Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Mas o dinheiro dos outros, sim

por José Mendonça da Cruz, em 21.11.16

ng7882001.JPG

Olá, senhor contribuinte do Porto, de Vila Real, de Coimbra, de Castelo Branco, Coruche, Marvão, Beja, Portimão, Sagres, Marvão, Maçãs de D. Maria, Bragança, Góis, e Venda de Raparigas, olá senhor contribuinte de Lisboa, também: está contente? Está feliz da vida? Devia estar. Hoje o primeiro-ministro anunciou que os seus impostos -- a que ele chama o dinheiro «do Estado» -- servem para pagar a má gestão dos transportes de Lisboa, e que assim é que devia ser. Diz ele (que sabe muito melhor que vocês como usar o vosso dinheiro) que só por «fanatismo ideológico» ainda não fora assim, e que agora prevaleceu «o bom senso» dele.

Não estão felizes? Não acreditam? Então eu transcrevo do insuspeito e cada vez mais mainstream Observador:

 

O primeiro-ministro defendeu esta segunda-feira que a transferência da Carris para a Câmara de Lisboa mostra que o “bom senso prevaleceu sobre o fanatismo ideológico” e que o Estado não faz favor nenhum ao assumir a dívida existente.

“O Estado não faz nenhum favor, porque mantém-se responsável pelo que já é responsável, que é a dívida que criou”, afirmou António Costa, referindo-se ao valor que, no ano passado, ascendia a cerca de 700 milhões de euros. 

O primeiro-ministro intervinha na cerimónia da assinatura do memorando da passagem de gestão da rodoviária Carris para a Câmara Municipal de Lisboa, no Museu da Carris.

 

Perceberam? Não perceberam? Então eu traduzo:

O primeiro-ministro defendeu esta segunda-feira que a transferência da Carris para a Câmara de Lisboa mostra que prevaleceu o fanatismo ideológico e que o Estado não faz habilidade nenhuma ao assumir a dívida existente porque paga-a com o dinheiro dos impostos que sorve.

O Estado não faz esforço nenhum, porque mantém-se responsável pelo que já era responsável, que é a dívida que criou, e o dinheiro para a pagar não é meu, é dos contribuintes, afirmou António Costa, referindo-se ao valor que, no ano passado, ascendia a cerca de 700 milhões de euros. 

O primeiro-ministro intervinha na cerimónia da assinatura do memorando da passagem de gestão da rodoviária Carris para a Câmara Municipal de Lisboa, no Museu da Carris.

 

Então, felizes ainda? Sim? Não? Ou apetece-vos dizer como a criança a cujo pai António Faria assaltara a barca e roubara as galinhas que agora comia enquanto ia fazendo prédicas de beiços untados:  «Não cuides de mim, inda que me vejas menino, que sou tão parvo que possa cuidar que, roubando-me meu pai, me hajas a mim de tratar como filho.»

 

 

 



1 comentário

Sem imagem de perfil

De daniel tecelão a 27.11.2016 às 00:54

A direita que pretendia entregar a carris a privados,tam bem a iria entregar limpinha de dividas.Parece que aí não havia problemas.
Haja pachorra!!!

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    António Costa é realmente uma referência para a hi...

  • Anónimo

    António Costa é um estadista de referência, admira...

  • Anónimo

    Caro Doutor, concordância total com o seu texto ....

  • Anónimo

    Excelente post. Subscrevo.

  • João-Afonso Machado

    Caro anónimo, não sei se nos estamos a fazer enten...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2015
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2014
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2013
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2012
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2011
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2010
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2009
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2008
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2007
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2006
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D