial e em seguida o fogo técnico, caso tome proporções maiores, serão fundamentais para o combate.
Assisti já ao longo de muitos anos, porque vivo em Monchique e tenho formação na área da floresta e alguma experiência em análise de causas de incêndios (urbanos principalmente), aos ciclos dos grandes fogos  em minha opinião e tendo em consideração os factores meteorológicos aliados à orografia da Serra, o combate ao fogo se fosse reforçado em três ou quatro locais chave, a área consumida diminuiria drasticamente. 
Sem querer com isto arranjar um novo espantalho. 

Comentar post


Pág. 2/2



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2015
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2014
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2013
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2012
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2011
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2010
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2009
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2008
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2007
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2006
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D