Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




MEC lobista imprudente

por Vasco M. Rosa, em 28.03.14

Miguel Esteves Cardoso — que eu muito amo e admiro — cedeu hoje a fazer lobbing na sua crónica do Público pela Porto Editora, que o publica, pressionando directamente o SEC Jorge Barreto Xavier a conceder 225 000 € para a feira do livro na Invicta. 

Uma feira do livro é o maior negócio possível para os editores: vendem sem comissões de livreiros (35 ou mais %) nem (a 90% dos casos) recibo, pelo que recebem o IVA dos livros sem pagá-lo. É por isso um banquete para os grandes grupos editoriais concentrados e concentracionários (isto fica para depois mas é claro de ver!), que pela penúria do mercado parecem aflitos por ocasiões desse tipo, ainda por cima subsidiadas até ao tutano e além desse, como se a verdadeira vida livreira duma cidade se sustentasse durante um ano através desse balão (ou botija) de oxigénio que são duas ou três semanas de mercado ao ar livre, sem maiores despesas.

O que uma cidade precisa é de livrarias e de bibliotecas!!!!

Se a CMP e a SEC querem ajudar o Porto a ler mais, concedam facilidades fiscais a pequenos livreiros que queiram recuperar velhas e lindas lojas abandonadas, que a cidade do Poto providencialmente ainda tem. Além disso, com muito menos que 300 000 euros — ah, muito muito menos —, compravam excelentes livros, nacionais e estrangeiros (brasileiros, por exemplo, e por uma vez, sem exemplo...), coisa que todos sabemos não acontece de todo, ou acontece a patamares ou prateleiras mínimas.

O livro é um negócio. É risco, é indústria, e o MEC sabe como ninguém que não é a quantidade de livros que importa, antes a qualidade. Então, queridíssimo Miguel, o que deverias proclamar é a compra de livros muito muito bons para as bibliotecas do Grande Porto, e que os grandes grupos editoriais, um dos quais comprou a Assírio e Alvim para a espezinhar na sua exibição na feira do livro de Lisboa (sei que não viste esse ultraje!), se façam à vida com os meios que têm, os quais, sejamos sinceros, resultam no igualmente escandaloso monopólio diacrónico dos livros escolares. 

E uma pequena nota para protestar contra o que MEC chama «nacionalidade literária» — supondo que as editoras portuguesas valorizam clássicos nacionais. Meia dúzia de linhas e uma dúzia de nomes bastariam para exibir o flagelo e a indiferença que elas concedem aos grandes escritores portugueses.

Miguel, os teus «bons e informados amigos» não te deveriam enganar.

 

O grande abraço, de sempre,

Vasco

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)



9 comentários

Sem imagem de perfil

De fernando antolin a 28.03.2014 às 17:22

Chapeau !!
Sem imagem de perfil

De Pedro a 28.03.2014 às 20:21

Eu acho que o MEC dispensa o seu paternalismo e que o deixe de tratar publicamente como burro e incapaz de pensar pela sua cabeça.
Imagem de perfil

De Vasco M. Rosa a 29.03.2014 às 11:15

Nunca tratei o Miguel como diz (e ele poderá dizê-lo), e também nunca fiz comentários em blogues sem assinar com o meu nome completo.
Sem imagem de perfil

De Barata de Tovar a 30.03.2014 às 10:33

Que post estranho. Não se percebe se o Vasco acusa o MEC de ser interesseiro, fazendo lobbing em nome de uma editora que o publica, se quer dizer que o MEC foi pressionado ou influenciado por outros para dizer o que disse. Não se importa de esclarecer melhor o que quer dizer? Não merece o MEC que se fale dele como pessoa de convicções próprias, sem ser dirigido por interesses comerciais ou como boneco nas mãos de outros?
Imagem de perfil

De Vasco M. Rosa a 30.03.2014 às 20:29

Estranho, porquê? O ou a «Barata» leu a crónica dele? Quando o título tem o nome do SEC e as primeiras palavras são «bons e informados amigos disseram-me...», que se espera do que venha a seguir? Nunca escrevi que ele foi pressionado; «cedeu a fazer lobbing» não é claro para si? Preferia «concedeu —»?
Em centenas de crónicas, MEC raramente intervém em assuntos tão concretos e com incidência com meios públicos como este (fora o SNS, com razão, e pelas razões familiares conhecidas).
Cada um que interprete como melhor achar. Se lamento, lamento. Se o leio todos os dias, leio. E gosto muito!
Sem imagem de perfil

De Barata de Tovar a 30.03.2014 às 21:24

"Vasco", eu não prefiro nada. O MEC deu a sua opinião, baseando-se em amigos em quem confia. É uma forma normal de formar opinião. Você faz processos de intenção sobre o MEC. Eu prefiro discutir opiniões. É assim com que não conheço, quanto mais com amigos pessoas que conheço. Mas cada um sabe de si. É tudo.
Imagem de perfil

De Vasco M. Rosa a 30.03.2014 às 23:11

Bom, se prefere discutir opiniões, queira fazer o favor de discutir a minha sobre o assunto que o Miguel abordou, e refute-a. Sem isso, estará fazendo um processo de intenção, que supostamente contesta. Se quer discutir tudo isso, aqui estarei para isso continur. Mas diga quem é, onde trabalha e porque veio aqui pretender incomodar-me, pretendendo ajudar em defesa dum amigo... Sem essa transparência, não vale a pena gastar tempo consigo.
Sem imagem de perfil

De Barata de Tovar a 31.03.2014 às 09:46

"Vasco", obviamente não estou interessado em discutir ideias com alguém que levianamente acusa os outros de desonestidade. Não me dá garantias nenhumas que não me acusar também de estar a fazer lobby. Já agora, para discutir ideias não é necessário que eu saiba a sua profissão, nome completo (eu não sei o seu, nem a sua profissão, nem me interessa), e se calhar a morada. Para que quereria a minha ficha se apenas quisesse discutir ideias? 
Imagem de perfil

De Vasco M. Rosa a 31.03.2014 às 11:59

Acha-me leviano? Não me conhece, nem leu de certeza um dos livros do Miguel. Agora descalce essa bota, se quiser!
Para discutir ideias, é importante saber o posicionamento pessoal ou institucional de cada um, sobretudo numa época em que o meio editorial está de tal modo compartimentado e enfeudado, que os autores não se lançam à ousadia da indispensável liberdade de contestar (ocasionalmente sequer) o grupo económico a que se ligaram contratualmente. Isso impede um verdadeiro debate cultural sobre o estado das coisas. Se V. reconhece alguma réstia desse debate, agradeço que me informe porque não vejo nenhum...
O que mais aparecem são trogloditas querendo funalizar o pouco que aparece. Entendeu?

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • António

    O Sr. Sócrates não está parado. Com este governo d...

  • Anónimo

    O jornalixo cá do burgo tem um ponto, cavalheiresc...

  • sampy

    A resposta de Moro é uma pérola:"Não debato com cr...

  • Anónimo

    O que é que a Greta tem que eu não tenho?Esta cois...

  • Anónimo

    Penso que quis dizer "subisse tão baixo".


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2015
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2014
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2013
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2012
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2011
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2010
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2009
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2008
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2007
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2006
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D