Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Marisa, a populista

por henrique pereira dos santos, em 02.11.19

Marisa Matias, com aquele seu ar simpático e empático, resolveu dar uma aula magistral de populismo.

No parlamento europeu foram a votos quatro resoluções sobre a gestão do fluxo migratório que chega através do Mediterrâneo, traduzindo diferentes pontos de vista sobre a forma de gerir o problema.

As votações cruzadas dos deputados acabaram por fazer com que nenhuma das votações fosse aprovada.

Este assunto passaria como qualquer outro assunto complexo que não tem soluções evidentes, e o processo político seguiria o seu curso, seja no sentido de se trabalhar uma maior aproximação política das diferentes visões sobre o assunto, seja no sentido da maior radicalização das visões sobre o assunto.

Foi então que Marisa Matias resolveu jogar uma cartada populista, bem alinhada com o modelo de intervenção anti-democrático do Bloco de Esquerda.

Num texto que pretendia arregimentar apoios pela emoção, na característica técnica populista de reduzir problemas complexos a emoções simples, resolveu acusar os que votaram contra a moção que defendia de serem contra o salvamento de pessoas em risco no mar (como se a União Europeia tivesse jurisdição sobre águas internacionais e as convenções que regulam o assunto), convenientemente omitindo que também ela, Marisa Matias, votou contra coisas destas: "Reitera a obrigação decorrente do direito internacional do mar de prestar assistência a pessoas em perigo e insta todos os Estados-Membros, a título individual e quando agem na qualidade de Estados-Membros da UE ou no contexto de fóruns internacionais relevantes, a respeitarem plenamente as normas do direito internacional e do direito da União pertinentes; insta todos os navios que realizam operações de busca e salvamento a cumprirem as instruções dadas em conformidade com o direito internacional e da União pertinente pelo centro de coordenação de busca e salvamento competente e a cooperarem com as autoridades dos Estados-Membros e a Frontex, a fim de salvaguardar a segurança dos migrantes;".

Claro que Marisa Matias não votou especificamente contra este texto (absolutamente consensual, penso eu, e que é o primeiro ponto da moção proposta pelo PPE) mas contra o o sentido geral da moção em que este ponto existe, tal como todos os que votaram contra a moção apoiada por Marisa Matias o terão feito na mesma base geral, e não por serem contra o salvamento de pessoas no mar, como Marisa Matias pretende.

Aparentemente, o que Marisa Matias pretende, como qualquer populista, não é ter ganho político racional (isto é, fazer avançar a sua agenda política com base em apoio social racional) mas usar emoções básicas das pessoas a quem se dirige para destruir os seus adversários que vê como psicopatas capazes de propôr que se pergunte a quem se está a afogar se é migrante ou refugiado e, no primeiro caso, deixar que se afoguem (este absurdo não foi inventado por mim, é Marisa Matias que, apanhada em contra-pé pelo facto de também ter votada contra moções que visavam o salvamento de pessoas, argumenta que as moções que rejeitou contêm propostas tão estúpidas como a que descrevi).

Na prática, como qualquer populista, o que Marisa Matias consegue, com estas opções, é simplesmente destruir qualquer chão comum para a discussão de problemas comuns complexos, ao tratar os seus adversários políticos como psicopatas e não como aquilo que verdadeiramente são: pessoas comuns que pensam de maneira diferente de Marisa Matias.

Não, Marisa Matias (como o Bloco) não têm uma visão democrática dos seus adversários, se isso não se nota muito, é apenas porque o poder de que dispõem é realmente pequeno.

Num dia em que tivessem o poder de mandar na polícia, construir prisões e governar o sistema de justiça, nesse dia, seria evidente como os populistas, como Marisa Matias, são corrosivos para o sistema democrático.



1 comentário

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 02.11.2019 às 17:31


Além disso, o exagerado ego de Marisa Matias não lhe deixa perceber o óbvio.

No areópago de Bruxelas não existem deputados. Existem apenas famílias políticas. Porquê?.
A encenação e a verborreia que por cá lhe conferiu o direito a lá estar, não funciona naquela, muito artificial, Torre de Babel.

Os pouquíssimos que percebem a cassete de Madame Matias (de gingeira) nunca tiveram pachorra para a ouvir.

Os outros, várias centenas com o mesmíssimo problema linguístico -tudo numa dita surreal comunicação parlamentar- têm os seus compromissos, as suas filiações funcionais que afinal regem fidelidades no voto.

Não há tradução simultânea que salve aquilo.

Nada que os preocupe, diga-se. Os congéneres de M. Matias -tantos, tão bem pagos, funcionários- nem têm um ar infeliz.

Uma das curiosidades exóticas naquele surreal orgão dito Legislativo, desta dita União Europeia, é a utilização do Bruxinglês. Isto no momento em que os titulares de tal língua mãe se vão por a mexer dali pra fora. Surreal.

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    Caro Doutor, concordância total com o seu texto ....

  • Anónimo

    Excelente post. Subscrevo.

  • João-Afonso Machado

    Caro anónimo, não sei se nos estamos a fazer enten...

  • Anónimo

    Peraltas E Seciasde Marcelino Mesquita</a>

  • Anónimo

    João-Afonso Machado, não posso estar sossegado.A H...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2015
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2014
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2013
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2012
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2011
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2010
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2009
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2008
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2007
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2006
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D