Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Mariquices de outros tempos

por João Távora, em 17.04.15

namorar1.jpg

I’m slowing down the tune
I never liked it fast
You want to get there soon
I want to get there last

(...)

Leonard Cohen 

 

Hoje em Cascais no jardim em frente ao meu escritório o meu olhar estranhou um casal que caminhava entrelaçado em passadas lentas e alinhadas. Essa visão lembrou-me manifestações antes tão comuns que depois catalogámos de possidónias, como bailaricos ou passeios nas tardes domingueiras com roupa de “ver a Deus”, nos jardins ou avenidas, a ecoarem ao fundo os gritos das crianças a brincar e o relato da bola num transístor. Se os nossos avós que tiveram de namorar “de janela”, se conformaram a encontrarem-se só em lugares públicos com um irmão mais velho ou uma criada, a minha geração envergonhada erradicou qualquer exibição de compromisso. E agora morram de vergonha os jovens leitores: o meu saudoso pai contava que antigamente no Liceu Passos Manuel onde estudou, os bons amigos andavam de braço-dado no recreio.
Claro que a minha geração, medrosa e puritana como se fez, baniu esses indecentes hábitos sociais de gente careta, iletrada, rude  – no meu tempo do liceu, tempos revolucionários, do rock pesado e da “poesia com mensagem”, já só sabiamos dançar sozinhos e caminhar de “mão dada” tornou-se uma pieguice. 

Enfim, a mesma geração que institucionalizou o nudismo, o amor livre e toda a sorte de fantasias eróticas, envergonhou-se de namorar, um assunto que circunscreveu à poesia. Curioso como ao mesmo tempo que aprenderam a tolerar demostrações públicas em homossexuais, homem e mulher tenham desaprendido de andar de braço dado com o andar sincopado. Curioso como, com tanto sexo em prime-time, criámos uma comunidade tão estéril e fragmentada. Porque o romance para fazer história tem de ser mais longo que uma canção pop. 



5 comentários

Sem imagem de perfil

De Barata de Tovar a 17.04.2015 às 21:04

Não entendi bem o seu post, João Távora. Era antigamente que eram mais mal vistas as manifestações públicas de carinho. Namorados entrelaçados era coisa rara, no meu tempo, mesmo de mão dada não era assim tão frequente. Nada que se compare com o que é agora, em que estou sempre a ver namorados abraçados. Mas falo por mim, que vivia numa vila pequena, apesar de não me lembrar de ver manifestações dessas de que fala mesmo no Porto, onde me deslocava com frequência. Estranho que na cidade em que vive o João Távora a geração anterior à sua tivesse hábitos de manifestações de carinho entre namorados, os tais que depois diz que se perderam com a sua geração. Não estou a reconhecer esse cenário antigo e tenho perto de 70 anos.
Quanto aos homossexuais, ainda hoje, se na minha terra se vissem dois deles entrelaçados, seria uma revolução ;). Até nisso, pelo que vejo, o João Távora vive num meio mais tolerante e ainda bem para si. 
Imagem de perfil

De João Távora a 17.04.2015 às 21:34

É assim mesmo, entendeu bem, Barata de Tovar: era assim que eu percepcionava  as coisas na minha cidade de Lisboa, nos diferentes ambientes, e quanto a mim hoje prevalece uma falsa tolerância.  

Cordiais cumprimentos, 
Sem imagem de perfil

De Barata de Tovar a 18.04.2015 às 15:10

João Távora, se me diz que no tempo dos seus pais eram normais, em Lisboa, as manifestações de afecto público entre namorados, ao contrário do que agora aí acontece na capital, só me resta aceitar como verdadeiro, obviamente. Nunca fui e não vou com frequência a Lisboa. Se assim é, só prova o quão diferente era essa Lisboa liberal e tolerante de todo o resto do país. Tinha ainda dito que as pessoas "aprenderam a tolerar demonstrações públicas entre homossexuais". Ora, isso soava-me estranho. Embora, repito, pouco vá a Lisboa, nunca notei, nas vezes em que aconteceu, que fossem assim tão frequentes e aceites tais manifestações, mesmo em Lisboa. Se me diz agora que essa tolerância é falsa, parece-me confirmar-e que afinal isso não será assim tão frequente. Falando da minha terra, nada diferente de todo o norte e sul que mais conheço, dá-me verdadeiramente gosto ver que agora, ao contrário do meu tempo (já nem falo do tempo dos meus pais, meu caro...), os namorados caminhem abraçados ou de mão dada. Os homossexuais, talvez daqui a três gerações.
Cordiais cumprimentos
Barata de Tovar
Imagem de perfil

De João Távora a 18.04.2015 às 19:27

Não sei se estamos a falar da mesma coisa, Barata de Tovar: as demonstrações a que me refiro são mão dada, braço dado, simples manifestações de cumplicidade. Esse tipo é que considero em crise, principalmente entre os heterossexuais.
Sem imagem de perfil

De Barata de Tovar a 20.04.2015 às 09:37

Caro João Távora, não estávamos então a falar ambos da sua estranheza em ver entrelaçados dois casais de namorados heterossexuais, e de como isso seria, supostamente, mais usual nas gerações anteriores à sua, e de como essa forma de afeto público seria agora comum nos casais homossexuais em Lisboa (e suponho que também em Cascais)? Pois foi isso precisamente que eu, velho provinciano, estranhei. Mas, para não me tornar (mais) maçador, vou antes pedir novas do que acontece aí na capital a conhecidos meus mais cosmopolitas. 

Cumprimentos

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    pm pedinte profissional sempre de mão pronta a rec...

  • Anónimo

    Já se adivinhava que mais tarde ou mais cedo havia...

  • Anónimo

    sonham com o regresso de che e de dani vermelho nu...

  • Anónimo

    PR, pm, muitos ecos não passam de meninos citadino...

  • Elvimonte

    Que desgraça... MC Gomes personifica no vídeo a nu...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2020
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2019
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2018
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2017
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2016
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2015
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2014
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2013
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2012
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2011
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2010
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2009
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2008
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2007
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D
    196. 2006
    197. J
    198. F
    199. M
    200. A
    201. M
    202. J
    203. J
    204. A
    205. S
    206. O
    207. N
    208. D