Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Mais memórias para esta campanha eleitoral

por henrique pereira dos santos, em 06.02.24

Numas arrumações, encontrei o Público de 19 de Julho de 2017.

Já antes tinha encontrado o de um mês antes, onde tinha o artigo que fiz que talvez seja o cúmulo da minha influência na discussão pública, não porque seja o melhor, mas porque quando os que sabem muito mais de fogos se recusaram a escrever ou falar sobre Pedrogão em cima da tragédia, por respeito pelas mortes ocorridas, eu desalinhei e escrevi, por respeito pelos potenciais mortos do futuro (no Chile, por estes dias, morrem mais de 100 pessoas em fogos, é bom lembrar, para não se pensar que o que aconteceu em 2017 não volta a acontecer).

E no meio de tanta gente, a começar por Marcelo Rebelo de Sousa, insistia na tecla de que tinha sido uma tragédia apesar de se ter feito tudo o que era possível fazer, o que escrevi na altura desalinhava e dizia que não, não era verdade que fosse imprevisível (como continua a não ser verdade que não estejamos a caminhar para outra tragédia, lá por 2030, mais ano, menos ano, esperando-se que dessa vez morra menos gente, ou mesmo não morra ninguém, apesar da dimensão dos fogos que irão ocorrer, não sabemos quando).

Mas é do Público de 19 de julho de 2017 que quero falar.

Uma das manchetes da capa diz, em letras bem gordas: "Portugal vai ter menos eucaliptos após cedência do Governo à esquerda". Em subtítulo, ainda na primeira página "Parlamento aprova hoje parte da reforma da floresta. Maratona negocial seguiu noite dentro. Destaque, 2 a 5".

Comecemos por fazer notar que os jornalistas do Público, os que escrevem sobre o assunto, mas também os responsáveis editoriais, acharam mais relevante afirmar que Portugal ia ter menos eucaliptos depois da cedência à esquerda, que dar informação consistente sobre que reforma da floresta era essa que ia ser aprovada.

Logo na tal página 2, a grande fotografia do destaque é o grupo parlamentar do Bloco de Esquerda, com Catarina Martins a intervir no parlamento, o título é peremptório "Está decidida a redução do eucalipto - plantação só com autorização prévia" e no lead finalmente alguma informação relevante: "Governo só fechou acordo sobre a floresta com o PCP e Bloco minutos antes da votação. Ao primeiro cedeu no cadastro retirando do banco de terras os terrenos sem dono, e ao segundo na diminuição do eucalipto".

Aparentemente os jornalistas do Público acreditam no pensamento mágico de que uma alteração de uso do solo, como o eucaliptal, aumenta ou diminui em função de decisões administrativas e não em função das decisões concretas dos gestores de terras, legais ou ilegais.

A realidade bem demonstra que a área de eucalipto continua, paulatinamente a aumentar, que nem por isso os jornalistas do Público, os deputados do Bloco de Esquerda e os muitos que apoiaram essas decisões políticas e administrativas irracionais, alguma vez vão admitir que realmente mais valia decidir mais racionalmente e com menos confiança no pensamento mágico.

Na página 5 encontro a razão de eu ter este jornal num monte de papeis velhos: um artigo de página inteira escrito por mim.

Depois de uma longa explicação sobre o que me parecem ser as raízes do problema, sugerindo um conjunto de respostas aos problemas que identifico, pergunto-me se o governo nesta reforma tinha decidido deixar de capturar os recursos existentes para a gestão do sector, transferindo parte do dinheiro disponível para o mundo rural do apoio à produção para pagar os serviços de ecossistema.

E acabo a responder a mim próprio.

"Não, o Governo resolveu inventar um problema de propriedade, como se não fosse a falta de competitividade que conduz à ausência de dono, e não a inversa, resolveu inventar um problema com uma das fileiras mais competitivas, a pretexto da sua relevância para a existência de fogos (o eucalipto representa 13% da área ardida, portanto 1% menos que as áreas agrícolas, que representam 14%), resolveu embrulhar-se em discussões bizantinas sobre planos e competências administrativas, bancos de terras cuja viabilidade económica ninguém discute, repisar o problema da dimensão da propriedade quando a maior parte do valor acrescentado da floresta é produzido na região de minifúndio, etc., etc., etc..

Como ao Estado não lhe convinha fazer o que estava perfeitamente ao seu alcance, em matérias que lhe dizem respeito, resolveu mandar os proprietários fazer o que convinha ao Estado, dizendo que estava a fazer a reforma de uma floresta que não lhe pertence.

A probabilidade disto tudo ter qualquer utilidade deve ser mais pequena que a de eu ganhar o Euromilhões, mesmo sabendo que eu não jogo".

Seis anos e meio depois, a jornalista que assina a peça ainda escreve no Público, portanto poderia perfeitamente avaliar se a razão era sua quando resolveu dizer que Portugal ia ter menos eucalipto graças ao Bloco de Esquerda, ou se realmente a chamada reforma da floresta foi "um esforço inútil, um vôo cego a nada", como diria o Reinaldo Ferreira e como previa eu nesse artigo de opinião.

Mas não, a jornalista, o jornal, os outros jornalistas, e todos os que os apoiarem neste fronda, raramente se dedicam a esta tarefa de avaliação do seu trabalho, para ganharem experiência e não se deixarem enganar facilmente porque qualquer demagogo.

