Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Mas se é no plano moral que querem a discussão, vamos a isso

por henrique pereira dos santos, em 28.05.20

Quando muito no início da epidemia fiz um comentário a dizer que não conseguia aceitar facilmente modelos matemáticos de evolução da epidemia que partiam do princípio de que as sociedades eram campos uniformes de pontos que se comportavam de forma igual (não foi esta a formulação, mas foi esta a ideia), uma das minhas irmãs limitou-se a responder que provavelmente eu não gostava dos modelos porque eles não davam os resultados que eu queria.

Depois disso muita água correu sob as pontes, Gabriela Gomes publicou umas coisas sobre o impacto de considerar a heterogeneidade nos tais modelos (que apontavam para níveis tão baixos de imunização como 15% como o necessário para parar o surto, se a heterogeneidade fosse grande, mas mesmo usando os valores menores dos intervalos que se verificavam para outras doenças, apontava para níveis muito mais baixos que os 60% a 70% dos tais modelos que me parecia evidente que não poderiam estar certos) e a discussão foi progredindo.

Agora isto, de onde retiro este parágrafo: "The majority of the plasma samples showed poor to modest neutralizing activity. And for 1 percent of donors it was remarkably high. "Like in other diseases, everyone responds differently," says Robbiani, research associate professor at Laboratory of Molecular Immunology. "Some people have poor response, some average. And then there is a fraction of people that are exceptional responders."".

O artigo é todo ele muito interessante, mas o que me interessa é o seguinte: o conhecimento estabelecido, desde o início, não era este, o de que as pessoas não são iguais e a resposta aos agentes patogénicos não é, nunca, igual de pessoa para pessoa?

Claro que era.

A única coisa que ainda me continua a espantar é a quantidade de especialistas na matéria que, sabendo isto desde há décadas, se refugiaram na ideia de que "pode não ser assim desta vez" para defender, como resposta a mais uma epidemia, uma experimentação social nunca testada e sem qualquer suporte teórico sólido, para além dos tais modelos matemáticos, com impactos certos de dimensão colossal nos mais pobres e desprotegidos.

Não, o rigor moral nunca esteve do lado dos que, sentindo-se pessoalmente ameaçados, moveram mundos e fundos para se protegerem, fosse a que preço fosse, o rigor moral esteve sempre do lado dos que, reconhecendo os riscos pessoais, sempre souberam que não era legítimo exigir o sacrifício dos mais frágeis "para que um só de vós resista à morte, que é de todos e virá".



4 comentários

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 28.05.2020 às 14:32

o problema reside na politização e os diligentes cagaram-se nas cuecas, nos contribuintes e na economia
agora anda tudo às aranhas
'onde há aranhas não há moscas'  Brecht in Alma pura
Sem imagem de perfil

De voza0db a 28.05.2020 às 15:35


Todos os pseudo cientistas em Portróical fazem POUCAS ou nenhumas ondas pois já sabem que se as fizerem PERDEM o acesso ao tão desejado financiamento e às festas e aos prémios!


Um evidente exemplo disto é este pseudo-virologista!
https://vimeo.com/420084914 (https://vimeo.com/420084914)
Imagem de perfil

De Eremita a 29.05.2020 às 09:31

Não é correcto usar a variabilidade na capacidade para produzir anticorpos neutralizantes como exemplo de heterogeneidade. Para o que conta, os pacientes são muito mais parecidos do que diferentes, isto é, todos foram infectados e todos ficaram curados. A heterogeneidade que se tenta modelar é a da susceptibilidade à infecção (que pode resultar de diferenças no comportamento ou da existência de imunidade prévia ao vírus, por exemplo).


O resto é mais do mesmo. A heterogeneidade não foi tida em conta em alguns modelos iniciais porque é difícil de medir e no caso de uma doença nova é mais prudente admitir que não existe imunidade na população. E houve modelos muito influentes, como o do IHME (que influenciou Trump), que são baseados em dados empíricos, isto é, não precisam de imaginar como as pessoas se comportam ou reagem ao vírus.


Por fim, os modelos foram muito criticados dentro da comunidade científica. A fazer algum reparo seria ao modo acrítico como os governantes se basearam num ou outro modelo em particular. Mas tirando alguns outsiders, que se limitaram a mandar bocas (André Dias e afins) ou a fazer modelos que sabemos hoje estarem completamente errados (e.g., Gupta), basta olhar para os modelos que a OMS comparou para concluir que a COVID-19 foi considerada um problema sério pela comunidade científica e que a evolução dos números lhes deu razão. 


PS: Não vou entrar pela enésima vez na conversa de que a evolução dos números não foi influenciada pelas medidas não-farmacológicas por me parecer um debate absurdo.  E nada do que escrevi apoia a manutenção sem fim à vista de medidas de confinamento de mérito duvidoso, como o fecho de escolas. 
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 29.05.2020 às 17:47


A questão e gestão das probabilidades tem deixado a Humanidade em desespero, face ao número de falhas já verificadas!!! e, não venham com a questão dos grandes números para justificar algumas conclusões...Juntar matemática e medicina na situação actual é o primeiro passo para o falhanço total. Segundo as projecções de inicio de pandemia, apresentadas por um matemático português, nesta altura teríamos dezenas de milhares de mortos e milhões de infectados em Portugal. Estava à espero que ele viesse reconhecer e estudasse o que esteve na origem do seu erro... Para bem da ciência!
Jorge Capela

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2008
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2007
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2006
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D