E não precisam de ir tão longe nesta análise como eu fui neste post, poderiam fazer o que fiz um destes dias, por mera curiosidade pessoal.

Tenho evitado fazer comentários sobre a Iniciativa Liberal antes das eleições, para além dos que já fiz, mas fui verificar se o que eu tinha influenciado fortemente no programa anterior do partido tinha ficado no actual programa para estas eleições o que me serve para ilustrar o potencial informativo que advém do respeito pela história.

Sem surpresa, parte foi ficando, parte desapareceu e o sentido geral tem coisas que ficaram (a ideia de uma política de conservação mais contratual e menos regulamentar) e coisas que ou desapareceram, ou foram fortemente limitadas, como o pagamento dos serviços de ecossistema, dos quais, aliás, eu falava nesse artigo, ainda anterior à Iniciativa Liberal.

De trave mestra do programa anterior - o pagamento de serviços de ecossistema - em matéria de conservação da natureza e floresta, passou a nota de rodapé em que depois de se dizer que o que compete ao Estado é produzir indicadores e acompanhar a execução de planos de áreas protegidas, até se concede que "Nas circunstâncias onde o justifiquem, pode ser o próprio Estado a pagar diretamente aos proprietários pelos seus serviços de ecossistema" (e nem falo da ideia anti-liberal de permitir "às entidades de gestão cobrar serviços de ecossistema pelo seu usufruto", que atribuo à opção de pôr a garotagem, sem experiência concreta dos assuntos, a fazer programas eleitorais).

O relevante aqui não é a evolução da Iniciativa Liberal, mas o potencial informativo que existe na comparação dos diferentes programas políticos que são apresentados, pelos partidos, a diferentes eleições, bem como a avaliação dos resultados concretos de políticas executadas, neste caso da putativa reforma florestal.

Sem memória, todo o discurso sobre o futuro é vazio e, aparentemente, o jornalismo tem estado mais focado em prevêr o futuro a partir de borras de café que em o discutir a partir dos resultados concretos das políticas executadas.


6 comentários

Sem imagem de perfil

De cela.e.sela a 06.02.2024 às 10:59

«A foice e o martelo é um dos símbolos mais utilizados para representar os movimentos socialista e comunista, disseminados principalmente por personalidades.»



o PREC continua!
Sem imagem de perfil

De José Monteiro a 06.02.2024 às 17:46

Bem visivel há dias com as marchas dos policias, hoje os bombeiros.
Faltam archotes na procissão.
com o 10 M da recuperação nacional.
A ver pelos vendedores de ilusões, o paraíso ao virar da esquina.
Revisitando o Verão 75.
A bem do Regime.
Imagem de perfil

De O apartidário a 06.02.2024 às 13:31

"o jornalismo tem estado mais focado em prevêr o futuro a partir de borras de café "  ------------------  E também a promover as causas fracturantes que visam os "novos amanhãs cantadores".
Sem imagem de perfil

De lucklucky a 06.02.2024 às 18:57


"Mas não, a jornalista, o jornal, os outros jornalistas, e todos os que os apoiarem neste fronda, raramente se dedicam a esta tarefa de avaliação do seu trabalho, para ganharem experiência e não se deixarem enganar facilmente porque qualquer demagogo."



Eu diria que o jornalismo é um grande produtor de demagogia com convicção por isso a premissa que sequer estão a ser enganados tem fortes probabilidades de ser falsa e na verdade estão de acordo com engano.
Imagem de perfil

De O apartidário a 06.02.2024 às 21:18

Muito provavelmente. 
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 06.02.2024 às 19:50


Para poder usar no futuro.

Na remota União Soviética, a professora primária, membro do partido, perguntara ao menino Ivan:


- "Menino Ivan, qual é a diferença entre Capitalismo e Comunismo"? 


Responde o menino: 


- "Sra professora, o Capitalismo é a exploração do Homem pelo Homem, e o Comunismo é exactamente o contrário".

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com



Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • IMPRONUNCIÁVEL

    Haja coragem.PAREM, ESCUTEM, OLHEM.... Ouviram o D...

  • cela.e.sela

    a esquerda reacionária continua no:«bem, não é bem...

  • cela.e.sela

    D. Sebastião não quis regressar

  • Manuel da Rocha

    E a AD que fez desaparecer 70000 milhões de euros,...

  • Beirão

    A maltosa da bolha mediática não tem emenda nem ve...


Links

Muito nossos

  •  
  • Outros blogs

  •  
  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2024
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2023
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2022
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2021
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2020
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2019
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2018
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2017
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2016
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2015
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2014
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2013
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2012
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2011
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2010
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D
    196. 2009
    197. J
    198. F
    199. M
    200. A
    201. M
    202. J
    203. J
    204. A
    205. S
    206. O
    207. N
    208. D
    209. 2008
    210. J
    211. F
    212. M
    213. A
    214. M
    215. J
    216. J
    217. A
    218. S
    219. O
    220. N
    221. D
    222. 2007
    223. J
    224. F
    225. M
    226. A
    227. M
    228. J
    229. J
    230. A
    231. S
    232. O
    233. N
    234. D
    235. 2006
    236. J
    237. F
    238. M
    239. A
    240. M
    241. J
    242. J
    243. A
    244. S
    245. O
    246. N
    247. D